Sidebar

18
Ter, Jun

Copa do Mundo 2018

  • A alegria dos senegaleses em sua vitória sobre a Polônia contagiará os brasileiros? (Foto: Fifa)

    Os resultados da 21ª edição da Copa do Mundo de Futebol, na Rússia, comprovam a tese de especialistas do esporte de que a atuação dos atletas difere em jogos amistosos e em campeonatos oficiais, principalmente no maior deles: a Copa do Mundo.

    E apesar da demonstração de mau caráter de um grupo de torcedores brasileiros, a Copa segue ainda sem empolgar muito a torcida canarinho, justamente porque quando ameaçou pegar, a seleção brasileira jogou um balde de água fria na esperança, jogando mal contra a Suíça. Mas nesta sexta-feira (22), a equipe comandada por Tite pode se recuperar.

    A bola cheia até o momento vai para a boa vitória do Senegal, única seleção, entre as 32 da Copa, a ter um técnico negro, contra a Polônia, por 2 x 1, na terça-feira (19). Valeu uma alegre comemoração de senegaleses nas ruas de São Paulo.

    Na rodada da quarta-feira (20), Portugal venceu o Marrocos e a Espanha derrotou o Irã, ambos por 1 x 0, as seleções europeias somam quatro pontos e o Irã três por ter vencido o Marrocos no primeiro jogo. Grupo ainda indefinido. Portugal enfrenta o Irã e a Espanha o Marrocos na próxima rodada.

    O Uruguai derrotou a Arábia Saudita pelo mesmo placar em que derrotou o Egito em sua estreia nesta Copa: 1 x 0. A seleção sul-americana soma seis pontos e já está classificada juntamente com a Rússia para a próxima fase. As duas seleções se enfrentam na última rodada desta fase para decidir o primeiro lugar do grupo A.

    Nos jogos desta quinta-feira (21), a Dinamarca enfrenta a Austrália, às 9h. Duas seleções que vêm participando das últimas copas e mostrando bom futebol, mas ainda não emplacaram. Às 12h entram em campo França e Peru.

    Duas seleções de tristes recordações para o Brasil. Em plena ditadura militar, em 1978, na Copa na Argentina, o Peru enfrentou a seleção da casa numa disputa direta com o Brasil, sendo o slado de gols fundamental para a classificação da nossa seleção. Os hermanos precisavam golear e venceram por 6 x 0, num episódio que ficou marcado por uma suposta entrega de jogo pelos peruanos.

    Já a França como todo mundo sabe derrotou o Brasil na final de 1998 em seu país por 3 x 0, num jogo também marcado por estranhas circunstâncias com uma suposta convulsão sofrida pelo atacante Ronaldo, que teria entrado em campo apenas por exigência de patrocinadores. Já em 2006, a mesma França eliminou o Brasil na segunda fase do campeonato.

    A Argentina tenta se recuperar da péssima atuação contra a Islândia, às 15h contra a Croácia. Os croatas que já venceram a Nigéria por 2 x 0 têm mostrado um bom futebol em copas, desde o fim da Iugoslávia no início dos anos 1990. A vida do time de Lionel Messi não está fácil.

    Já o Brasil enfrenta a Costa Rica, nesta sexta-feira (22), às 9h pela sua reabilitação e para ganhar a confiança da torcida. Lembrando aos atletas brasileiros que jogo é jogo, treino é treino e não existe mais time “bobo” em Copa do Mundo. Um pouco de amor ao país pode fazer bem.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • A Copa da Rússia começou com 32 seleções de países de todos os continentes. Agora as 16 melhores colocadas na fase de grupos se enfrentam num esquema de “mata-mata”, ou seja a equipe vencedora segue adiante e a outra volta para casa, com o consolo de estar entre as 16 melhores do mundo, dentre as quais não está mais a Alemanha, uma das surpresas negativas da 21ª Copa do Mundo da Federação Internacional de Futebol (Fifa).

    Neste sábado (30) se enfrentam as seleções da Argentina e França, às 11h e Uruguai e Portugal, às 15h. Os vencedores jogam pelas quartas de final, na sexta-feira (6), às 11h. 

