Sidebar

20
Seg, Maio

Brics

  • Representantes de mais de 70 entidades sindicais oriundos da África, Ásia, América Latina e Europa se reunirão entre os dias 5 e 8 de outubro na cidade de Durban, na África do Sul, para o 17º Congresso da Federação Sindical Mundial (FSM).

    Federação Sindical Mundial realiza no Paraguai plenária preparatória para 17º congresso

    O secretário de Relações Internacionais da CTB, Divanilton Pereira, está em Atenas (Grécia), na sede da FSM, para ajudar nos preparativos da atividade. Ele concedeu ao Portal CTBuma entrevista exclusiva na qual falou sobre o atual momento político e os desafios do movimento sindical diante deste cenário adverso. Leia abaixo a íntegra: 

    divanilton brasil ctb
    Portal CTB: O 17º Congresso da Federação Sindical Mundial ocorre em um momento de ofensa das forças conservadoras contra a classe trabalhadora em todo o mundo. Neste contexto, qual o papel do movimento sindical internacional na defesa dos direitos e como a classe trabalhadora deve agir frente a esta ameaça?

    Divanilton Pereira: A civilização contemporânea passa por uma severa ameaça. O capitalismo, mais uma vez, com sua natureza excludente e concentradora de capitais através de uma de suas maiores crises, impõe aos povos e, sobretudo, à classe trabalhadora uma escalada de perdas de direitos e de perspectivas. O desemprego e o genocídio contra os imigrantes são as manifestações mais trágicas da atualidade.

    A base do movimento sindical é a mais atingida nessas circunstâncias, por isso ele deve estar na linha de frente contra essa barbárie. No entanto, precisa, antes de tudo, de uma ampla unidade política capaz de sensibilizar e mobilizar as camadas mais atingidas pelo livre arbítrio do mercado hoje hegemônico.

    “Pelas conquistas das necessidades contemporâneas para os trabalhadores e contra a pobreza e as guerras geradas pela barbárie capitalista” é o lema da atividade que vai de encontro ao momento atual de crise do capitalismo mundial e suas consequências. Qual a importância da organização sindical neste cenário?

    Vivemos num quadro político desfavorável para a classe trabalhadora em nível mundial. O capital financeiro hegemoniza a economia, determina a política e dita sua agenda anti-povo e anti-trabalho. A resultante deste quadro é o aumento da pobreza, uma juventude sem perspectiva e o desemprego chegando este ano aos 200 milhões, segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

    Além disso, acirram-se as disputas geopolíticas, criando um ambiente crescente de incertezas e tensões. O consórcio imperialista, liderado pelos EUA, luta por sua hegemonia e reage patrocinando atrocidades e guerras. O lema do 17º Congresso da FSM está em sintonia com esse quadro e o seu aprofundamento nos debates, contribuirá para que o sindicalismo classista em nível internacional resista contra essa ofensiva espoliadora.

    Qual a importância da atividade acontecer na África do Sul, um dos países que com o Brasil, Rússia, India e China, compõem o (Brics)? Como esse bloco, que tem um banco próprio, pode ser uma alternativa a hegemonia dos países ricos?

    Vivemos uma transição na geopolítica, na qual novos polos produtivos e econômicos disputam exercer um maior protagonismo e sem o tutelamento absoluto da tríade FMI, Banco Mundial e Banco Central Europeu. A constituição do BRICS é a expressão máxima dessa reação.

    Logicamente que esse movimento não é um passeio. Por ameaçar o status quo hegemônico atual, seus integrantes sofrem as mais variadas contestações, sanções e conspirações – como a do Brasil – para inviabilizá-lo. A realização do congresso da FSM na África do Sul aproxima o sindicalismo classista dessa importante possibilidade histórica.

    Além de nossos históricos laços culturais, será uma honra para todos os participantes conhecerem in loco um povo que é um dos símbolos da luta anticolonialista e antisegregacionista. A terra de Nelson Mandela.

    Qual a expectativa da CTB para este congresso?

    A mais promissora possível. Estamos com uma delegação composta de 44 companheiros e companheiras, 45% de mulheres. É a maior representação da história do sindicalismo classista brasileiro. Esse coletivo expressa na prática a valorização que a CTB dá ao internacionalismo e à solidariedade classista.

    A nossa identificação com a FSM é histórica e é sustentada pelo conteúdo de nossos programas. Uma concepção anti-imperialista, antineoliberal e socialista.

    Estamos convictos de que as resoluções desse congresso, além de fortalecerem o nosso ideário e aperfeiçoarem o conhecimento de nossos sindicalistas sobre o movimento sindical internacional, reforçarão as lutas da classe trabalhadora em nível mundial.

