Sidebar

27
Qui, Jun

Grupo de Lima

  • Golpista orientado pelos EUA proclamou um governo paralelo e não respeita as leis do país

    Em entrevista à TV americana ABC, o presidente da Venezuela Nicolás Maduro mandou um recado ao golpista Juan Guaidó, que por ordem do vice-presidente dos EUA, Mike Pence, se autoproclamou presidente em aberto desafio ao chefe do Executivo e à Corte Suprema.

    Quando questionado se permitiria a volta de Guaidó ao país, Maduro disse: "Ele pode sair e voltar, mas terá que dar explicações à Justiça, porque foi proibido de deixar o país. Ele tem que respeitar as leis."

    Guaidó foi proibido de deixar o país e teve contas bloqueadas pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), que é alinhado a Maduro. Em janeiro, ele chegou a ser detido por agentes do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional) por cerca de uma hora.

    Apelo à traição

    O golpista cruzou as fronteiras do país, afrontando o Poder Judiciário, e se encontra na Colômbia, onde se reuniu com o vice-pesidente estadunidense, Mike Pence, e participou da grotesca novela da “ajuda humanitária”, apelando a comandantes e oficiais das Forças Armadas Bolivarianas para que traíssem o presidente e se bandeassem para o lado dos EUA. Acabou dando com os burros n´água.

    Maduro acusa Guaidó de tentar estabelecer um governo paralelo durante a reunião do Grupo de Lima, que foi realizada em Bogotá na segunda-feira (25) para tratar da crise no país sul-americano.

    O Grupo de Lima é formado por 14 países das Américas. A maioria, governada por direitistas neoliberais submissos aos ditames de Washinton, reconhece Guaidó que se autoproclamou presidente interino da Venezuela. O México integra o fórum, porém não o reconhece, pois tem hoje um governo progressista.

    O líder golpista está em território colombiano desde sexta-feira (22). Guaidó compareceu ao Venezuela Aid Live, festival bancado por um bilionário norte-americano e realizado na fronteira com a Colômbia como parte das chantagens embutidas na ajuda humanitária, cujo objetivo frustrado era esvaziar o governo Maduro e viabilizar a transferência de poder para Guaidó.

    Pau mandado dos EUA

    No dia seguinte, ele liderou a tentativa frustrada de envio do Cavalo de Troia disfarçado de ajuda humanitária para a Venezuela. A iniciativa golpista morreu nas fronteiras do país com a Colômbia e o Brasil. Na segunda-feira (25), Guaidó participou da reunião do Grupo de Lima e disse que voltaria à Venezuela ainda nesta semana.

    Mas agora terá que prestar contas à Justiça, pois conspira abertamente com autoridades estadunidenses, como ninguém menos que o vice Mike Pence, contra o governo de Nicolás Maduro, que conta com a lealdade e o firme apoio das Forças Armadas Bolivarianas, da Corte Suprema e da população mais pobre.

    Guaidó não passa de um pau mandado de Donald Trump e Mike Pence, um capacho que chegou ao ponto de defender a intervenção militar do imperialismo no próprio país, o que pode ser muito bem interpretado como crime de lesa-pátria, de traição.

    Direito à paz

    Na mesma entrevista, Maduro insistiu que os EUA realizam um plano para "fabricar uma crise" na Venezuela, o que justificaria uma intervenção não apenas em seu país, mas em toda a América do Sul. Segundo ele, "tudo o que o governo dos Estados Unidos fez foi condenado ao fracasso".

    "A Venezuela tem o direito à paz, tem instituições legítimas. Eu (...) estou preparado para um diálogo direto com o seu governo. Somos sul-americanos, temos que buscar soluções do século 21, não para a Guerra Fria. A Guerra Fria deve ser deixada para trás", disse ele, num recado ao presidente dos EUA, Donald Trump.

    Ele insistiu que Trump se tornou presidente graças ao "caminho fraturado" deixado por seu antecessor, Barack Obama, e reiterou sua disposição em dialogar com o republicano para ter relações respeitosas.