    Já no domingo (1º) jogam Espanha e Rússia, às 11h e a Croácia pega a Dinamarca, às 15h. Os vencedores se enfrentam no sábado (7), às 15h.

    O Brasil entra em campo na segunda-feira (2) contra outro latino-americano, o México, às 11h. A Bélgica pega o Japão, único asiático a se classificar para esta fase, às 15h. Se o Brasil passar pelos mexicanos pega o vencedor desse jogo, na sexta-feira (6), às 15h.

    Encerram as oitavas a Suécia contra a Suíça, às 11h e a Colômbia versus a Inglaterra, às 15h, na terça-feira (3). Os vencedores fazem as quartas de final no sábado (7), ás 11h. Os quatro times que vencerem fazem a semifinal.

    As bolas fora dos torcedores brasileiros e também de outros países assediando as mulheres estraga o espetáculo, mas a festa segue e os babacas vão ficando para trás. São boas as chances de ao menos uma seleção latino-americana chegar à final no domingo (15). Será o hexa tão desejado desde a conquista do penta em 2002.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • Que os jogadores brasileiros joguem com alegria e possam comemorar uma boa atuação. Vitória é consequência

    A partir das 9h desta sexta-feira (22) começa a definição do futuro da seleção brasileira na Copa do Mundo 2018, na Rússia. Uma derrota como aconteceu com os argentinos complica o futuro da seleção no campeonato.

    A Argentina perdeu por 3 x 0 para a Croácia, já classificada para a próxima fase com duas vitórias. A derrota deisou os hermanos em situação extremamente difícil com apenas um ponto (que dó).

    Depois do mau resultado no empate com a Suíça pelo placar de 1 x 1, em sua estreia da Copa da Rússia, embalada pela mídia tupiniquim, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) protocolou na Federação Internacional do Futebol (Fifa) reclamações contra o árbitro mexicano César Ramos, que teria deixado de apitar um pênalti e não assinalado uma falta do atacante suíço que fez o gol de empate.

    Faltou autoconfiança aos atletas brasileiros na primeira partida e faltou mais ainda sentimento de brasilidade, entrega e amor ao esporte. Perder ou ganhar, às vezes empatar, faz parte do jogo, mas o jogo é jogado como dizem especialistas em futebol.

    Qualidade técnica o Brasil tem. Mas para superar os adversários numa Copa do Mundo é preciso mais do que malabarismos. É necessário empenho. Não se pode imaginar jogadores como Garrincha, Pelé, Didi, Domingos da Guia e tantos outros craquesficarem lamentando más arbitragens e não superarem determinações táticas e atuarem sem medo de serem felizes, sem medo de errar. Só erra quem tenta.

    Contra a Suíça, os jogadores brasileiros pareceram estar com medo de tentar as jogadas e errarem e serem condenados pela mídia, como aconteceu, por exemplo, com o goleiro da seleção de 1950, Moacir Barbosa Nascimento, que foi eleito pela mídia como o culpado pela derrota na final da Copa, em pleno Maracanã, no Rio de Janeiro, para o Uruguai por 2 x 1.

    A mídia é implacável com o seus “galvões buenos” que têm sempre que apontar um culpado como bode expiatório para a derrota. Por isso, Nelson Rodrigues já dizia que os jogadores precisam de atendimento psicológico para suportar a pressão.

    Uma vitória contra a Costa Rica, país da América Central, nesta sexta pode deixar o time mais solto, confiante e com isso jogar melhor. Ganhar ou perder faz parte do jogo, mas é preciso jogar bem e com vontade de vencer.

    Outros jogos

    A Islândia, que empatou com a Argentina em sua estreia, enfrenta a Nigéria, derrotada pela Croácia. Uma vitória sobre os africanos piora ainda mais a situação da seleção sul-americana. Fecha essa rodada o jogo entre a Sérvia e a Suíça, do grupo do Brasil, que precisa vencer hoje para ainda sonhar com o título.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Foto: Robert Michael/AFP

  • A seleção brasileira encerra a sua participação na fase de grupos da Copa da Rússia com obrigação de vencer a Sérvia, às 15h, para ganhar a confiança da torcida. Com quatro pontos, empatada com a Suíça que joga contra a desclassificada Costa Rica, no mesmo horário.