    Érika Ceconi - Portal CTB 

  • Integrantes do Coletivo Internacional da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) participaram, nesta quinta-feira (13) na sede da central em São Paulo, de uma reunião para debater sua participação no próximo encontro dos países-membros do Brics Sindical, composto por representantes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

    A atividade será sediada pela China e ocorre de 24 a 27 de julho. O dirigente da CTB, presidente da Federação Nacional dos Conferentes e Consertadores de Carga e Descarga, Vigias Portuários, Trabalhadores de Bloco, Arrumadores e Amarradores de Navios, nas Atividades Portuárias (Fenccovib)  e diretor para assuntos internacionais da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Aquaviário e Aéreo, na Pesca e nos Portos (CONTTMAF), Mário Teixeira, representará a central no evento.

    Durante a reunião, assessor da central, Umberto Martins, fez uma análise de conjuntura e recuperou a trajetória do bloco desde sua fundação em 2009 até hoje. Ele lembrou da criação do Banco e do Fundo de Investimentos do bloco, em 2014.

    “O Brics é fundamental para superar a ordem mundial liderada pelos Estados Unidos”, frisou Martins ao destacar que a classe trabalhadora internacional tem como bandeira a luta por uma ordem anti-imperialista e citou outras iniciativas como a Celac (Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos) para a integração Sul-Sul.

    A 9ª Cúpula do Brics com os presidentes dos países que integram o bloco será em setembro.

    Portal CTB 

  • A parceria entre China e Rússia ganhou novo impulso na última semana, com o encontro dos presidentes Xi Jinping e Vladimir Putin em Moscou na véspera da comemoração do Dia da Vitória, 9 de maio, no 70º aniversário da vitória da União Soviética contra a Alemanha nazista. Os dois mandatários fecharam um acordo de US$ 25 bilhões em empréstimos chineses a empresas russas e diversos outros compromissos mútuos, inclusive um pacto pelo “reforço da aliança global” entre as duas nações.

    O presidente chinês enalteceu a “forte amizade” entre Pequim e Moscou, nascida, conforme afirmou, “nos combates da 2ª Guerra Mundial”, nos quais os dois povos guerrearam contra o eixo nazifascista - os soviéticos lutaram contra os alemães enquanto os chineses enfrentaram o imperialismo japonês. Putin afirmou que a China “é a principal aliada estratégica da Rússia”. Os dois líderes alertaram para o risco emergente do neofascismo no mundo.

    Merece também registro a realização da “Cooperação Marítima 2015”, exercício militar conjunto das duas potências nucleares no Mediterrâneo. Uma coluna de tropas chinesas participou da parada do Dia da Vitória, em mais um sinal da “forte amizade” mencionada por Jinping. Registre-se que os dois países, componentes do Brics, também fecharam recentemente um ousado acordo energético que em 30 anos pode mobilizar US$ 400 bilhões.

    Contraponto

    O fortalecimento da parceria entre Rússia e China ocorre no momento em que se acirram os conflitos diplomáticos entre os EUA e o governo Putin, alvo de sanções econômicas e uma dura campanha de isolamento e desestabilização, que o império promove em aliança com as potências capitalistas da Europa manobrando a perigosa situação da Ucrânia (onde patrocinaram um golpe e a ascensão de neofascistas ao poder) e procurando expandir o domínio da Otan na região.

    O governo Obama pretende sufocar Putin com as sanções e forçar a Rússia ao recuo e à humilhação na Ucrânia. Pressionados pela Casa Branca, os líderes do chamado Ocidente (EUA, União Europeia e Japão) boicotaram a comemoração, que não obstante reuniu 30 líderes estrangeiros e o secretário geral da ONU, Ban Ki-moon. Foi um acontecimento emblemático das transformações que estão em curso no mundo e das contradições a elas subjacentes.

    A China não só não aderiu às crescentes hostilidades do império contra Putin como faz gestos e toma atitudes concretas para evitar o isolamento político e a asfixia financeira da Rússia pelas potências capitalistas. É o caso dos empréstimos de US$ 25 bilhões anunciados dia 8, que certamente vão aliviar a situação do país, cuja economia está em crise devido à queda do preço do petróleo e às sanções ocidentais. Alguns analistas apostavam que Pequim não ia se juntar a Moscou, afrontando Washington, e nem estaria preparada para socorrer financeiramente a Rússia, mas os fatos apontam o contrário.

    O contraste entre os dois movimentos é notório e reflete uma disputa bem mais abrangente do que aparenta em torno da liderança mundial, peleja que se dá nos marcos de uma crise da hegemonia ou da sangrenta e controvertida Pax Americana. Embora os protagonistas principais sejam os Estados Unidos e a China, eles não são os únicos atores relevantes deste drama histórico.

    O fortalecimento da aliança entre Rússia e China, duas potências militares com poder de veto no Conselho de Segurança da ONU, tem o potencial de alterar substancialmente a correlação de forças internacional e criar um sonoro contraponto ao exercício, sempre unilateral, da hegemonia dos EUA. Constitui também mais uma evidência de que a ordem mundial remanescente dos acordos de Breton Woods está esgotada e o mundo vive, por consequência, uma transição para um novo tempo que abre caminho através das contradições e da luta, num processo que não será tranquilo ou pacífico e cujo desfecho não está desenhado.

    Convergência de interesses

    Embora o palco desses acontecimentos possa parecer distante do Brasil, assim como da Venezuela e outros países latino-americanos, a verdade é que eles estão estreitamente interligados à luta de classes que se desenvolve em nossas sociedades e que, como em todo o mundo, está em franco acirramento.

    Há uma fina sintonia entre o empenho da China e do Brics por uma nova ordem internacional e as iniciativas de governos, nações e povos latino-americanos e caribenhos pela integração política e econômica e pelo desenvolvimento soberano, traduzidos na rejeição da Alca e criação da Celac, caminho que nos conduz a um novo arranjo geopolítico regional que se contrapõe objetivamente aos desígnios do império estadunidense.

    As convergências de interesses no plano da economia política superam e ofuscam as divergências no intercâmbio comercial entre as indústrias brasileiras e chinesas, embora estas não sejam irrelevantes. A China, que hoje é a maior economia do mundo, se transformou na principal parceira comercial do Brasil (desde 2009) e da América Latina.

    Acumulou também um forte “cacife financeiro” para respaldar sua influência econômica, conforme notou o jornal Valor em editorial. Ao longo dos últimos anos o Estado chinês emprestou mais de US$ 50 bilhões à Venezuela, investiu um valor superior a US$ 20 bilhões na Argentina, países rebeldes ao FMI e submetidos ao forte boicote do sistema financeiro ocidental, e oferta projetos de infraestrutura no valor de US$ 59 bilhões ao Brasil.

    Os investimentos chineses no exterior têm mais sentido político, estratégico, do que os realizados pelas potências ocidentais na medida em que estão sujeitos predominantemente ao controle direto do Estado e não das multinacionais, ou seja, do capital privado, cujo objetivo maior é sempre em primeiro plano o lucro. Ou seja, tais investimentos não se submetem necessariamente à lógica estreita do capital e percorrem um caminho diferente do trilhado pelos EUA e Europa. A Petrobras obteve em abril um empréstimo de US$ 3,5 bilhões do Banco de Desenvolvimento da China no momento em que o sistema financeiro ocidental negava crédito e procurava sufocar a estatal.

    O estabelecimento de uma ordem internacional efetivamente democrática e multilateral, defendido pelos dirigentes do Partido Comunista Chinês, coincide com o anseio e a luta dos povos, nações e governos progressistas pela integração soberana e por um novo arranjo geopolítico regional.

    Os interesses dos EUA em Nossa América estão alinhados aos das forças mais obscuras e reacionárias, ao que podemos caracterizar de um modo geral como interesses de classe das burguesias locais. Já os objetivos atuais da China, em que pesem as contradições que rondam a corrente comercial e as relações de troca, convergem objetivamente com os interesses da classe trabalhadora e dos governos progressistas na região e em particular com a luta por um Brasil socialmente justo, democrático e soberano, que colidem com os propósitos da burguesia imperialista estadunidense e seus lacaios por aqui, recrutados no seio da burguesia nacional.

    O Brics tem tudo a ver com a Celac, a Unasul, a Alba e o Mercosul. E absolutamente nada a ver com a Alca. A ascensão da China à condição de grande potência financeira pode ser uma válvula de escape para os países economicamente dependentes que estão hoje submetidos ao tacão de ferro do sistema financeiro do dito Ocidente, às chantagens e imposições de rentistas e fundos abutres norte-americanos e europeus. O reforço da aliança econômica, política e militar entre China e Rússia é uma notícia alvissareira para a humanidade e oxalá que promova “um escudo poderoso da paz e da segurança mundial”, conforme disse Fidel Castro, capaz de conter os ímpetos belicosos do império e afastar o fantasma da guerra, que voltou a assombrar e pode abortar a história humana.

    Umberto Martins é jornalista e assessor político da CTB 

    Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.

  • A paisagem mundial é marcada pelo conflito entre os Estados Unidos e a China. Esse conflito vai perdurar pelas próximas décadas. A China, que já tem a maior economia do planeta (em paridade de poder de compra), deve continuar crescendo e ganhando peso relativo vis-à-vis dos EUA e da economia mundial como um todo. Os americanos vêm lidando mal com essa ascensão.

    Trump não criou o conflito, que remonta ao período Obama, pelo menos. O cenário de uma ascensão tranquila da China parece pouco provável, mesmo depois de Trump – em parte por causas das reações nacionalistas dos EUA, em parte porque o sucesso dificilmente deixa de subir à cabeça, e os chineses não estão imunes a essa regra geral. Desde o início do governo Xi Jinping, nota-se, eu não diria arrogância, mas uma crescente altivez dos chineses, o que acentua a reação americana.

    Como deveria se posicionar o Brasil? Primeiro, o óbvio: o Brasil não deve se alinhar a nenhum dos dois. País que se preza não se alinha automaticamente a ninguém. As nações, como dizia o general de Gaulle, não têm amigos, mas interesses. Para o Brasil, as relações com os EUA e a China são de grande importância econômica e política. O Brasil não tem a mais remota razão para tomar partido ou imiscuir-se nas desavenças entre os dois.

    Espero não estar exagerando na homenagem ao Conselheiro Acácio. Mas é que alguns dos integrantes do governo Bolsonaro (inclusive, infelizmente, o próprio presidente), flertam com a ideia de alinhamento aos EUA. Faz parte disso a oferta gratuita e absurda, em seguida abandonada, de sediar uma base americana em solo nacional. Faz parte disso, também, certa hostilidade à China – é verdade que mais antes do que depois da eleição. Escapa à minha compreensão o que exatamente o deputado Bolsonaro pretendia com a visita que fez a Taiwan, em março de 2018.

    O exemplo de Getúlio Vargas talvez seja relevante. Na segunda metade das décadas de 1930 e no início dos anos 1940, quando os EUA se defrontavam com a ameaça de uma Alemanha em ascensão, Vargas não se comprometeu com nenhum dos dois. Acabou entrando do lado americano na Segunda Guerra, mas obteve importantes vantagens em troca, inclusive o apoio dos EUA à implantação de Volta Redonda.

    Não deveria a postura brasileira ser semelhante agora? Ou seja: não caberia evitar precipitações e verificar, caso-a-caso, quem oferece melhores condições em termos de parcerias econômicas e políticas? Isso inclui, por exemplo, não assumir compromissos com a OCDE, fugindo da linha iniciada pelo governo Temer. A OCDE, recorde-se, é uma organização controlada pelos EUA e outros países desenvolvidos. Estabelece exigências abrangentes, que limitam severamente as políticas de desenvolvimento e defesa da economia nacional.

    Em Davos, Bolsonaro afirmou que buscará incorporar “as melhores práticas internacionais, como aquelas que são adotadas e promovidas pela OCDE”. O medíocre presidente do Banco Central do governo Temer, Ilan Goldfajn, que permanece temporariamente no cargo, foi mais longe e especificou há poucos dias que o Brasil está comprometido em aderir ao acordo de liberalização dos fluxos de capital da OCDE. Mais uma bobagem.

    Tive longa convivência com americanos e chineses no FMI, no G-20 e nos BRICS. Os chineses têm qualidades, mas a sua agenda é estreita e eles são de um pragmatismo ligeiramente selvagem; não hesitam em sacrificar os outros BRICS quando isso lhes convém.

    Mas os americanos mostram-se mais complicados. Comportam-se, em geral, de maneira prepotente e se consideram líderes natos e hereditários. Não sabem trabalhar em aliança. Coisa curiosa: com os americanos é difícil cooperar mesmo quando há concordância de posições. Passei por isso mais de uma vez nos oito anos em que tive contato regular com as delegações americanas no G-20 e a diretoria desse país no FMI.

    E um aviso aos navegantes: os americanos desprezam visceralmente comportamentos subservientes. Quantas vezes testemunhei a indiferença e, não raro, os maus-tratos dispensados por americanos a seus satélites, especialmente latino-americanos!

    Não se alinhar a nenhum dos dois não significa necessariamente manter equidistância. Se tivermos que pender para um dos lados, é provavelmente preferível pender um pouco para o da China com quem o Brasil tem uma cooperação de caráter estratégico e relativamente equilibrada no âmbito dos BRICS. Em 2019, convém recordar, o Brasil exerce a presidência de turno do grupo. A cúpula dos BRICS se dará em novembro, no Brasil, sob presidência brasileira – oportunidade que não deve ser desperdiçada.

    *Paulo Nogueira Batista Jr. é economista, foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai, e diretor executivo no FMI pelo Brasil e mais dez países.