Sidebar

15
Seg, Out

ele não

  • A energia das mulheres na Caminhada das Flores contra o fascismo no Rio de Janeiro

    Com concentração na Candelária, às 16h30, o Fórum Estadual das Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais do Rio de Janeiro participa da Caminhada das Flores, nesta sexta-feira (21), por mais mulheres na política.

    “Nós mulheres trabalhadoras somos imprescindíveis nas lutas do nosso povo. Somos nós que alimentamos com vigor a chama das lutas políticas em nosso país”, diz Kátia Branco, secretária da Mulher Trabalhadora da CTB-RJ.

    Neste ano, as mulheres ocupam as ruas do Rio de Janeiro para reforçar a luta contra o avanço da onda fascista, representada nas eleições, por um candidato à Presidência da República. “Este movimento é um grito contra a violência e pela vida”, afirma Kátia. Por isso, “eleger nossas companheiras é fundamental para que o nosso grito por igualdade não seja silenciado. Por isso, ele não”.

    Já a filósofa, Marcia Tiburi convida as cariocas a participar da caminhada para “juntas mostrar a força do movimento por mais mulheres na política” e derrotar o machismo que mata e corrói a sociedade brasileira.

    A filósofa lembra também que a Caminhada das Flores presta homenagem “às companheiras que vieram antes de nós e tanto lutaram por nossos direitos”. Porque a luta por igualdade de direitos entres os gêneros tem história.

    A Caminhada das Flores 2018 representa as ‘lutas por mais mulheres na política, pelo empoderamento feminino, pela saúde das mulheres, contra o racismo, o machismo, a misoginia, a desigualdade de gênero e a precarização do trabalho”, avalia Rejane de Almeida, a deputada estadual Enfermeira Rejane (PCdoB-RJ).

    Desconstruindo Amélia , de Pitty 

    As pessoas interessadas em participar podem confirmar presença pela página oficial do evento no Facebook. “A Caminhada das Flores reforça a proposta de combate à violência e à opressão. As mulheres sempre foram vanguarda na luta por direitos, mas precisamos avançar ainda e ocupar  mais  espaços de decisão e poder”, acentua Marlene Miranda, secretária de Mulheres da CUT-RJ.

    A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) concorda com ela e reforça a necessidade de unidade para barrar os retrocessos. "As mulheres, como muitas vezes em nossa História, são protagonistas das lutas de nosso país”, diz.

    “Hoje estamos enfrentando, juntas, a onda do fascismo que é propagada por um candidato presidencial”, afirma Jandira. E “juntas marcharemos nessa nova primavera, irradiando sororidade, união e luta contra esse retrocesso”.

    Enquanto Marlene reforça a Caminhada das Flores como uma forma de demonstrar que "somos muitas, somos diversas, mas somos unidas e unidas somos muito mais fortes. Essa é a hora. Lugar de mulher também é na política”.

    O palco histórico de resistência da Candelária vai ficar pequeno pelo tamanho da disposição de luta das mulheres contra o fascismo. Ana Rocha, secretária da Mulher do PCdoB-RJ, afirma que a caminhada é o momento no qual, “as mulheres sinalizam a abertura da primavera com suas propostas de esperança  de novas conquistas”.

    Acesse a plataforma eleitoral do Fórum Nacional das Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais aqui.

    E as eleições podem representar “uma virada democrática e com mais mulheres progressistas eleitas”. Para Kátia, a Caminhada das Flores defende a unidade do movimento feminista na resistência a todas as formas de opressão e discriminação.

    Mulher do fim do mundo, de Alice Coutinho e Romulo Froes, interpretada por Elza Soares 

    Ela explica que será entregue às candidatas que estiverem na caminhada a plataforma eleitoral do Fórum Nacional das Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais em defesa da igualdade de gênero e contra o fascismo.