    Maduro disse que não teme o presidente norte-americano, mas se preocupa com quem está ao seu redor, como o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, o assessor de segurança, John Bolton, o secretário de Estado, Mike Pompeo, e o encarregado das relações com a Venezuela, Elliott Abrams.

    "Eu acho que essas pessoas que cercam o presidente Trump são ruins. E acho que, em certo momento, o presidente Trump terá que dizer 'temos que ver o que acontece com a Venezuela e mudar nossa política'", disse ele.

  •  O documento emitido pelo Grupo de Lima logo após as eleições democráticas realizadas na Venezuela – que deram uma vitória retumbante ao presidente Nicolás Maduro – em que os países signatários, entre eles o Brasil, declaram não reconhecer os resultados eleitorais e propõem uma série de medidas de ingerência, significam a intensificação da ameaça intervencionista sobre o país bolivariano.

    Por trás, manejando os cordéis, encontra-se o Departamento de Estado dos Estados Unidos. Como ponta de lança, governos reacionários, golpistas, subservientes aos interesses do imperialismo, como os do Brasil, Argentina e Peru, entre outros.

    De per si perigosa, a ameaça de ingerência não se esgota, porém, no âmbito diplomático. Tem também um componente militar, o qual se desenvolve há mais tempo e diz respeito à segurança e à paz de toda a região latino-americana e caribenha.

    As forças que engendram intervenções e guerras exploram com despudor a presença de venezuelanos nas regiões fronteiriças com a Colômbia e o Brasil. Utilizam o problema migratório como “prova” da existência de uma crise humanitária no país bolivariano e como pretexto para criar incidentes que poderiam transformar-se em conflitos de grave natureza política e militar.

    A ameaça foi explícita em declarações do presidente dos Estados Unidos Donald Trump. E é latente, quando se considera o entorno geopolítico e ações no âmbito militar que envolvem governos subalternos aos Estados Unidos e a própria potência imperialista do norte.

    Em novembro do ano passado, realizaram-se manobras militares, com a participação dos Estados Unidos, em território amazônico, na tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru. Nenhum patriota brasileiro e latino-americano pode deixar de considerar o evento como uma grave ameaça à soberania nacional brasileira e de todos os países da região, uma ameaça à estabilidade, à segurança e à paz.

    Foi a primeira vez que o território da Amazônia brasileira se tornou cenário de semelhantes exercícios militares. “Um exercício inédito no âmbito da América do Sul. A primeira vez que vamos montar uma base logística internacional”, disse na altura o general Theofilo Gaspar de Oliveira, responsável do Comando Logístico do exército brasileiro, em Brasilia, e um dos organizadores dos exercícios apelidados de AmazonLog.

    A “Operação América Unida”, como se denominaram os exercícios militares, durou dez dias, com simulações comandadas a partir de uma base multinacional formada por tropas de Brasil, Colômbia, Peru e Estados Unidos. A base da atividade foi a cidade de Tabatinga (AM), que faz fronteira com Letícia (Colômbia) e Santa Rosa (Peru).

    Os porta-vozes das Forças Armadas brasileiras informaram que a base é temporária e abrigou ítens de logística como munição, aparato de disparos e transporte e equipamentos de comunicação, além das tropas. Afirmam ademais que também convidaram observadores militares de outros países, agências e organismos governamentais.

    A operação fez parte do denominado AmazonLog, exercício militar criado pelo exército brasileiro a partir de uma atividade realizada em 2015 na Hungria pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), braço armado do imperialismo norte-americano e seus aliados da União Europeia, da qual o Brasil participou como observador.

    O exército brasileiro negou que a atividade sirva como embrião para uma possível base multinacional na Amazônia.

    O exercício militar AmazonLog foi o primeiro na região, mas não foi o primeiro exercício conjunto entre as Forças Armadas brasileiras e os Estados Unidos em território brasileiro. Em 2016, as marinhas das duas nações fizeram uma atividade preparatória para as Olimpíadas no Rio de Janeiro, envolvendo treinamento com foco ‘antiterrorismo’.