    Se quiser ficar em primeiro lugar sem depender do resultado de seus adversários anteriores, o Brasil precisa vencer. A próxima fase é no esquema “mata-mata”, ou seja, o time derrotado deixa o campeonato e se os jogos terminarem empatados, ocorre prorrogação e disputa em pênaltis, caso o empate persista.

    Com um empate na estreia com a Suíça e uma vitória obtida nos acréscimos do segundo tempo da partida contra a Costa Rica, a seleção não encantou. Falta confiança aos jogadores para ousarem mais e se arriscarem mais em campo. A festa será toda nossa? Que baixe o espírito esportivo e compromisso com o bom futebol de jogadores de outros tempos.

    Leia mais

    Copa do Mundo 2018: o assédio também entrou em campoCopa do Mundo 2018: o assédio também entrou em campo

    Brasil entra em campo para apagar a má impressão deixada no jogo de estreia nesta Copa?

    O resto é torcer. Principalmente por causa da vergonha que torcedores brasileiros estão fazendo o país passar por atitudes inconvenientes e assédios sexuais às mulheres. Inclusive com o narrador Galvão Bueno, da Globo, flagrado aos gritos com funcionários de uma empresa aérea russa por causa da falta de lugar na área VIP da aeronave.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Foto: R7

  • Às 11 horas desta segunda-feira (2), o Brasil joga contra o México pela quinta vez em uma Copa do Mundo. Na Copa da Rússia será a primeira vez que as duas seleções se enfrentam na fase das oitavas de final. As outras quatro partidas ocorreram durante a fase de grupos e o México não conseguiu marcar nenhum gol no Brasil. Foram três vitórias brasileiras e um empate.

    Na primeira vez que se enfrentaram, em 1950, a seleção canarinho goleou por 4 x 0, em pleno Maracanã, no Rio de Janeiro. Já na Suíça em 1954, nova goleada por 5 x 0. Na Copa do Chile, em 1962, o Brasil ganhou novamente desta vez por 2 x 0.

    O que pode preocupar é que na última vez em que jogaram na Copa do Brasil em 2014 ocorreu o único empate, sem gols, entre as duas seleções. Nesta Copa do Mundo, a seleção mexicana surpreendeu na estreia e derrotou a Alemanha por 1x 0, mas se classificou em segundo lugar em seu grupo, em primeiro ficou a Suécia.

    Já a seleção brasileira mostra evolução, embora ainda não tenha apresentado um bom futebol. Como a partir de agora os jogos são no esquema “mata-mata”, espera-se que os atletas brasileiros joguem com mais determinação e auto-confiança. Lembrando que estatística não ganha jogo e nenhum time vence se não atuar com sentimento de equipe. 

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Arte: Milton César

  • A seleção brasileira de futebol entra em campo nesta sexta-feira (6), às 15h (horário de Brasília), em mais uma partida decisiva da Copa do Mundo 2018, na Rússia.  Esta é q quinta vez que o Brasil enfrenta a Bélgica, a segunda em Copa do Mundo, com um espectro favorável.

    Foram três amistosos. Em Bruxelas, capital da Bélgica, o Brasil perdeu por 5 x 1, no ano de 1963. Já em 1965 veio o troco no Rio de Janeiro, a seleção canarinho ganhou por 5 x 0. No terceiro amistoso das seleções, em 1988, o Brasil venceu por 2 x 0.

    Mas como jogo é jogo, treino é treino, na conquista do pentacampeonato, em 2002, a seleção brasileira venceu os belgas nas oitavas de final por 2 x 0. Esta é a segunda vez que se enfrentam em Copa do Mundo, portanto.

    Nesta Copa, a seleção da Bélgica conquistou quatro vitórias até o momento, marcando 12 gols e sofrendo quatro. Já o Brasil foi ao fundo das redes sete vezes, mas sofreu um gol apenas na estreia contra a Suíça, quando empatou.

    Ao contrário dos belgas, que tiveram início fulminante com um futebol ofensivo, veloz e de bom toque de bola, os brasileiros vêm evoluindo aos poucos. Neste “mata-mata”, para passar para a sua 12ª semifinal, a seleção nacional precisa continuar essa evolução e os atletas terem maior aplicação e decisão com a coragem de uma equipe que quer vencer no campo. Em decisões, a técnica é fundamental, mas a garra é essencial.

    Afinal, o Brasil é o único país que participou de todas as Copas e venceu cinco delas. 

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • A seleção de Adenor Leonardo Bachi faz sua estreia na Copa do Mundo 2018, no verão da Rússia, maior país do mundo em extensão, neste domingo (17), às 15h (horário de Brasília), contra a seleção da Suíça, sem esconder o jogo. A escalação já está definida pelo técnico Adenor, mais conhecido como Tite, que mostra confiança na jovem equipe que comanda.

    Nesta primeira fase, a seleção brasileira está no grupo E que além da Suíça tem Costa Rica e Sérvia. 

    selecao brsileira estreia suica cbf

    Escalação da seleção brasileira repete a equipe que venceu a Áustria no último amistoso antes da Copa (Foto: CBF)

    Nesse jogo de estreia contra a gélida Suíça, acostumada a jogar na retranca, tanto que em 2006, na Alemanha, foi eliminada na segunda fase nos pênaltis, pela Ucrânia, sem sofrer gols no tempo normal de jogo. Foram quatro empates em 0 x 0.

    Tite renovou a equipe brasileira e deu consistência tática ao time. O diferencial do futebol brasileiro está justamente na qualidade individual de seus atletas. Resta saber se ao entrar em campo na Arena Rostov, o talento individual dos jogadores brasileiros estarão a serviço do coletivo, formando uma equipe com o propósito de jogar bom futebol e vencer.

    Sem mania de passado, mas inspiram jogadores como Garrincha, Didi, Pelé, Djalma Santos, Sócrates, Tostão, sempre atuando de forma objetiva e com sentimento de equipe. E desta vez não será preciso combinar com os russos, como disse Garrincha ao técnico para mostrar que a determinação tática dependeria também da circunstância e do talento dos jogadores.

    treinamento selecao lucas figueiredo cbf

    Treinamento da seleção canarinho (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

    De acordo com Tite, os onze atletas que entrarão em campo são Alisson, Danilo, Thiago Silva, Miranda, Marcelo, Casemiro, Paulinho, Philippe Coutinho, Willian, Neymar e Gabriel Jesus. Um time que pode fazer a diferença, se entrar com disposição e sentimento de brasilidade.

    Essa estreia mostrará a que veio essa seleção, que pode recuperar o brilho do futebol brasileiro. A conferir.

    Serviço

    O que: Copa do Mundo 2018 - Brasil x Suíça

    Onde: Arena Rostov (Rússia)

    Quando: Domingo (17), às 15h (horário de Brasília)

    Escalações prováveis:

    Brasil: Alisson; Danilo, Miranda, Thiago Silva, Marcelo, Casemiro, Paulinho, Philippe Coutinho; Neymar, Willian e Gabriel Jesus.

    Suíça: Bürki; Lichtsteiner, Schär, Djourou e Moubandj, Xhaka, Behrami , Dzemaili, Zuber, Gavranovic e Shaqiri.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • Inglaterra e Tunísia se enfrentaram na França em 1998 (Foto: Getty Images)

    Três jogos dão sequência à 21ª Copa do Mundo de Futebol, na Rússia. O dia começa com a Suécia enfrentando a Coreia do Sul, às 9h. A Bélgica joga contra a seleção do Panamá, em sua primeira participação em Copa do Mundo, às 12h.  

    Mas a partida do dia é entre a Inglaterra e a Tunísia, na expectativa de um bom futebol. Já que três das candidatas ao título decepcionaram na primeira vez que entraram em campo nesta Copa. A campeã de 2014, a Alemanha perdeu para o México por 1 x 0, a Argentina empatou em 1 x 1 com a Islândia e o Brasil também empatou com esse placar com a Suíça.

    Mas o jogo que chama mais a atenção é a estreia da Inglaterra contra a Tunísia, às 15h. Campeã uma única vez em 1966, em seu país, a seleção inglesa sempre é uma das forças do futebol, já que o esporte nasceu em terras britânicas, dizem historiadores.

    Os primeiros resultados mostram que as seleções não estão para brincadeiras. Inglaterra e Tunísia se enfrentaram pela última vez na Copa do Mundo da França, em 1998, com vitória da seleção devota à Rainha Elizabeth 2ª, por 2 x 0, mas vinte anos depois os tunisianos prometem resistência.

     Brasil: um jogo para esquecer

    brasilxsuica neymar

     Neymar decepcionou junto com toda a equipe na estreia contra a Suíça (Foto: UOL)

    A seleção brasileira não começou bem, mas pode se recuperar. Jogou mal e cedeu empate à Suíça. Faltou confiança e jogadas individuais mais ousadas para furar o bloqueio costumeiro feito pelos suíços. Restam duas partidas pela primeira fase e Neymar, Gabriel Jesus, Coutinho e companhia precisam se soltar em campo e acreditar no potencial da equipe.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • Rússia goleia a Arábia Saudita na abertura da Copa do Mundo 2018 (Foto: UOL)

    Depois de golear a Arábia Saudita por 5 x 0 na abertura da Copa do Mundo 2018, a dona da casa Rússia volta a campo nesta terça-feira (19), às 15h (horário de Brasília) contra o Egito. Sem tradição no futebol, essa é a terceira participação da seleção egípcia no mundial da Federação Internacional de Futebol (Fifa). As outras duas ocorreram na Itália (1934 e 1990).

    Já a Rússia, após o fim da União Soviética, em 1991, só não participou da edição de 2010, na África do Sul, mas não teve nenhum grande destaque nos mundiais. Neste ano, não disputou as eliminatórias por ser o país sede do evento e até o momento foi a única seleção a golear um adversário.

    O primeiro jogo desta terça-feira é entre a Colômbia e o Japão, às 9h. O país sul-americano tem progredido no futebol, mas ainda não conseguiu nenhum grande resultado em Copas do Mundo, já o Japão apresenta um futebol veloz, mas precisa evoluir na qualidade técnica para almejar resultados melhores.

    Na outra partida dessa rodada entram em campo a Polônia e o Senegal, às 12h. Esta é a segunda Copa da seleção seleganesa. A outra foi em 2002, na Coreia do Sul e Japão, ficando em sétimo lugar. Na primeira fase venceu a França por 1 x 0, empatou com a Dinamarca 1 x 1 e com o Uruguai 3 x 3. Nas oitavas de final venceu a Suécia por 2 x 1 e nas quartas de final perdeu para a Turquia por 1 x 0.

    Já a seleção polonesa traz em seu currículo dois terceiros lugares. Em 1974, na então Alemanha Ocidental, a Polônia venceu o Brasil por 1 x 0 e em 1982, na Espanha, venceu a disputa com a França por 3 x 2.

    Bichos escrotos

    O maior vexame da Copa até o momento está por conta de um grupo de turistas brasileiros que propagam vídeos assediando mulheres que não entendem nada do que eles falam, achando que isso tem graça. Tipo de gente sem nada na cabeça e que acham que podem fazer qualquer coisa porque têm dinheiro. Dificilmente serão superados em estupidez. Bichos escrotos é pouco para esses que envergonham a nação brasileira lá fora.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • “A violência contra as mulheres cada vez mais toma caráter inimaginável, porque quando pensamos que não se pode ser mais babaca, machista e misógino, alguns homens brasileiros se superam”, afirma Celina Arêas, secretária da Mulher Trabalhadora da CTB.

    A ativista feminista e sindicalista mineira se refere à agressão cometida por um grupo de turistas brasileiros na Copa do Mundo 2018 a uma jovem russa. “Esse tipo de gente enxerga as mulheres como meros objetos para a sua luxúria, por isso utilizam de palavras de baixo calão sem que a moça soubesse o significado porque certamente não sabem conversar com uma mulher”, acentua Arêas.

    Quatro dos agressores foram identificados. Diego Valença Jatobá é advogado e político no interior de Pernambuco. Tanto que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional Pernambuco divulgou nota condenando a atitude de Jatobá.

    “A Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Pernambuco, por intermédio da Comissão da Mulher Advogada, reafirma seu compromisso de trabalho incansável para que os princípios do Estado Democrático de Direito sejam resguardados, proporcionando-se às mulheres a garantia de exercício de suas liberdades individuais e sexuais, com igualdade de espaço, de oportunidades e, sobretudo, de tratamento", diz trecho da nota.

    Outro agressor identificado é o tenente da Polícia Militar de Santa Catarina, Eduardo Nunes. A PM catarinense afirma que abrirá inquérito administrativo disciplinar por conduta incompatível e promete apurar os fatos e tomar providências.

    Os outros dois são Luciano Gil Mendes Coelho, engenheiro civil, de Picos (PI) e Felipe Wilson, supervisor de vôo da Latam, em Guarulhos (SP).

    Assista a estupidez dos turistas brasileiros 

    Kátia Branco, secretária da Mulher da CTB-RJ, revela ter ficado estupefata com tamanha agressão “à todas as mulheres do mundo. Essa atitude francamente anti-mulher beira a insanidade mental. A que ponto podem chegar homens para agredir mulheres?”, questiona.

    O ataque misógino à jovem russa ocorreu no sábado (16) e os agressores filmaram e postaram em redes sociais no Brasil e na Rússia. “Certamente porque se acham impunes”, diz Gicélia Bitencourt, secretária da Mulher da CTB-SP.

    Ela lembra que  Organização das Nações Unidas (ONU) afirma que 1/3 das mulheres no mundo sofrem ou sofrerão violência de gênero. “O que eles ganham com isso senão a vontade de diminuir as mulheres porque têm medo delas”, sintetiza.

    A jornalista Julieth González Therán, enviada especial da Deutsche Welle a Moscou, ainda nem tinha começado a Copa e numa reportagem um homem apareceu de surpresa a agarrou e beijou seu rosto sem a permissão dela.

    “Não merecemos esse tratamento. Somos igualmente competentes e profissionais. Compartilho a alegria do futebol, mas devemos identificar os limites entre afeto e assédio”, postou a repórter colombiana em seu Twitter.

    A agressão dos brasileiros está em todas as conversas, sendo que a atitude “da maioria das pessoas é de repugnância”, conta Érika Piteres, secretária da Mulher da CTB-ES. “Algumas pessoas começam a achar que é natural agredir mulheres, pensam que nós gostamos disso, mas estão redondamente enganados, porque nós queremos é ser respeitadas”.

    Os Titãs têm uma composição em homenagem a esses assediadores: "Bichos escrotos"

    No Brasil a situação de vida das mulheres beira a calamidade como mostra o Atlas da Violência 2018, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Somente em 2016, foram mortas 4.645 mulheres, um acréscimo de 15,3% sobre 2015. No mesmo ano, as polícias brasileiras registraram 49.497 estupros no país, sendo que 50,9% das vítimas tinham menos de 13 anos, lembrando que pelos estudos do Ipea, somente 10% das vítimas denunciam os estupros.

    Além disso, os ataques às jornalistas têm se tornado corriqueiros tanto que elas criaram a página no Facebook Deixa Ela Trabalhar. “Parece que está tudo do avesso e o normal é agredir as mulheres”, assinala Arêas. “Precisamos nos unir ainda mais e dar um basta em tudo isso”.

    Acompanhe a página Deixa Ela Trabalhar aqui.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Foto: Reprodução