    “O machismo está matando cada vez mais no Brasil e termos mais mulheres na política é uma das formas de combater a violência, a discriminação e defender a igualdade de salários e oportunidades”, finaliza Kátia.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB


    Colaborou Kátia Branco, secretária da Mulher Trabalhadora da CTB-RJ e dirigente da CTB nacional.

  • Caetano Veloso denuncia o ódio e violência disseminados por seguidores de Bolsonaro; assista

    Neste domingo (14) ocorre um ato em homenagem ao mestre Moa, na Praça da República, em São Paulo, ás 11 horas, com o lema "O amor vencerá o ódio e o axé unirá o Brasil".

    Caetano Veloso condena de modo emocionado a violência cometida por simpatizantes do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro, que assola o país de norte a sul. O compositor e cantor baiano se revolta com o assassinato do capoeirista e compositor Moa do Katendê, de 63 anos, na segunda-feira (8). O motivo do crime: Moa afirmou ter votado no Partido dos Trabalhadores.

    “A gente está maduro o suficiente para não se entregar a coisas como essas”, diz Caetano sobre a cultura do ódio proliferada pelo candidato do PSL e seus seguidores exacerbados. Para ele, é necessário dialogar com “a mente dos brasileiros, de todos os brasileiros que são capazes de pensar e acalmar a cabeça e o coração para metabolizar os sentimentos humanos”.

    A revolta de um dos mais importantes nomes da cultura brasileira se fundamenta na ação de grupos de brutamontes atacando qualquer pessoa que não concorde com a postura deles. E o candidato que apoiam lava as mãos feito Pôncio Pilatos e afirma não ter nada a ver com os “excessos” de seus correligionários, mas foge do debate e diz categoricamente que não vai discutir o seu programa de governo com Fernando Haddad, o candidato das forças democráticas.

    Asssista o desabafo emocionado de Caetano Veloso  

    Vânia Marques Pinto, secretária de Políticas Sociais da CTB, questiona se o “povo brasileiro permitirá que o país seja reduzido a isso. Estamos beirando o radicalismo e a covardia comparada às práticas primitivas do Estado Islâmico, que prende, estupra, tortura e mata”.

    Nas redes sociais, parentes e amigos lamentaram a morte da vítima. "Mataram a história, povo sem memória. Mestre Moa Do Katendê, o senhor está vivo dentro dos corações de quem esteve perto e conheceu sua trajetória na capoeira, na música, e com a humanidade", escreveu um internauta.

    “Os seguidores do candidato extremista andam em grupos e atacam covardemente as pessoas que não aceitam o pensamento reacionário e nem o comportamento violento e preconceituoso do grupo”, afirma Vânia.

    A situação está tão grave, como notou Caetano, que a médica Tereza Dantas que trabalha em um hospital público, na capital do Rio Grande do Norte, Natal, rasgou a receita de um paciente de 72 anos após ele declarar que votou em Haddad.

    jornalista agredida em recife por bolsonaristas

    Ódio: jornalista agredida e ameaçada em Recife

    E a lista de insanidade bolsonarista prossegue. Uma jornalista do portal NE10, de Recife, foi agredida por seguidores do candidato apenas por ser jornalista, disse ela à Polícia Civil. A vítima conta que eles a agrediram e ameaçaram de estupro, no domingo (7), após ela sair de uma sessão de votação na capital pernambucana.

    No Rio de Janeiro, covardes truculentos atacaram a irmã de Marielle Franco, Anielle, na segunda-feira (8). Ela caminhava com a filha de dois anos no colo. Nem a presença da criança impediu a violência e ameaças dos “cidadãos de bem”, defensores da “família”.

    Anielle conta que eles gritaram “na minha cara e consequentemente na de minha filha (que ficou assustada claro) de que eu era 'da esquerda de merda', 'Sai daí feminista', 'Bolsonaro... Piranhaaa'", isso vindo  "de homens devidamente uniformizados com a camisa do tal candidato".

    E a violência não para. Nem um cachorro escapou da ignorância de militantes de Bolsonaro. Em uma carreata de seguidores, no domingo (30), em Muniz Ferreira, na Bahia. Um dos defensores da cultura do ódio desceu de seu carro e matou com três tiros um cachorro porque ele latia com a barulhenta carreata.

    E quando parece que o nível de insanidade atingiu o apogeu, acontece mais uma barbaridade. Ao descer do ônibus, em Porto Alegre, uma jovem de 19 anos foi agredida por três brutamontes porque ela usaa camiseta com os dizeres “Ele Não”.

    jovem agredida por bolsonaristas

    Discriminação: jovem sofre ataque de bolsonaristas em Porto Alegre

    Ela conta que foi humilhada, levou socos e dois dos agressores a seguraram para o terceiro desenhar a suástica – símbolo do nazismo – em sua barriga. Ao observar esses crimes hediondos, Caetano Veloso conclui que “não podemos reduzir o Brasil a essa barbárie” de pessoas que “ilusoriamente pensam que é superação, mas é volta, é atraso, é medo da responsabilidade, da civilização”.

    Os atentados se avolumam. Para Vânia, os seguidores do candidato da extrema-direita querem ganhar "a eleição no grito, na base da covardia e da força para amedrontar as pessoas que realmente pensam e lutam por um país solidário e justo”.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • Celina Arêas debate o papel das mulheres nas eleições e dá curso de formação em Aracaju

    A secretária da Mulher Trabalhadora da CTB, Celina Arêas debate nesta sexta-feira (28) As mulheres trabalhadoras e as eleições 2018, às 15, na sede do Sindicato dos Bancários de Sergipe (Seeb-SE).

    “O movimento feminista ganhou notoriedade na eleição deste ano porque as mulheres têm feito grandes manifestações pela igualdade de direitos há tempos”, diz Celina. E “como com o golpe de 2016 as nossas perdas têm sido enormes, nos mobilizamos ainda mais, nos unimos e vamos derrotar qualquer projeto que desrespeite as mulheres neste país”.

    Ela convoca a todas e todos a estarem nas ruas neste sábado (29), em todo o país, para “pôr fim à cultura do ódio e da violência defendida por um candidato misógino, racista, LGBTfóbico, anti-povo e anti-Brasil”.

    Formação sindical

    posse delegados sindicais seeb se 2017

    Antes da manifestação “Ele Não”, em Aracaju, às 15h, ocorre o Curso de Formação Sindical, do Seeb-SE, dirigido aos 80 delegados(as) sindicais eleitos(as) neste ano. O curso começa às 8h e termina às 14h, tempo suficiente para participar do “Ele Não”, no Viaduto do Dia, centro de Aracaju.

    Celina aborda as Concepções sindicais e Desafios e papel do representante sindical e um representante do Escritório Fernandes Advogados discorre sobre o tema O movimento sindical antes e após a reforma trabalhista.

    Após o curso, o Seeb-SE fará a posse simbólica dos delegados sindicais. Em 2017, a posse solene dos delegados e delegadas foi ao ar livre, na abertura da 11ª Caminhada dos Bancários.

    Mantendo as regras de eleições dentro das agências bancárias de Sergipe, este ano foram eleitos 30 delegados(as) do Banco do Estado de Sergipe (Banese); 26 da Caixa Econômica Federal; 17 do Banco do Brasil e sete do Banco do Nordeste.

    A presidenta do Seeb-SE, Ivânia Pereira festeja o resultado e destaca a importância da participação dos bancários e bancárias com perfil de luta. "A organização no Local de trabalho tem na figura do(a)  delegado(a) sindical um papel preponderante: é o elo entre a base e a diretoria do sindicato", destaca Ivânia.  

    Programação

    8h Café da Manhã;

    9h  Movimento sindical antes e depois da lei 13.647 (reforma trabalhista);

    10h  Concepções sindicais;

    11h  Desafios e papel do representante sindical;

    12h Aplicação Avaliação;

    13h: Posse Simbólica dos delegados;

    14h:  Almoço e confraternização.

    Portal CTB com informações do Seeb-SE