    Em 2015, um porta-aviões estadunidense passou pela costa do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro para treinamento da Força Aérea Brasileña (FAB).

    O objetivo explícito dos exercícios AmazonLog era, segundo o exército brasileiro, o aumento da capacidade de pronta resposta multinacional, sobretudo nos campos da logística humanitária e apoio ao enfrentamento de ilícitos transnacionais.

    Estes exercícios militares ocorrem em um quadro de maior aproximação entre os militares brasileiros e estadunidenses. Em março de 2017, o major general Clarence K.K. Chin, comandante do Exército Sul dos Estados Unidos, responsável por realizar operações multinacionais com 31 países nas Américas do Sul e Central, foi condecorado em Brasília com a medalha da Ordem do Mérito Militar. Na ocasião, o comandante norte-americano visitou as instalações do Comando Militar da Amazônia, segundo repoprtagem da “BBC News”.

    Também em março, o exército dos EUA inaugurou um centro de tecnologia em São Paulo para desenvolver alianças com o Brasil em projetos de investigação com foco em inovação. Na mesma ocasião, o Ministério da Defesa do Brasil e o Departamento de Defesa dos Estados Unidos firmaram o Convênio para Intercâmbio de Informação em Investigação e Desenvolvimento, o MIEA (Master Information Exchange Agreement, na sigla em inglês). Acordos de intercâmbio como este não necessitam de aprovação do Congresso Nacional.

    Em 3 de abril, o Ministério da Defesa anunciou em um evento na embaixada estadunidense que o Brasil e os Estados Unidos desenvolverão “um projeto de defesa” em conjunto.

    A embaixada dos Estados Unidos em Brasilia disse que o país “está satisfeito de ter sido convidado junto a outras nações regionais para participar” do exercício na Amazônia e que “busca expandir e aprofundar as parcerias de defesa com o Brasil” (“BBC News”).

    “Durante o último ano finalizamos uma série de compromissos relacionados com a Defesa (entre EUA e o Brasil)”, afirmaram porta-vozes da embaixada estadunidense. “Olhando para o futuro, outros acordos estão em discussão, incluindo suporte logístico, prova e avaliação em ciência e tecnologia e intercâmbios científicos.” (“BBC News”).

    O exército brasileiro também trabalha para organizar a ida de um batalhão de infantaria do Brasil para treinamento em uma brigada do exército estadunidense em Fort Polk, na Lusiana, no segundo semestre de 2020.

    Um dos objetivos da cooperação militar bilateral seria criar uma fiscalização maior na região e elaborar doutrinas para combater os crimes transfronteiriços que afetam a região na guerra de fronteira que hoje alimenta a guerra urbana existente nos grandes centros.

    Coincidem com esses exercícios as tratativas entre o governo dos Estados Unidos e o governo golpista de Michel Temer para ceder o centro de lançamento de foguetes e outros veículos espaciais situado em Alcântara, no estado do Maranhão. Isto representa uma gravíssima ameaça à soberania nacional brasileira e de todos os países vizinhos.

    As recentes manobras militares na Amazônia são tão graves como foram a recriação da Quarta Frota da Marinha de Guerra estadunidense em 2008 e os acordos para a instalação de bases militares na Colômbia em 2009.

    Com justa razão, o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, declarou em 1º de dezembro do ano passado que o presidente Nicolás Maduro está preocupado com a iniciativa de realizar manobras militares em território amazônico. As declarações foram feitas durante a 13ª Reunião de Ministros de Relações Exteriores da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) que se realizou em Tena, Equador, onde também pediu aos países membros que se declarem em emergência. “O Tratado e a organização do Tratado de Cooperação Amazônica devem declarar-se em emergência. O governo do Equador pode dar um primeiro passo para avançar nesse sentido, devemos ser oportunos e pertinentes”, disse o chanceler Arreaza.

    O militarismo, o intervencionismo e o golpismo, constituem o caminho que o imperialismo estadunidense percorre para impor à força a sua hegemonia. Além dos aspectos econômico, cultural e diplomático, os Estados Unidos levam a cabo uma estratégia intervencionista e militarista para assegurar um domínio multifacético de amplo espectro que pode conduzir o mundo a graves conflitos e perigosas conflagrações.

    Para robustecer a política belicista do imperialismo, Donald Trump aumentou o orçamento militar a 603 bilhões de dólares em seu primeiro ano de mandato (2017). A crescente militarização do planeta, a expansão da Otan para o leste da Europa, com vistas à Rússia, o aumento do número de bases militares, a modernização das armas nucleares e a elaboração de uma estratégia militar centrada na Ásia para a China, são aspectos essenciais da ofensiva do imperialismo, para além das investidas no Atlântico Sul com a reativação da Quarta Frota Naval.

    Os Estados Unidos e seus aliados na região latino-americana e caribenha buscam restaurar seu domínio absoluto.

    A América Latina conheceu nas duas últimas décadas um ciclo progresista cujo ponto inicial foi a eleição de Hugo Chávez para a presidência da Venezuela em 1998. Desde então, em mais de uma dezena de países foram eleitos governos progressistas, que se somaram a Cuba na resistência e na luta por uma América Latina soberana e progressista.

    A onda progressista repercutiu em toda a região, alterando significativamente, durante a primeira década e início da segunda do século 21, a correlação de forças e contrapondo-se ao poder do imperialismo estadunidense que, isolado, sofreu derrotas.

    A luta contra o neoliberalismo e pela integração latino-americana avançou. Milhões de pessoas saíram da pobreza e se criaram valiosos instrumentos de integração regional: a Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América-Tratado de Comércio dos Povos (Alba-TCP), a União de Nações Sul-americanas (Unasul), a Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac) e o Acordo de Cooperação Energética Petrocaribe.

    Os governos democráticos, patrióticos e populares da América Latina, alguns deles revolucionários e com orientação socialista, basearam sua plataforma política na promoção dos direitos sociais, no reforço do Estado nacional, na nacionalização dos recursos energéticos e, em alguns casos, na realização de transformações estruturais.

    Agora, está em curso uma ofensiva para liquidar essas conquistas, estando a Venezuela no foco. As forças reacionárias locais e o imperialismo estadunidense exploram as dificuldades econômicas e sabotam a economia com fins políticos.

    No caso da Venezuela, realizam literalmente uma guerra de quarta geração, de que fazem parte a guerra econômica, o estímulo e organização de atos violentos, o isolamento diplomático, a campanha de descrédito pela mídia empresarial, as ameaças de ingerência externa e a preparação para a guerra propriamente dita.

    Em 2016, produziu-se o golpe de Estado no Brasil. O retrocesso já consumado no Brasil, Argentina e Chile marca um ponto de inflexão no ciclo progressista latino-americano.

    O objetivo principal do imperialismo estadunidense e seus aliados é solapar e reverter o processo de integração regional, esvaziar o eixo Sul-Sul, debilitar o Brics e realinhar subalternamente a região latino-americana aos Estados Unidos.

    No contexto da crise do capitalismo e da intensificação dos conflitos geopolíticos, acentua-se no mundo a ofensiva imperialista contra direitos, liberdades e soberania nacional. Mas por todas as partes desperta a luta democrática, nacional e libertadora dos povos. Multiplicam-se as forças que na região e no mundo buscam alternativas que assegurem a soberania das nações, a prosperidade e o desenvolvimento dos países, a integração assentada na cooperação mútua entre Estados e povos, a democracia, os direitos sociais e a paz.

    A luta por democracia, independência e paz na América Latina e Caribe pressupõe a firme oposição aos planos e ações militaristas promovidos pelos Estados Unidos e os regimes reacionários seus aliados.

    Fonte: Blog Resistência, por José Reinaldo Caravalho. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil