Sidebar

18
Qui, Abr

Luiz Inácio Lula da Silva

  • 15 de novembro: o que comemorar em 128 anos de República?

    Passados 128 anos de vida republicana, a nação brasileira vê-se novamente sob a égide de uma ditadura. Desta vez disfarçada de conceitos de legalidade política e jurídica. Mesmo assim, uma ditadura que destrói conquistas e direitos da classe trabalhadora.

    Aliás desde a Proclamação, em 15 de novembro de 1889, até hoje conta-se nos dedos os períodos que respiramos ares democráticos. Nesse período tinham direito ao voto somente os homens alfabetizados maiores de 21 anos.

    As mulheres somente conquistaram esse direito em 1932, sob a égide da Revolução de 1930 que tirou do poder as oligarquias paulista e mineira. Mas Getúlio Vargas implantou o Estado Novo em 1937. Derrubado em 1945. A democracia surgia, mesmo tímida.

    Veio o golpe de Estado de 1964, que liquidou com qualquer sonho de liberdade. Acabou em 1985 e a promulgação da Constituição em 1988 trouxe ares democráticos jamais respirados com tamanha amplitude em nossas terras.

    A eleição de Luiz Inácio Lula da Silva que se inaugurou uma nova era com um projeto de desenvolvimento voltado para o mercado interno. A população viu crescer, mesmo que timidamente, a distribuição de renda.

    Dilma Rousseff ganhou a eleição em 2010 e em 2014. Foi derrubada em 2016. Prevaleceu a voracidade da elite que mais uma vez virou as costas para o país e para o povo mais pobre. Mais uma vez a República ficou nas mãos de poucos que governam para poucos. Nada a comemorar.

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy

  • 1º de maio: CTB-PE participa de ato contra a reforma trabalhista e por Lula Livre em Recife

    As trabalhadoras e os trabalhadores de Pernambuco se somam aos milhares de manifestantes que lotarão Curitiba nesta terça-feira (1º) - Dia do Trabalhador e da Trabalhadora - e realizam um grande ato pela revogação da reforma trabalhista e pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso político do golpe de Estado de 2016 desde o dia 7 de abril. O ato acontece em Recife, na Praça da Democracia, no bairro Derby, às 9h. Realização da Frente Brasil Popular, seção de Pernambuco.

    "O Brasil pede a unidade da classe trabalhadora e das forças progressistas para derrotar o golpe de 2016, que liquida nossas conquistas mais importantes e entrega o patrimônio nacional", afirma Helmilton Beserra, presidente da CTB-PE. "Além de exigir a revogação da reforma trabalhista, estaremos nas ruas neste 1º de maio para exigir a libertação do presidente Lula".

    Portal CTB

     

  • A alegria se espalha pelo Brasil: o samba "Não Mão Grande Não" ataca o golpe

    "Treze anos de conquistas sociais, milhões de brasileiros ganharam dignidade", cantam os músicos da Portela, o samba "Na Mão Grande", de Edyney Vieira, da ala de compositores da escola de samba carioca.

    Na poesia de Edney são lembrados, além da presidenta Dilma, o ex-presidente Lula e Chico Buarque. Portela, acrescentou mais uma composição à coleção que não para de crescer de músicas que denunciam o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff. O samba “Na mão grande não" é oferecido para Dilma, homenageia Lula e saúda Chico Buarque. As conquistas sociais, como o Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida e outras importantes políticas de distribuição de renda e de oportunidades para todos e todas.

    A Rede Golpe de Televisão (antiga Globo) não fica de fora da crítica bem humolrada. “E a rede Globo tentando fazer de bobo, qual é a sua plim, plim?”, cantam os sambistas da democracia.

    Delicie-se com mais este samba contra o golpe, interpretado pelo autor Edyney Vieira e Grupo Família:

     

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy

  • A prisão de Lula na mídia internacional

    O discurso do líder brasileiro como vítima de uma perseguição política está na imprensa estrangeira, que destaca ainda o favoritismo dele para as eleições presidenciais de outubro.

    A prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na noite de sábado (7), e seu discurso no ato político realizado em São Bernardo do Campo (SP), onde anunciou que se renderia à Polícia Federal, receberam grande destaque na imprensa estrangeira. O assunto está nas primeiras páginas de diversas publicações em todo o mundo e é um dos principais temas das agências internacionais de notícias. A foto de Lula, cercado por uma multidão em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, tirada por Francisco Proner, foi distribuída pela Reuters para todo o mundo e reproduzida em jornais influentes, como o inglês The Guardian e o canadense The Globe and Mail.

    As palavras-chave são a rendição do maior líder da esquerda brasileira, que está à frente na corrida presidencial, a transformação de Lula em preso político e a desconfiança sobre o sistema judiciário do país. O material produzido pelas principais agências de notícia – AP, Reuters, Bloomberg, AFP, EFE, DW e Prensa Latina – ganhou o mundo. Vários despachos foram sendo atualizados ao longo do dia.

    lula 

    O americano The New York Times traz longa reportagem assinada pelos correspondentes Manuel Androni, Ernesto Landoño e Shasta Darlington, com foto de Lalo de Almeida, destacando que Lula se rendeu para cumprir pena de 12 anos de prisão. “Sua prisão é uma reviravolta ignominiosa na notável carreira política de Lula, filho de trabalhadores rurais analfabetos que enfrentou os ditadores militares do Brasil como líder sindical e ajudou a construir um partido reformista de esquerda que governou o Brasil por mais de 13 anos”, diz a reportagem.

    Os correspondentes do NYT relatam que antes de se render às autoridades policiais federais, Lula, 72 anos, acusou promotores e juízes de intencionalmente persegui-lo com um caso infundado. “Eu não os perdoo por criar a impressão de que sou um ladrão”, disse um indignado Lula, rouco, diante de uma multidão reunida do lado de fora do sindicato de metalúrgicos. A reportagem destaca que, durante horas no sábado, em um impasse tenso, seus fervorosos defensores haviam bloqueado fisicamente sua rendição, antes de finalmente permitir que ele partisse.

    lula whashington post

    O americano Washington Post informa que Lula se entregou à Polícia Federal, mas disse que, mesmo encarcerado, vai fazer campanha política. Segundo o jornal, que destaca em foto Lula sendo levado nos braços do povo no berço do sindicalismo brasileiro, que a prisão “intensificou o drama político na maior nação da América Latina”. De acordo com o texto dos correspondentes Marina Lopes e Anthony Faiola, a cadeia transformou um homem que o presidente Barack Obama chamou de “o político mais popular da Terra” no prisioneiro mais famoso da região.

    O inglês The Guardian reproduz a foto distribuída pela Reuters com Lula cercado pela multidão e destaca em manchete: “Lula inicia sentença de prisão no Brasil depois de se entregar à polícia”. Segundo o diário, o ex-presidente promete provar sua inocência da corrupção depois de encerrar um impasse de dois dias com as autoridades. “Faça o que quiser, o poderoso pode matar uma, duas ou 100 rosas. Mas eles nunca conseguirão impedir a chegada da primavera”, discursou o líder político.

    O jornal canadense The Globe and Mail destaca em primeira página que Lula foi para a cadeia, “mas aqueles que ele defendeu lamentam o fim de uma era”, publicando também a foto de Francisco Proner, distribuída pela Reuters. O texto é da correspondente Stephanie Nolen, que abre a reportagem falando que Lula se entregou à Polícia Federal no sábado de noite, tendo feito antes um inflamado discurso de 55 minutos a apoiadores reunidos na frente do sindicato. “Foi o fim de uma dramática jornada de 48 horas que uniu o Brasil e forneceu suporte a uma extraordinária história política”, relata.

    “Muitos brasileiros anunciaram a visão de um líder supremamente poderoso em custódia da polícia como um ponto de virada para o país, um golpe contra a impunidade dos poderosos”, escreve a correspondente. Mas para outros, a prisão de Lula é um fim devastador para uma era de um tipo diferente de política. “Lula trouxe um poder para os pobres brasileiros - as pessoas foram viver acima da linha da pobreza, pessoas que nunca tinham estudado começaram a estudar, trabalhadores domésticos tiveram direitos quando antes eram todos escravizados", disse Elisa Lucinda, uma proeminente atriz, poeta e cantora. “Era um Brasil que nunca havia sido visto antes e agora vai desaparecer novamente”.

    O site russo Sputnik reporta que Lula se entregou à polícia. Os muitos despachos ao longo do dia foram reproduzidos em outras línguas, inclusive nos serviços em espanhol e português. Em um dos destaques no site, reportagem relata que embora tenha sido condenado por subornos, a Justiça não apresentou provas e que o ex-presidente é líder inconteste nas pesquisas de opinião para voltar ao poder nas eleições previstas para este ano. “A direita brasileira joga com fogo”, destaca.

    A emissora de TV Russia Today destacou no final da noite que Lula acabou com o impasse e se entregou à polícia. A reportagem aponta que, antes de se entregar, Lula se dirigiu a uma audiência de milhares de pessoas que estavam nas ruas de São Bernardo do Campo e discursou: “Quanto mais dias eles me deixarem (na cadeia), mais Lulas nascerão neste país”. A multidão gritou: “Libertem Lula!”.

    lula aelpais120538

    Na Argentina, o jornal Clarín destacou em manchete de primeira página, que Lula já está preso em Curitiba para cumprir sua pena por corrupção. Outro jornal argentino, o Página 12, aponta que a detenção de Lula é um segundo golpe que o país vive, e que, durante todo o dia, o líder do PT recebeu o apoio e solidariedade de milhares de militantes e simpatizantes. Ele falou à multidão, onde disse que o único crime que cometeu “foi tirar milhões da pobreza” e que o golpe que começou com a deposição de Dilma Rousseff terminou com a decisão de impedi-lo de ser candidato à Presidência. Também o La Nación destacou em primeira página que Lula já está na sede da PF em Curitiba, onde cumprirá sua pena.

    Agências internacionais

    Matéria da AP, reproduzida em 10,6 mil sites noticiosos, relatou que Lula foi levado no início da noite sob custódia policial, depois de um confronto tenso com seus próprios partidários e três intensos dias que de fortes emoções por causa do seu encarceramento. “Apenas algumas horas antes, Lula disse a milhares de partidários que se entregaria à polícia, mas alegou inocência e disse que sua condenação por corrupção era simplesmente uma maneira de os inimigos garantirem que ele não fugisse – e possivelmente vencesse – as eleições presidenciais de outubro”, diz o texto assinado por Maurício Savarese e Peter Prengaman.

    Reportagem da AFP relata a tensão no final de sábado da saída de Lula da sede do sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo do Campo, apontando-o como favorito da eleição presidencial de outubro. O despacho destaca que “Lula se considera vítima de uma trama da elite para impedir que concorra a um terceiro mandato”. O jornal traz declaração forte do ex-presidente: “A obsessão deles é ter uma foto do Lula prisioneiro”, disse. O material foi replicado por 3,7 mil veículos de imprensa no mundo.

    A agência espanhola EFE, em despacho divulgado no final de sábado, relatou que Lula pôs fim à sua resistência e já estava nas mãos da Polícia Federal, destacando trecho do seu discurso em que confessou ter cometido um delito. “Eu cometi um crime: trazer os pobres para a faculdade, o que lhes permite comprar carros, eles têm alimentos”. “Serei um criminoso pelo resto da minha vida”. Texto, vídeo e fotos foram reproduzidos em 2.590 sites e veículos noticiosos em todo o mundo.

    Texto da Reuters, com a foto de Lula cercado pela multidão de simpatizantes e militantes de esquerda no pátio do sindicato onde começou sua vida política, foi reproduzido em dezenas de sites de notícias. A reportagem aponta que Lula se entregou à polícia, acabando com o impasse, no início da noite de sábado. Segundo a agência, “a prisão de Lula remove a figura política mais influente do Brasil, líder da campanha presidencial deste ano”. O texto especula que isso poderia aumentar as chances de um candidato centrista prevalecer. O despacho da agência foi reproduzido por 2.480 sites e jornais, inclusive o The New York Times.

    A Deutsche Welle deu em manchete que “o ex-presidente brasileiro Lula está na prisão”, que o primeiro prazo ele havia deixado passar, no sábado os seus seguidores impediram a sua detenção, mas o líder condenado por corrupção foi levado afinal por policiais. “Vários pedidos para permanecer em liberdade até o final do apelo foram negados”, relata a agência alemã. “Lula também pediu ao Comitê de Direitos Humanos da ONU em Genebra uma liminar para evitar a detenção”.

    lula lemonde120539

    Europa

    O diário espanhol El País deu manchete de primeira página para a prisão de Lula, destacando no título trecho do discurso do ex-presidente: “A morte de um combatente não para a revolução”. Segundo o jornal, o líder petista foi para a prisão no final da noite de sábado, condenado a 12 anos de prisão, mas que falou antes a uma multidão: “Não sou um ser humano mais. Eu sou uma ideia. E as ideias não se encerram”.

    O jornal francês Le Monde, por exemplo, em editorial na edição de sábado avalia que, mesmo Lula tendo caída em “desgraça” a Justiça brasileira terá que provar ao mundo que sua mobilização contra a corrupção é capaz de atingir também a outros grupos políticos. “A Operação Lava Jato deve demonstrar ao país que a prisão de Lula não é um ato político”, aponta o editorial.

    “A prisão daquele que continuará sendo um dos dirigentes mais marcantes da história do país não significa o fim dos processos. (...) A Lava Jato precisa ter a mesma severidade com outros caciques de partidos do centro e da direita”. E cita o ex-presidenciável tucano Aécio Neves, “suspeito de corrupção passiva e obstrução da justiça”, estranhando que “seu caso ainda não foi examinado pela Suprema Corte”.

    Em reportagem da correspondente Claire Gatinois, o Le Monde destacou que Lula se rendeu à polícia, abrindo a notícia com a declaração do ex-presidente para “uma multidão em lágrimas” de que “podem matar um combatente, mas a revolução continua". “Ofegante e animado”, descreve a jornalista, “o velho confirmou a sua rendição”.

    O tradicional jornal Liberation questionou em sua edição de domingo se a ida de Lula para prisão poderia ser interpretado como “um golpe de misericórdia na esquerda latina”. Ouvindo especialistas, o jornal relata que Lula é o candidato da esquerda reformista – “não revolucionária” – a mais amigável em relação aos mercados.

    “O resultado é que ele vai tornar-se radical”, analisa Patricio Navia, orientador acadêmico do Centro de abertura e desenvolvimento da América Latina (Cadal). Fontes ouvidas pelo jornal avaliam que a esquerda terá grandes dificuldades em voltar, mas que “enquanto as sociedades da região da América Latina forem marcadas pela pobreza, desigualdade e exclusão social, sempre haverá um desafio para mudar o status quo”.

    O jornal L’Humanité aponta um “golpe judicial e militar contra Lula”, reforçando o argumento da esquerda brasileira de que o ex-presidente está sendo perseguido. “O Supremo Tribunal do Brasil rejeitou na quarta-feira a libertação do ex-presidente Lula, que é o candidato presidencial em outubro. Contra o pano de fundo das ameaças do exército”, resume. O também francês Le Fígaro destacou que Lula anunciou que aceitava a sua prisão, mas a matéria ressalta que ele contestou as acusações que pesam contra si e disse que vai provar que seu julgamento é um “crime político”.

    Em outro despacho no mesmo jornal, o destaque foi a reportagem da agência France Press, também reproduzida no diário Le Progress, noticiando que, no final da tarde de sábado, Lula foi impedido de se entregar pelos simpatizantes que cercavam o sindicato dos metalúrgicos, onde ele despontou sua liderança, na região de São Bernardo do Campo. O material também foi reproduzido no canal France24, nos jornais La Provence e La Croix, no canadense Le Journal de Montreal, as emissoras de rádio DH, da Bélgica, e Radio Canada.

    O português Diário de Notícias, em reportagem do correspondente João Almeida Moreira, destacou que o último dia de liberdade de Lula, poderia ser de tristeza, com sua despedida e a missa em memória da sua falecida mulher como panos de fundo. Mas se tornou uma festa, com direito a set list escolhida pelo ex-presidente: “Asa Branca” e “O que é, o que é”, de Gonzaguinha, “Apesar de Você”, de Chico Buarque, e o samba “Deixa a Vida me Levar”, de Zeca Pagodinho. A matéria reproduz trechos do discurso de Lula – “Eu não sou um ser humano, eu sou uma ideia, todos vocês agora vão virar Lula, eles acham que tudo o que acontece nesse país é responsabilidade do Lula, agora eu responsabilizo vocês” – e diz que o petista também citou Martin Luther King.

    Na Bélgica, a RTBF manteve flashes sobre Lula e a sua iminente prisão, durante a programação de sábado. Foram quatro destaques sobre o líder brasileiro, a última reportagem apontando que o petista foi impedido de se entregar à polícia pelos simpatizantes.

    Olímpio Cruz Neto é jornalista e escritor. Foto: Francisco Proner (destaque)

  • Após denúncia feita pela internet, foto de Dilma Rousseff aparece na Biblioteca da Presidência

    Depois de descoberta a gafe histórica (leia aqui), o site da Biblioteca da Presidência da República incluiu a foto da presidenta deposta Dilma Vana Rousseff na galeria de ex-presidentes, atualizando a lista, muito embora não houve a atualização da biografia dela até o momento.

    O governo golpista, porém, não deu nenhuma explicação para a ausência da única mulher a ocupar o cargo na hitsória do país. Rousseff foi eleita pela primeira vez em 2010 e reeleita em 2014.

    No dia 31 de agosto de 2016, o Senado Federal, votou pelo impeachment da ex-presidenta, com base em acusação de supostas manobras, conhecidas como pedaladas fiscais.

    Dois dias depois, o mesmo Senado aprovou lei permintindo a utilização de créditos suplementares (pedaladas fiscais) pelo Poder Executivo, sem necessidade de autorização do Congresso.

    “Exatamente o motivo utilizado para a deposição de uma presidenta eleita,sem comprovação de nenhum crime”, afirma Ivânia Pereira, secretária da Mulher Trabalhadora da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    Para ela, o golpe aconteceu para pôr fim ao projeto de desenvolvimento inaugurado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2003.

    "Dilma deu continuidade às políticas públicas de combate à pobreza e desenvolveu projetos de empoderamento da mulher. Esse golpe machista veio para promover retrocessos em todos os campos da vida brasileira. Por isso, estamos nas ruas pelo Fora Temer", afirma.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

  • Artistas fazem ato pela democracia e contra a perseguição a Lula, em São Paulo

    Em dia de greve histórica dos metroviários, a Casa de Portugal ficou lotada para o Ato pela Democracia e pelo Direito de Lula ser Candidato. Não poderia ser diferente. Casa cheia ávida pelo discurso do protagonista da festa, na noite desta quinta-feira (18), na capital paulista.

    Ana Cañas, Leci Brandão, Renato Braz, Aílton Graça, Alice Ruiz, Odair José, Chico César, gente do rap e do funk e muitos outros marcaram presença e posição política contra o golpe de Estado de agosto de 2016 que tirou Dilma Rousseff da Presidência.

    Todos unidos pela fala do grande jurista Fábio Konder Comparato: “Precisamos organizar o povo, é ele que vai vencer a oligarquia” e complementou afirmando ser “indispensável tributar as grandes fortunas” para tirar o país da crise e combater as desigualdades.

    Celso Amorim, Gleisi Hoffmann (presidenta do PT), Walter Sorrentino (vice-presidente do PCdoB), Fernando Haddad, Raduan Nassar, Nita Freire, Gilmar Mauro (MST), Pedro Gorki (Ubes) e Guilherme Boulos (MTST) levaram solidariedde a Lula.

    Gilberto Maringoni, do PSol, afirmou que na quarta-feira (24) quem estará “sendo julgado somos nós e a democracia brasileira”. Ele defendeu a formação de uma frente ampla contra o golpe. Já Sorrentino falou sobre a necessidade de unidade popular para um projeto nacional de desenvolvimento.

    Representando a juventude, Marianna Dias, presidenta da União Nacional dos Estudantes, emocionou com seu discurso em favor da esperança. “A esperança dos indignados que lutam” e concluiu que “a democracia vai vencer com a força da juventude que resiste”.

    Para Gleisi Hoffmann esse processo é surreal. “Não é só porque não tem prova, é porque não tem crime”, disse. Como disse Leci Brandão, dirigindo-se a Lula, "a covardia está aí! A gente sabe que o grande problema é que os golpistas não aceitam o seu pecado, que foi tratar as pessoas com respeito, você respeita a diversidade do Brasil”.

    Por volta das 23h chegou a vez do discurso mais esperado. Luiz Inácio Lula da Silva com o microfone nas mãos começou dizendo não ter sido ele que chegou ao poder porque “fomos nós que chegamos. Não fui eu que governei, fomos nós que governamos”.

    E aí falou até quase meia noite sobre o seu processo, o que o governo de Michel Temer está fazendo com o patrimônio nacional e com os direitos da classe trabalhadora e não poupou a Rede Globo que age como partido político, mesmo tendo concessão pública para operar a TV, ainda, de maior audiência no país.

    Lula encerrou o ato afirmando que deseja ser candidato á Presidência para a Petrobras voltar a “financiar, através de royalties do pré-sal, a educação, a saúde, a ciência e a tecnologia” porque para a economia crescer o Estado “tem quer fazer mais investimentos”.

    Enfim, o ex-presidente disse querer voltar a governar para devolver o “Brasil para os brasileiros, a Petrobras para os brasileiros e não para eles”, referindo aos Estados Unidos, de onde conglomerados do sistema financeiro sustentam o golpe de Estado de 2016.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy. Foto: Mídia Ninja

  • Artistas mostram que será difícil calar a voz da resistência ao golpe; assista

    O rapper paulista Emicida fez um discurso emocionante em seu show deste sábado (7), em Brasília. Ele lembrou do tempo em que trabalhava numa pequena empresa e sofria racismo. Lembrou ainda que na iminência de Luiz Inácio Lula da Silva vencer a eleição, em 2002, o seu patrão fez piada dizendo que a esposa de Lula, dona Marisa Letícia, teria muito trabalho para limpar as janelas do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República, na capital federal.

    Veja Emicida 

    “Desde aquele dia até o final da minha vida, nunca estarei do lado de alguém que ri de quem limpa janelas”, disse Emicida. De acordo com ele, a elite não suporta ver os mais pobres melhorarem de vida. E concluiu que “vai ser difícil nos calar”.

    Elza Soares também denunciou a prisão injusta de Lula em seu show em Buenos Aires – capital da Argentina – no sábado (7). “O meu país enfrenta um triste momento político e social”, afirmou a cantora carioca.

    “Querem matar nossos sonhos, querem prender nossas liberdades. Não irão conseguir. Lutarei por ela, lutarei por ele, lutarei por nós. Viva a democracia”, complementou.

    Elza Soares emociona 

    Já a paulista Ana Cañas cantou no acampamento em solidariedade ao ex-presidente em frente à sede da Polícia Federal, em Curitiba, capital do Paraná, e dedicou a Lula a canção hino da anistia de 1979, “O Bêbado e a Equilibrista”, de Aldir Blanc e João Bosco. “Lula Livre”, gritou ao final. E o público respondeu: “Eu Sou Lula”.

    Ana Cañas no acampamento em Curitiba  

    No mesmo sábado em que Lula se apresentou à PF, na saída do show de Maria Bethânia e Zeca Pagodinho, em Recife, capital de Pernambuco, o público saiu cantando “Olê, olê, olá Lula, Lula”.

    Pessoas cantam por Lula em Recife 

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Foto: José de Holanda

  • As estrelas brilharam no Festival Lula Livre e no céu do Rio de Janeiro na noite de sábado; assista

    A mídia burguesa ignorou por completo, mas o Festival Lula Livre, neste sábado (28), levou aos Arcos da Lapa, no Rio de Janeiro, mais de 80 mil pessoas para gritar a plenos pulmões por Lula Livre e pela restauração da ordem democrática através de eleições limpas em outubro.

    Foram mais de 40 artistas a emocionar o público presente ou que assistia pela transmissão, um tanto quanto precária, da TVT ou online, com as apresentações de grupos, cantoras e cantores, da Venezuela, Argentina e Cuba, além de brasileiros de todos os estilos, idades e regiões, num espetáculo estrelar e único.

    Assista ao Festival Lula Livre completo

    As apresentações musicais eram intercaladas com a leitura de textos sobre a biografia do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde 7 de abril pela “inquisição” da Lava Jato, liderada pelo juiz de primeira instância Sergio Moro, biografia da vereadora Marielle Franco assassinada em 14 de abril, sendo que a polícia ainda não conseguiu determinar quem matou e, menos ainda, quem mandou matar Marielle, além de diversos textos lidos com emoção por atrizes a atores em defesa da liberdade.

    Marcante foi ver o veterano ator Herson Capri visivelmente emocionado ao ler uma carta escrita por Lula em agradecimento ao evento. “A gente ainda vai festejar, e muito. A alegria, a liberdade e a justiça de um povo que não tem medo e que não se entrega não”, escreveu Lula, levando a plateia ao delírio.

    As apresentações foram se sucedendo com funk, rap, MPB, samba, rock, tudo bem ao estilo brasileiro amplamente diversificado. A apoteose foi com as apresentações de Chico Buarque e Gilberto Gil, que cantaram algumas canções juntos, dentre elas Cálice, de autoria deles, 45 anos depois de terem sido censurados pela ditadura (1964-1985).

    O cantor e compositor argentino, Bruno Arias cantou: “De pé, cante/que vamos ter sucesso/Avance agora/sinalizadores da unidade”, da canção O povo unido jamais será vencido, de Quilapayún e Sergio El Checo Ortega.

    Quase no final, Jards Macalé cantou Juízo final, de Nelson Cavaquinho. Essa música ilustra também o espírito de resistência necessária para se derrotar o golpe de Estado de 2016. Os últimos versos dizem: “Quero ter olhos pra ver/A maldade desaparecer”.

    No final, Gilberto Gil chamou a cantora Beth Carvalho e juntamente com Chico Buarque começaram a cantar Deixa a vida me levar, de Eri Do Cais e Serginho Meriti. Todos os artistas subiram ao palco e o espetáculo se encerrou com as estrelas brilhando nos Arcos da Lapa, tanto no céu quanto na terra. Esse espetáculo mostra que a unidade das forças populares e progressistas é possível.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Foto: Ricardo Stuckert

  • Atentado contra Lula: senadora Ana Amélia (PP-RS) insulta o bom senso e a inteligência e prega o ódio

    A senadora Ana amélia, do Partido Progressista (PP), do Rio Grande do Sul, insulta a inteligência de todos os brasileiros quando tenta justificar o seu discurso de ódio em uma convenção do seu partido no sábado (24), quando elogiou os ataques liderados por grupos de fascistas à caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em terras gaúchas. 

    A nobre senadora cumprimentou os grupos que, de acordo com ela colocaram para correr "aquele povo lá que leva um condenado".  Não contente, em seguida emendou: "Atirar ovo, levantar o relho, levantar o rebenque para mostrar o Rio Grande, para mostrar onde estão os gaúchos. Nós os respeitamos. Eles nunca nos respeitaram. E querem receber o nosso respeito. Era só o que faltava". A plateia do PP foi ao delírio. Delírio tamanho que na tarde desta terça-feira (27), alguns ônibus da caravana do ex-presidente foram alvos de tiros.

    Nesta quarta-feira (28), a senadora gaúcha subiu novamente na tribuna do Senado para afirmar sem ruborizar que aquele rompante foi apenas uma "força de expressão". Também os nazistas usavam força de expressão para mandar para a câmara de gás os seus inimigos. Ela ainda pergunta:"Que democracia é essa?" que permite questionarem a fala de uma senadora numa convenção de seu partido.Pasmem.

    PT no Senado pega a senadora na mentira. Blog Vi o Mundo publica:

    Assista a tentativa de explicação de Ana Amélia 

    Marcos Aurélio Ruy - Portal CTB

  • Ato em defesa da liberdade e da justiça une as forças progressistas no Rio de Janeiro

    Unidade Popular contra o fascismo (Foto: Ricardo Stuckert)

    Para espantar o fantasma da ditadura fascista, partidos democráticos se unem no Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (2), dois dias antes de o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar o pedido de Habeas Corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para evitar a sua prisão, mesmo sem provas.

    A análise do STF sobre o pedido da defesa de Lula, ocorre nesta quarta-feira (4), não sem intensa pressão da mídia golpista e de empresários acusados de liberar e de até pagar seus funcionários para sair às ruas pedindo a prisão do ex-presidente. 

    lula circo voador publico midia ninja

    Circo Voador tomado pela democracia na noite de segunda (2), no Rio de Janeiro (Foto: Mídia Ninja)

    O general de Exército da reserva Luiz Gonzaga Schroeder Lessa ameaça o STF com intervenção militar no país. Diz que “Se acontecer tanta rasteira e mudança da lei, aí eu não tenho dúvida de que só resta o recurso à reação armada. Aí é dever da Força Armada restaurar a ordem”, sobre a possibilidade de ser acatado o pedido da defesa de Lula. 

    Leia mais

    Movimentos organizam vigílias e atos pelo país em defesa de Lula e da democracia; confira agenda

    Assista ao Ato pela Democracia completo 

    Unidade popular

    A reação das forças populares cresce ao mesmo tempo em que aumentam as ameaças. O Circo Voador no Rio de Janeiro, palco de tantas e históricas lutas pela liberdade, mais uma vez ficou lotado na noite desta segunda-feira em defesa da liberdade e dos Direitos Humanos.

    Os partidos progressistas e de esquerda se unem contra a onda fascista que assola o país e ameaça a vida das pessoas. O próprio Lula sofreu atentado a tiros em sua caravana pelo Sul do país. Representantes do PSB, PDT, PT, PSOL, PCdoB e PCO ergueram a voz pelo direito de Lula ser candidato a presidente e ter um julgamento de acordo com a Constituição Federal.

    Muitas vozes se erguem para combater o avanço do fascismo e da ditadura. Chico Buarque, Carlos Minc, Marcelo Freixo, Manuela D'Ávila, Celso Amorim, Lindbergh Farias, Jandira Feghali, Jean Wyllys, Fernando Haddad, Eduardo Suplicy e Marcia Tiburi falaram da importância de unidade das forças democráticas.

    Também destacam a necessidade de uma imprensa comprometida com os fatos e denunciam, mais uma vez, os assassinatos de Marielle Franco, Anderson Gomes, os cinco jovens executados na Chacina de Maricá (RJ), por acreditarem na possibilidade de transformar o mundo num lugar bom para se viver.

     “O que nos une é a luta pela liberdade”, ressalta Manuela D’Ávila. Isso porque “todos queremos as mesmas coisas, a liberdade, a igualdade, a soberania para defender o pão do povo”, complementa Celso Amorim.

    Mônica Tereza Benício, viúva de Marielle, afirma que o assassinato da vereadora do PSOL e do motorista Anderson Gomes também foi um atentado à democracia. Os Jornalistas Livres lembram os diversos assassinatos que têm ocorrido no país pós-golpe de Estado.

    Veja o discurso de Lula 

    Freixo defende a necessidade de as forças democráticas conversarem com sinceridade “olho no olho” porque “seja qual for a nossa diferença, ela é menor do que a luta de classes”. Já Lula denuncia o desmonte que está sendo feito da indústria nacional e dos cortes orçamentários das áreas sociais.

    Conclui o ato afirmando que “a luta é longa, mas vale a pena” para pôr o Brasil novamente nos trilhos do desenvolvimento soberano e com distribuição de renda.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB com informações dos Jornalistas Livres e Mídia Ninja

  • Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo. Imagine sem a Lei Maria da Penha?

    A Lei 11.340 foi sancionada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no dia 7 de agosto de 2006. Foi batizada Lei Maria da Penha em homenagem à essa mulher que sobreviveu a uma tentativa de assassinato e fez de sua vida uma luta contra a violência doméstica.

    De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo, além da violência doméstica campear. Segundo o Atlas da Violência 2018, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública em parceria com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, somente em 2016 foram assassinadas 4.645 mulheres no país.

    “É uma vergonha fazermos parte desse triste ranking”, diz Celina Arêas, secretária da Mulher Trabalhadora da CTB. Por isso, diz ela, “a Lei Maria da Penha e outras políticas públicas para a proteção e acolhimento das mulheres têm sido fundamentais para o aumento de denúncias”.

    ligue 180 rompendo o silencio

    Caso da Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência - Ligue 180 -, criada em 2005 e, de acordo com a Secretaria de Políticas para as Mulheres (que perdeu status de ministério com o governo golpista de Michel Temer), recebeu 844.123 relatos de violência contra a mulher, na última década.

    A SPM informa que somente nos sete primeiros meses de 2018, o Ligue 180 registrou 79.661 denúncias. Em primeiro lugar vem a violência física com 37.396 casos registrados, seguido por violência psicológica com 26.527 relatos e 6.471 mulheres denunciaram ter sofrido abuso sexual, além de cárcere privado, abuso patrimonial, entre outras denúncias.

    Sandra Melo, chefe da Delegacia de Atendimento à Mulher do Distrito Federal, acredita na necessidade de uma implementação mais eficaz das políticas públicas e integrá-las. “Nós, do sistema da Justiça, atuamos na consequência. Tem que mexer na causa", diz ela ao G1.

    Para Celina, “o movimento feminista tem que se organizar de modo mais contundente para obrigar o Estado a tomar providências e criar um grande programa de educação que inclua a questão da violência de gênero nas escolas”.

    Casos recentes de feminicídios (quando a mulher é assassinada por ser mulher) chamam muito a atenção para a virulência dos algozes e a pouca ação da sociedade em proteger as vítimas. O caso da advogada Tatiane Spitzner, de Guarapuava (PR), “é um exemplo claro de que em briga de marido e mulher devemos meter a colher sim”, afirma Celina. Isso porque a advogada foi agredida diante das câmaras do condomínio onde residia e ninguém prestou socorro.

    Como diz, à BBC News Brasil, a juíza Teresa Cristina Cabral Santana, da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário do Estado de São Paulo, a “intervenção pode salvar uma vida”.Teresa explica que “quando a pessoa percebe que está sendo observada, que tem testemunhas, que tem alguém que possa contar o que aconteceu, a tendência é parar ou diminuir, pelo menos”.

    Lei Maria da Penha, de Luana Hansen e Drika Ferreira 

    Segundo o estudo da OMS, no Brasil, são 2 milhões de mulheres espancadas por ano, uma a cada 24 segundos. Além disso, ocorrem de 4,8 feminicídios para 100 mil mulheres, o que coloca o Brasil com a quinta taxa maior de feminicídios no mundo.

    Por isso, para a juíza, “no mínimo, os vizinhos têm que chamar a polícia. Se você ouve um pedido de socorro, não pode esperar para ver o que vai acontecer”. Celina concorda com ela e diz que “a nossa atitude pode salvar vidas”.

    Mas, acentua a sindicalista, “o Estado tem que cumprir o seu papel de proteger as cidadãs. A Lei Maria da Penha se transformou num mecanismo fundamental para as denúncias, mas é necessário ampliar o atendimento às vítimas”.

    Para ela, a justiça e a polícia não estão bem preparadas para prestar o devido atendimento às vítimas e encaminhá-las como determinam as leis existentes. “Devemos lutar para a efetivação de uma Política Nacional de Segurança que valorize a vida das pessoas”.

    No caso das mulheres, complementa, “somente com um forte trabalho de educação de toda a sociedade contra a cultura do estupro, envolvendo inclusive os meios de comunicação, podem iniciar um processo de mudança de comportamento”.

    Celina reforça a necessidade de maior divulgação do Ligue 180 e de organização das mulheres para forçar o Estado a agir. “As eleições estão chegando. É fundamental votarmos em candidatas e candidatos voltados para a cultura da paz, dos direitos humanos e do respeito a todas as pessoas”.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Foto: Paulo Pinto/AGPT             

  • Campeã do BBB18 grita “Lula Livre” ao vivo na final do programa na Globo; assista

    Gleici Damasceno ganhou o prêmio de R$ 1,5 milhão na final do reality show Big Brother Brasil de 2018, nesta quinta-feira (19). A acreana de 22 anos, fã do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – atualmente preso político do golpe de Estado de 2016 -, aproveitou o encontro com a família após deixar o confinamento e gritou em alto e bom som: “Lula Livre”. A emissora da família Marinho teve que engolir mais essa.

    Veja como foi o Lula Livre de Gleici Damasceno dentro da Globo 

    De acordo com a família, ela só ficou sabendo da prisão de Lula após deixar o confinamento de três meses. Como informa a mídia, Gleici é de origem humilde e por isso a jovem admira o ex-presidente por causa dos programas sociais de seus governos.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB. Foto: Reprodução/TV Globo

  • Carta de Belo Horizonte define os rumos do movimento por educação de qualidade

    A Conferência Nacional Popular de Educação (Conape) 2018 divulga nesta quarta-feira (30) a Carta de Belo Horizonte com os pilares básicos das decisões das educadoras e educadores durante a realização da conferência na capital mineira de 24 a 26 de maio.

    “Milhares de pessoas envolvidas na defesa de uma educação de qualidade participaram ativamente das resoluções e a Conape 2018 se transformou num marco fundamental rumo aos 10% do PIB para a educação pública”, afirma Marilene Betros, secretária de Políticas Sociais da CTB.

    Ela ressalta ainda que a plenária final da conferência, no sábado (26), foi denominada Conape Lula Livre em protesto à prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Condenaram Lula mesmo sem provas porque querem tirá-lo da eleição deste ano”.

    Trecho da Carta de Belo Horizonte afirma que “os processos de ruptura democrática pelos quais passou o país guardam, em comum, a redução drástica dos direitos sociais, entre os quais a educação — um dos pilares inquestionáveis de qualquer democracia —, alvo de severos ataques políticos, econômicos e pedagógicos que visam desestruturar a possibilidade de formação crítica e cidadã”.

    Leia a Carta de BH completa.

    A carta cita também a ofensiva conservadora e privatista contra a educação ao assinalar os ataques efetuados contra o Fórum Nacional de Educação, que inviabilizou a Conferência Nacional de Educação e, por isso, “os setores mais avançados se uniram para mobilizar e organizar o nosso movimento em torno dos temas centrais que constam nas 20 metas do Plano Nacional de Educação (PNE)”, afirma Berenice Darc, secretária da Mulher da CTB-DF.

    Por isso, foi criado o Fórum Nacional Popular de Educação (FNPE) para realizar a Conape. Betros reforça a necessidade de defender o PNE, “conquistado a duras penas após muitos debates e engajamento para pressionar os parlamentares à sua aprovação, em 2014”. Ela explica que são 20 metas determinando mais investimentos, melhor estrutura e aprimoramento das condições de trabalho dos docentes.

    Enquanto Gilson Reis, coordenador-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee), afirma que a Conape “foi um grande êxito, que nos dá caminhos de luta, de resistência e de organização”.

    Foram definidos dezenove desafios a enfrentar em defesa da educação democrática e inclusiva. Entre eles estão a revogação da Emenda Constitucional 95, que congela os investimentos em áreas sociais por 20 anos, exigir a aplicação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação, regulamentação do ensino privado e exigência de qualidade no ensino em todos os níveis, revogação da reforma do ensino médio e a instituição de um Sistema Nacional de Educação.

    “Todas essas bandeiras permanecerão fincadas em nossas lutas daqui por diante”, reforça Betros. “À classe trabalhadora interessa que a educação seja prioridade, dando condições de melhorias que possibilitem uma vida mais digna para suas filhas e filhos”.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • Chico Buarque é censurado pelo jornal O Globo ao comentar a condenação de Lula

    Acostumado a enfrentar a censura da ditadura civil-militar (1964-1985), o cantor, compositor e escritor Chico Buarque foi censurado pelo jornal O Globo, da família Marinho. A assessoria do artista conta que a redação do diário carioca encomendou uma declaração de Chico sobre a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelo juiz Sergio Moro.

    Ironicamente, Chico enviou por e-mail a frase “O Globo faz a diferença” e acrescentou “quero que publiquem”. Os editores entenderam o recado. Não publicaram a frase do artista por perceber a alusão feita ao prêmio anual “Quem faz diferença”, do jornal dos Marinho.

    Isso porque em 2015, o juiz curitibano de primeira instância ganhou como a Personalidade do Ano, justamente por seu trabalho na operação Lava Jato. Com essa fina ironia Chico Buarque condena a atuação de Moro e de O Globo, totalmente partidários contra o ex-presidente.

    A declaração de Chico sairia publicada nesta sexta-feira (14), juntamente com as de Beth Carvalho, Zé Celso, Kleber Mendonça Filho e Silvia Buarque, entre outros. “Um absurdo que isso aconteça nesse mesmo momento em que perdemos as conquistas de Getúlio Vargas para os trabalhadores. Lula foi condenado sem provas, não querem que ele seja candidato a presidente, sabem que ele vai ganhar a eleição”, diz a cantora Beth Carvalho.

    Um recado de Chico Buarque a ditadores de plantão: 

    Já o cineasta Kleber Mendonça Filho, afirma ser “uma vergonha, mais uma num país que desrespeita cada vez mais a cidadania”. Enquanto o teatrólogo José Celso Martinez Correa afirma que “para realizar seu grande sonho – ou melhor, seu marketing –, Moro decreta a prisão de Lula, justamente quando é julgado o Fora Temer, e a maioria do povo brasileiro quer Diretas Já”.

    O cineasta Luiz Carlos Barreto também critica o fato de Moro ter declarado a sentença no dia seguinte à aprovação da reforma trabalhista, que já configura um golpe muito duro contra o povo brasileiro. “No dia seguinte em que se aprova a reforma trabalhista, que fez o Brasil regressar à era pré-Revolução Industrial da Inglaterra, condenar sem provas o maior líder popular do país é um complô de agitação para jogar o Brasil numa convulsão social”.

    Para a atriz Silvia Buarque, filha de Chico, “é uma condenação que já estava prevista por conta do golpe que afastou Dilma Rousseff da Presidência”.

    O jornal O Globo tentou mostrar “isenção” ouvindo artistas que condenam o modus operandi do juiz Sergio Moro, mas a sagacidade de Chico Buarque, mais uma vez desmontou essa farsa.

    Durante a outra ditadura Chico inventou muitas maneiras de enganar a censura e denunciá-la, agora denuncia a censura de quem vive falando em “liberdade de expressão”, quando o assunto é democratização dos meios de comunicação.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy com Brasil 247, O Cafezinho, Portal Vermelho e O Globo. Foto: Mídia Ninja

  • Conheça a trajetória guerreira de dona Marisa Letícia na luta por um Brasil mais justo e humano

    Na campamnha eleitoral de 1989, dona Marisa puxa a candidatura de Lula à Presidência para cima

    (Foto: Arquivo pessoal)

    “A mídia ignorou a trajetória de dona Marisa como se ela tivesse sido apenas uma dona de casa, vivendo à sombra do marido”, afirma Ivânia Pereira, secretária da Mulher Trabalhadora da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    Pereira se refere ao fato de a biografia de dona Marisa ter tido pouco destaque. “Ignoraram que ela foi uma guerreira desde a infância. Participou ativamente dos movimentos pela melhoria da vida do povo e das campanhas presidenciais do marido (Luiz Inácio Lula da Silva)”, diz.

    A labuta da menina que nasceu em São Bernardo do Campo, em 7 de abril de 1950 no seio de uma família pobre, começou muito cedo. Aos 9 anos já trabalhava como babá de sobrinhos do pintor Candido Portinari, num tempo em que não existia regulação nenhuma para o trabalho doméstico, nem controle sobre o trabalho infantil.

    De acordo com informações da Fundação Perseu Abramo e dos Jornalistas Livres, aos 13 anos ela já era operária da fábrica de balas, dropes e confeitos Dulcora. Dali saiu para o primeiro casamento aos 19 anos. Seis meses depois estava viúva e grávida do primeiro filho.

    Com a morte do primeiro marido, dona Marisa foi à luta para sustentar ela e o filho. Como operária foi ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (na época de São Bernardo e Diadema), tratar da pensão do falecido marido, onde conhece Lula, então responsável pela assistência social do sindicato.

    Começa o namoro com ele em 1973 e se casam em 1974. Lula se torna presidente do sindicato no ano seguinte. Ela disse em uma entrevista que cansada da ausência do marido sindicalista, decidiu fazer um curso de política com Frei Betto.

    marisa lula casamento

    Foto: Arquivo pessoal

    A sua militância cresceu e não parou mais. Em outra entrevista afirmou que “em um casamento o amor é muito importante. Mas sonhar juntos é fundamental”. E ela fez o seu marido sonhar com ela em construir um novo Brasil.

    Tanto que para a presidenta deposta Dilma Rousseff dona Marisa foi uma "mulher de fibra, batalhadora que conquistou espaço e teve importante papel político”. Foi ela que fez a primeira bandeira do Partido dos Trabalhadores (PT), no ano de sua fundação em 1980.

    "Eu tinha um tecido vermelho, italiano, um recorte guardado há muito tempo. Costurei a estrela branca no fundo vermelho. Ficou lindo". Nesse mesmo ano, o ex-presidente Lula foi preso juntamente com outros sindicalistas, porque na ditadura (1964-1985) a greve era proibida.

    Dona Marisa então arregaçou as mangas e organizou uma grande passeata só de mulheres pelo centro de São Bernardo contra a prisão arbitrária dos dirigentes sindicais. "Hoje parece loucura. Fizemos uma passeata das mulheres. Encheu de polícia”, contou ela à Fundação Perseu Abramo.

    Em 1º de janeiro de 2003, tornou-se primeira-dama com a posse de Lula à Presidência da República. No mesmo ano disse à revista Criativa que “quando somos jovens imaginamos que o mundo tem que ser cor-de-rosa, só que ele não é. Isso muitas vezes é um choque. O amadurecimento proporciona isso, compreensão das coisas, mais paciência. Nós aproveitamos o nosso tempo juntos para ficar bem, felizes”.

    marisa leticia aeronautica ricardo stuckert

    Já como primeira-dama em solenidade em Brasília (Foto: Ricardo Stuckert)

    Já a ex-ministra Miriam Belchior afirma que “fora de casa Lula é o centro das atenções. No campo doméstico, Marisa é soberana. Ela é a âncora da família”.

    “A morte de Marisa Letícia mostra que as pessoas estão perdendo o sentimento de humanidade”, reforça a cetebista Pereira. “A mídia burguesa enxerga a mulher somente como coadjuvante, sempre à sombra dos homens. Assim não veem a nossa luta para construir o mundo novo. Luta que contou com a presença dessa guerreira".

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy

  • CTB-PA participa do planejamento da Frente Brasil Popular no estado

    A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, seção Pará (CTB-PA) participou da reunião do Planejamento 2018 da Frente Brasil Popular Pará (FBP-PA), nesta terça-feira (6), na sede do Sindicato dos Bancários do Pará. "Debatemos a nossa organização para enfrentar as adversidades postas pelo golpe de Estado de 2016", afirma Cleber Rezende, presidente da CTB-PA. "A nossa unidade é fundamental tanto na conjuntura nacional quanto na estadual".

    Para Márcia Pinheiro, diretora da CTB-PA, "a FBP-PA deu um passo significativo em sua organização ao planejar suas principais tarefas para 2018". De acordo com a professora e sindicalista, "a CTB-PA se constitui em uma força importante na construção de resistência à ofensiva conservadora no país e no estado".

    Pinheiro coordenou a primeira mesa de debates, cujo tema foi "Desafios da Resistência Popular Contra o Golpe". Já na segunda mesa, o tema foi "Organizando a Resistência Popular", com a proposta de avançar na organização da resistência às ações do governo ilegítimo de Michel Temer. "O golpe veio para liquidar os direitos trabalhistas  e todos os programas sociais que melhoraram a vida do povo brasileiro", diz Rezende.

    "Com apoio da mídia comercial e de parte do Judiciário, o governo vem implantando reformas que fazem o mundo do trabalho retroceder há décadas", afirma. Por isso, complementa, "querem impedir a candidatura de Lula".

    Participaram os deputados estaduais Carlos Bordalo ( PT-PA) e Lélio Costa, líder do PCdoB na Assembleia Legislativa, Jorge André, da Frente Povo Sem Medo e Iury Paulino, coordenador do Movimento dos Atingidos por Barragem no Pará.

    ctb pa fbp encontro

    Todos abordaram os aspectos da conjuntura política, os desafios a enfrentar e as lutas que têm sido travadas na defesa da democracia, na resistência ao golpe em curso e na campanha pelo direito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ser candidato a presidente da República. Os palestrantes também foram enfáticos na necessidade de se avanaçar na mobilização contra a proposta de reforma da previdência.

    Em seguida, a Plenária com aproximadamente 100 lideranças políticas, sociais, sindicais e juvenis foi dividida em cinco grupos de trabalhos com as tarefas de responder "como organizar a resistência e como disputar a narrativa do golpe". Cada grupo apontou as principais tarefas para cada questionamento.

    Notícias do Brasil, de Fernando Brant e Milton Nascimento, retrata bem o momento 

    Na plenária final, Rezende e Ádima Monteiro, da Consulta Popular, trataram do "Plano de Lutas, Sínteses e Encaminhamentos". Nesta mesa, ficou definido, entre outras tarefas, a construção do Congresso do Povo no Pará, além de reforçar a luta das centrais sindicais contra a reforma da previdência, com greve, atos e manifestações no dia 19 de fevereiro, e fincar pé na defesa de Lula ser candidato nas eleições de outubro.

    Também ficou decidido reforçar a campanha salarial dos servidores públicos estaduais do Pará, denunciando os desmandos do governador Simão Jatene (PSDB) e a defesa de uma Belém para todas e todos sem violência e com garantia de direitos básicos à população local, denunciando o prefeito Zenaldo Coutinho, também do PSDB.

    Portal CTB com informações da CTB-PA

  • CTB-RJ vai o Complexo do Alemão denunciar os projetos contra a classe trabalhadora do Temer

    A CTB-RJ se une a diversos movimentos sociais e leva a sua mensagem em defesa da revogação da reforma trabalhista, contra a reforma da previdência, contra o fascismo e pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelas ruas do Rio de Janeiro em dois períodos.

    Às 9h, as trabalhadoras e trabalhadores se concentram na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão e às 15h no Complexo do Alemão, ao lado da creche da Nova Brasília. "No Rio de Janeiro decidimos fazer diversas manifestações espalhadas pela cidade para atingir a periferia", explica Kátia Branco, secretária da Mulher da CTB-RJ.

    "O 1º de maio é uma data especial para a classe trabalhadora, mas este, em particular, marca a nossa resistência aos desmandos desse governo golpista", completa. "Queremos a revogação de todos os projetos ilegítimos como esse governo e a libertação do ex-presidente Lula para garantirmos uma eleição limpa e democrática".

    Portal CTB
    '

     

     

     

  • Dallagnol se dá mal ao comemorar 100 mil seguidores no Twitter. Confira!

    O promotor do Ministério Público Federal (MPF), Deltan Dallagnol anda em baixa. Foi ele que em setembro do ano passado fez aquela explanação utilizando o recurso PowerPoint para incriminar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (leia mais aqui).

    laldert

    Ficou célebre a frase dita por ele no sentido de não ter provas, mas ter convicção para condenar Lula. Também em 2016, em entrevista ao apresentador Jô Soares, na Rede Globo, Dallagnol perguntou para a plateia: “quem acha que a Lava Jato vai mudar o país e quem acha que não”. Veja o resultado no vídeo abaixo: 

    Nesta sexta-feira (9), foi a vez de o procurador do PowerPoint se dar mal em seu Twitter. Ao comemorar ter atingido 100 mil seguidores, ele recebeu uma enxovalhada de críticas ácidas à sua atuação no MPF. Além de sua constante busca de holofotes.

    Confira abaixo:

    dallagnol twitter picareta

    dallagnol twitter safado

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

  • Decisão da ONU sobre os direitos de Lula reforça que o ex-presidente é preso político

    Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Valeska Teixeira e Cristiano Zanin Martins divulgam nota, na manhã desta sexta-feira (17), informando que a Organização das Nações Unidas (ONU) determinou ao Estado brasileiro que preserve os direitos políticos do ex-presidente nas eleições 2018.

    O Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU determina que o Estado brasileiro “tome todas as medidas necessárias para permitir que o autor [Lula] desfrute e exercite seus direitos políticos da prisão como candidato nas eleições presidenciais de 2018”, explicam os advogados.

    “Notícia alvissareira”, diz Adilson Araújo, presidente da CTB. E complementa afirmando que “ao tomar conhecimento da decisão da ONU reconhecendo a existência de violação ao art. 25 do Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos (1966) e que o cerco imposto ao presidente Lula vem provocando transtornos e graves prejuízos ao maior líder político da nossa história”. Inclusive, a entidade pode pedir sanções ao Brasil, caso desacate sua determinação.

    Para Vânia Marques Pinto, secretária de Políticas Sociais da CTB, “essa decisão da ONU reforça que o presidente Lula é preso político do golpe de Estado de 2016”. Ela acentua ainda que parte do Judiciário “vem sistematicamente desrespeitando a Constituição Federal e todas as leis que dão o direito de Lula disputar a eleição”.

    Já o presidente da CTB assinala que “o povo vai tomando conta que todo esforço de tentativa de impedimento da candidatura Lula é um atentado à democracia” porque “somente eleições limpas, com todos os candidatos poderão dar tranquilidade para o país retomar o crescimento econômico, com geração de empregos e distribuição de renda”.

    A advogada Valeska diz que "diante dessa nova decisão, nenhum órgão do Estado brasileiro poderá apresentar qualquer obstáculo para que o ex-presidente Lula possa concorrer nas eleições presidenciais de 2018 até a existência de decisão transitada em julgado em um processo justo, assim como será necessário franquear a ele acesso irrestrito à imprensa e aos membros de sua coligação política durante a campanha".

    Araújo acentua que“essa decisão da ONU chega num momento importante para as forças democráticas e populares se unirem ainda mais para derrotar o golpe”. Isso porque “mesmo encarcerado Lula lidera as pesquisas e se coloca como um líder capaz de tirar o Brasil dessa crise que se avoluma e que já carimbou que um governo ilegítimo não reúne autoridade moral e política para dar curso a um Brasil mais justo socialmente e soberano”.

    Confira reprodução do ofício da ONU:

    comite direitos humanos onu sobre lula

    Marcos Aurélio Ruy - Portal CTB 

     

  • Defesa de Lula quer anulação da condenação e envio do processo à Justiça Eleitoral

    A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu nesta segunda-feira (25) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a anulação da condenação no caso do triplex do Guarujá (SP) e o envio do processo para a Justiça Eleitoral. O pedido foi feito diante da possibilidade de o STJ julgar nos próximos dias o recurso protocolado no ano passado pelos advogados do ex-presidente para rever a condenação

    A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu nesta segunda-feira (25) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a anulação da condenação no caso do tríplex do Guarujá (SP) e o envio do processo para a Justiça Eleitoral.

    O pedido foi feito diante da possibilidade de o STJ julgar nos próximos dias o recurso protocolado no ano passado pelos advogados do ex-presidente para rever a condenação.

    A manifestação também foi baseada na decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que confirmou a competência da Justiça Eleitoral para julgar crimes comuns conexos aos eleitorais.

    O caso será julgado pela Quinta Turma do Tribunal e tem como relator o ministro Felix Fischer. Também fazem parte do colegiado os ministros Jorge Mussi, Reynaldo Soares da Fonseca e Ribeiro Dantas. O ministro Joel Ilan Paciornik se declarou suspeito para julgar todas as causas relacionadas com a Operação Lava Jato e não participará do julgamento.

    Em janeiro de 2018, Lula foi condenado pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, sediado em Porto Alegre, a 12 anos e um mês de prisão sob acusação de corrupção e lavagem de dinheiro. Mas, conforme alegam seus advogados, a acusação carece de provas objetivas e tem por base uma duvidosa delegação do empresário Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS.

    Pinheiro foi premiado com a liberdade pela delação. 11 meses antes da premiada delação ele havia inocentado Lula, razão pela qual os procuradores da Lava Jato recusaram a sua proposta de colaboração, que só foi aceita com a condição dele incriminar o ex-presidente.

    Por determinação do então juiz responsável Sergio Moro, Lula cumpre pena provisoriamente na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, desde 7 de abril do ano passado. É um preso político, condenado e encarcerado para não concorrer às eleições presidenciais, da qual sairia vitorioso segundo todos os institutos de pesquisa.

    Com informações da Agência Brasil

  • Delegado diz que seu afastamento do caso do atentado contra Lula é político; leia

    O delegado Wilkinson Fabiano Oliveira de Arruda divulgou uma nota nesta quarta-feira (28) denunciando o seu afastamento da investigação do atentado sofrido pela caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no interior do Paraná, na terça-feira (27).

    De acordo com Arruda, “retirar a investigação da minha mão fere o critério de distribuição dos inquéritos no estado”, porque continua, “assume o inquérito o delegado que estiver de plantão na semana, e esta semana quem está de plantão sou eu”.

    Ele acredita que o seu afastamento se deu porque tratou o episódio como uma “tentativa de homicídio”. Para o delegado, “quem atira contra um ônibus está querendo matar alguém. Não estou dizendo que era para matar o Lula. Mas quem faz isso, atirar em um ônibus, quer, sim, matar alguém”.

    Por isso, ele vê razões políticas para o seu afastamento do caso. “É claro que tem razões políticas. Não gostaram das declarações que dei sobre como vejo o crime”.  Arruda ainda questiona a possibilidade de uso político do atentado.

    “Dizem que o PT pode usar politicamente a declaração de que foi tentativa de homicídio. Pode, assim como o PSDB também pode usar essa ocorrência de maneira política”, mas “desqualificar o crime, tirando a evidente característica de tentativa de homicídio, é politizar”.

    O delegado ainda reforça seu argumento a afirmar que "se na caravana, em vez do Lula estivesse o Papa Francisco ou a Xuxa ou o pipoqueiro, eu trataria da mesma forma: tentativa de homicídio. Por que com o Lula tem que ser diferente?”.

    Arruda foi substituído pelo delegado Hélder Lauria que reduz o atentado como mero caso de disparo da arma de fogo, tirando o caráter de atentado político.

    Para o ex-ministro da Justiça, Eugênio Aragão “esses atentados contra a caravana de Lula são demonstrações de terrorismo e pudemos observar muitos agentes políticos que, se não apoiaram expressamente, como a senadora Ana Amélia (leia mais aqui), lavaram suas mãos e demonstraram se regozijar com a violência”.

    O Coletivo Advogadas e Advogados pela Democracia denunciou ao Ministério Público do Paraná diversos grupos incitando a alguma ação criminosa contra a caravana de Lula. O MP informa já ter dez suspeitos do atentado.

    atentado a lula print denuncia

    “Eles acham que sou eu o problema do país. Mas o Lula é apenas um ser humano e nós somos, na verdade, uma ideia. Eles não conseguirão prender uma ideia e um sonho”, afirmou o ex-presidente Lula, nesta quarta-feira (28), em ato em Curitiba com a presença dos presidenciáveis Manuela D’Ávila, do PCdoB e Guilherme Boulos, do PSOL.

    Leia a íntegra da nota do delegado:

    O Delegado de Polícia Wilkinson Fabiano Oliveira de Arruda, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, notadamente quanto à observância dos princípios da publicidade, probidade, moralidade e transparência e na defesa das atribuições do cargo de Delegado de Polícia, diante das recentes publicações em toda à imprensa nacional e internacional sobre o caso dos disparos de arma de fogo que atingiram dois ônibus da comitiva do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, vem a público, prestar os seguintes esclarecimentos:

    1. Este Delegado não foi em nenhum momento afastado de suas funções ou sofreu qualquer retaliação por parte da Polícia Civil ou outros órgãos governamentais em razão do enquadramento legal dado ao caso.
    2. A atuação deste Delegado no uso de suas atribuições legais é pautada apenas na técnica jurídica, como convém a qualquer servidor público e em especial à Polícia Judiciária (função policial desempenhada nos Estados e no Distrito Federal pela Polícia Civil).
    3. No exercício de atividade funcional do Delegado de Polícia, não existe hierarquia. A hierarquia para Delegados é apenas administrativa, jamais funcional, assim como para membros do Ministério Público e do Judiciário, pois a independência funcional do Delegado de Polícia é garantia constitucional de imparcialidade, que protege em primeiro lugar o cidadão e, ipso facto, é basilar do Estado Democrático de Direito.
    4. Desse modo, o enquadramento legal dado a um caso por um Delegado de Polícia deve se fundamentar exclusivamente em critérios técnicos, jamais em critérios políticos, pois Polícia é neutra. “Os governos passam, as sociedades morrem, a polícia é eterna…” (Honoré de Balzac).
    5. Na 2ª Subdivisão Policial Laranjeiras do Sul/PR, existem dois Delegados lotados e, pelos critérios objetivos e predeterminados aqui utilizados para a distribuição dos trabalhos, o Delegado plantonista é o responsável (Delegado Natural) por todos as ocorrências registradas durante seu plantão, o que não impede uma redistribuição ou avocação, desde que de modo justificado, nos exatos termos do §4º do art. 2º da Lei Federal 12.830/2015, verbis: “§4o O inquérito policial ou outro procedimento previsto em lei em curso somente poderá ser avocado ou redistribuído por superior hierárquico, mediante despacho fundamentado, por motivo de interesse público ou nas hipóteses de inobservância dos procedimentos previstos em regulamento da corporação que prejudique a eficácia da investigação”.
    6. O Delegado que estava de plantão na noite do fato era o que firma a presente nota, embora, diante da gravidade do fato, ambos os Delegados tenham se dirigido ao local.
    7. Efetuar disparos de arma de fogo em direção a um veículo é, na opinião jurídica e fundamentada desta Autoridade Policial, tentativa de homicídio, o que não impede, com o avançar das investigações, novo enquadramento legal, mediante aditamento à Portaria inaugural do Inquérito, se necessário.
    8. Enquadramento legal, em regra, é feito com base nos fatos e não nas pessoas atingidas.
    9. Constitui-se equivocado e ilegal afirmar que um Inquérito será redistribuído em razão de hierarquia.
    10. Não há precipitação alguma em concluir o óbvio, que se há disparo de arma de fogo em direção a diversas pessoas em um ônibus, isso será considerado, em um primeiro momento, tentativa de homicídio, aqui e em qualquer lugar do mundo, embora se respeite opiniões diversas, desde que juridicamente fundamentadas.
    11. Este Delegado possui 10 anos de experiência auxiliando os Procuradores em investigações no honroso Ministério Público do Trabalho e dois anos na nobre Polícia Civil do Paraná e jamais permitirá interferências políticas, de quem quer que seja, no exercício de suas atribuições, posto que isso sim seria um atentado à ordem jurídica em vigor e à função de Delegado de Polícia e adotará, se necessário for, as devidas medidas legais e administrativas contra qualquer pessoa que interfira no livre exercício do seu múnus público de defender a tão sofrida sociedade do interior paranaense.
    12. A demora na chegada de peritos ao local deu-se em razão da extrema precariedade a que está submetido o Instituto de Criminalística do Estado do Paraná, uma vez que o perito foi obrigado a se deslocar de Guarapuava até o local onde estavam os ônibus (aproximadamente 120 Km), o que é práxis no Estado do Paraná e poderia ter demorado muito mais, se estivesse atendendo a uma outra ocorrência.
    13. Da mesma forma, os quadros da Polícia Civil do Estado do Paraná encontram-se extremamente deficitários, de modo que hoje o Paraná possui menos Delegados do que municípios e que a nomeação efetuada no dia de ontem pelo Governo de apenas 20 Delegados suprem quase que apenas as Comarcas vagas (cerca de 11 Comarcas).
    14. O Estado do Paraná possui aproximadamente 100 delegados a menos que o Estado de Santa Catarina, mesmo possuindo 100 municípios a mais e quase o dobro da população e da extensão territorial, o que obriga os Delegados do interior a se submeterem a uma escala ininterrupta de sobreaviso, o que atenta contra a saúde e segurança das Autoridades Policiais e também dos seus servidores, os quais também são submetidos a condições precárias de trabalho.
    15. Embora entenda a relevância do caso do ataque à caravana do ex-presidente, este Delegado pensa que todo o cidadão paranaense (e todo brasileiro) merece o mesmo tratamento de priorização, respeito e esforço dado à investigação do citado episódio, mas não haverá, por certo, nenhum reforço permanente de efetivo e diversos inquéritos continuarão paralisados em todo o Estado do Paraná e também nesta Subdivisão Policial, uma vez que não há concurso para Investigadores ou Escrivães em aberto, o concurso para Delegado está em vias de perder a validade e o concurso previsto para escrivães, com uma previsão de apenas para 100 vagas, não conseguirá suprir a demanda de todo o estado.
    16. Esta Subdivisão Policial, a título de exemplo, já possuiu seis escrivães e hoje possui apenas três.
    17. Somente nesta Subdivisão, encontram-se fechadas as Delegacias de Polícia Civil de Porto Barreiro, Laranjal, Goioxim, Rio Bonito do Iguaçu, Nova Laranjeiras etc., por falta de efetivo policial.
    18. Essa desestruturação e sucateamento da Polícia Civil do Estado do Paraná é fruto de, no mínimo, 20 anos de investimentos insuficientes e/ou inexistentes e contratações meramente pontuais, que praticamente repõem aposentadorias e exonerações de servidores, fazendo com que a ocupação dos cargos efetivos da PCPR esteja hoje na ordem de 50%.
    19. Este Delegado manifesta o seu profundo respeito e admiração pelo Delegado Subdivisional da 2ª Subdivisão Policial de Laranjeiras do Sul, Hélder Andrade Lauria, a quem presta solidariedade e deseja sucesso na condução do inquérito que apura o ataque à caravana do ex-presidente da República.
    20. Este Delegado não se submete e nem cede a pressões de qualquer natureza, mas ressalta que não recebeu nenhuma ligação de qualquer membro do Governo do Estado do Paraná sobre o caso em questão.

    Laranjeiras do Sul, PR, 28 de março de 2018.

    Wilkinson Fabiano Oliveira de Arruda, Delegado de Polícia do Estado do Paraná Diretor de Comunicação Social do Sindicato dos Delegados do Estado do Paraná.

    Portal CTB

  • Dia do Nordestino: a região que engrandece o Brasil com sua bravura e diversidade

    Oficializado em 2009, o Dia do Nordestino é comemorado em 8 de outubro, em homenagem ao centenário do poeta, cantor e compositor cearense Antônio Gonçalves da Silva - Patativa do Assaré (1909-2002) -, em São Paulo.

    Veja a atualidade da poesia "Amanhã", de Patativa do Assaré

    Amanhã, ilusão doce e fagueira,

    Linda rosa molhada pelo orvalho:
    Amanhã, findarei o meu trabalho,
    Amanhã, muito cedo, irei à feira.

    Desta forma, na vida passageira,
    Como aquele que vive do baralho,

    Um espera a melhora no agasalho
    E outro, a cura feliz de uma cegueira.

    Com o belo amanhã que ilude a gente,
    Cada qual anda alegre e sorridente,
    Como quem vai atrás de um talismã.

    Com o peito repleto de esperança,
    Porém, nunca nós temos a lembrança

    De que a morte também chega amanhã.

    Porque a capital paulista é a cidade com o maior número de nordestinos fora do Nordeste. E homenageia também Catulo da Paixão Cearense, maranhense de São Luís e autor da famosa música “Luar do Sertão”.

    Ouça "Asa Branca", de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga, verdadeiro hino do Nordeste

    A região conta com uma população estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 56,72 milhões de pessoas, dividida em nove estados (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe).

    “A influência do Nordeste em todo o país é sentida por causa da migração que houve em décadas passadas, principalmente para São Paulo e Rio de Janeiro”, diz Vânia Marques Pinto, baiana e secretária de Políticas Sociais da CTB.

    Ela explica que os nordestinos sofrem preconceito justamente porque migraram para outras regiões em busca de uma vida melhor e é um povo muito trabalhador, hospitaleiro e carinhoso.

    Ouça "Luar do Sertão", de Catulo da Paixão Cearense e João Pernambuco 

    Além de trabalhar muito, a sindicalista explica ainda que a cultura do Nordeste vem se espalhando para o Brasil com sua música muito rica e diversificada, grandes escritores e compositores da música popular brasileira.

    “Quem não conhece Luiz Gonzaga, Chico Science, Raúl Seixas, Caetano Veloso, Gilberto Gil e muitos outros?”, pergunta. E os escritores “Graciliano Ramos, Jorge Amado, Manuel Bandeira, Ferreira Gullar, só para citar alguns”.

    Ouça "Cajuina", de Caetano Veloso 

    Para Vânia, “o Nordeste sempre foi relegado pelos governantes até o ex-presidente Lula assumir o governo e colocar a região no mapa das políticas públicas do Estado brasileiro”.

    Por isso, declara ela, “temos muita gratidão para com Luiz Inácio Lula da Silva. E com grande participação política votamos no candidato que representa a democracia e o projeto de desenvolvimento econômico com combate às desigualdades. Porque queremos o Brasil no lugar que ele merece”.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • Em enquete do PSDB, 95% acreditam que Sérgio Moro persegue o ex-presidente Lula. Vote!

    O PSDB se deu mal. Os tucanos tiveram a petulância de realizar uma enquete em seu site sobre a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelo juiz curitibano de primeira instância, Sérgio Moro. Mais de 25 mil pessoas já haviam votado até o fechamento desta matéria.

    Vote você também aqui

    A enquete pergunta:

    "A condenação do ex-presidente Lula pelo juiz Sérgio Moro, na sua opinião, mostra:"

    Que não existe ninguém acima da lei no Brasil (2%)

    Que a justiça foi feita (3%)

    Que foi uma decisão política (95%).

    O resultado da enquete comprova o que todo mundo já sabe. Para o golpe funcionar, Lula tem que ser tirado da disputa eleitoral. E assim caminha a política tupiniquim. Até a revista alemã conservadora Der Spiegel reconhece o julgamento político do ex-presidente.

    “Moro confirmou com sua sentença o que os críticos reprovam nele há muito tempo: o tratamento jurídico do maior escândalo de corrupção da história do Brasil segue critérios políticos, e não legais”, diz a revista.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

  • Envelhecer no Brasil: do preconceito à aposentadoria indigna

    “Os velhos não servem pra nada. São um peso para a família!", são frases mais corriqueiras do que se imagina, principalmente com o envelhecimento da população que acontece no país. Frases muito comuns num sistema que decanta a eterna juventude em prosa e verso, mostrando que envelhecer no Brasil está sendo algo muito difícil.

    O filme "Chuvas de Verão" (1977), de Cacá Diegues, contém uma cena antológica e considerada revolucionária ao mostrar os corpos nus da atriz Miriam Pires e do ator Jofre Soares em uma cena de amor e sexo.

    A cena provocou risos na plateia jovem por não aceitar que idosos pudessem fazer sexo, quando Diegues pretendia justamente mostrar como a vida pulsa até o seu último suspiro. 

    Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a expectativa de vida no país em 2015 era de 75,5 anos. E como as famílias têm diminuído de tamanho, a estimativa é de que a população de idosos supere a de crianças. Os estudos mostram que a população idosa passará de 19,6 milhões, em 2010, para 66,5 milhões de pessoas, em 2050. A população atual do Brasil é de pouco mais de 208 milhões.

    Por causa disso, foi criado o Estatuto do Idoso em 2003, no início do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, que em seu Art. 2º assegura que os idosos devem ter mantidos “todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana” e “todas as oportunidades e facilidades, para preservação de sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade”.

    Para o médico especialista Jorge Félix, essa realidade “é uma questão socioeconômica que o país realmente não está preparado para enfrentar. Nem o setor público, nem as empresas, nem os próprios indivíduos – que ainda não têm a consciência plena de que irão viver, em média, até 90 anos – estão preparados”.

    O Instituto Datafolha divulgou nesta terça-feira (28) uma pesquisa onde mostra que para 90% da população existe preconceito em relação aos idosos. Muito embora, eles apareçam no levantamento como responsáveis, educados e honestos, também são vistos como pouco produtivos, sem criatividade, pouco ativos, muito preconceituosos e não sabem se comunicar.

    Além de enfrentar as dificuldades inerentes ao avanço da idade, os idosos enfrentam o dilema de receber uma aposentadoria insuficiente para uma vida equilibrada. Segundo a Secretaria de Previdência Social, existem no país pouco mais de 19 milhões de aposentados, sendo que cerca de 70% deles recebem um salário mínimo por mês, que é de R$ 937 e no ano que vem será de R$ 965, se o presidente ilegítimo Michel Temer não diminuir novamente.

    Por isso, 33,9% dos aposentados continuam trabalhando, de acordo com pesquisa, de 2016, do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. Para 46,9%, a renda é insuficiente por isso precisam continuar trabalhando. Já 23,2% sentem a necessidade de “ocupar a mente”, enquanto 18,7% querem sentir-se produtivos e 9,1% trabalham para ajudar no orçamento doméstico.

    “Isso é coisa de velho”

    E ainda de acordo com dados de 2016 da Organização das Nações Unidas (ONU), um em cada três idosos brasileiros apresenta alguma limitação funcional. Sendo que 80% — cerca de 6,5 milhões de indivíduos — recebem ajuda de familiares para realizar alguma atividade do cotidiano, mas 360 mil não podem contar com o apoio dos parentes.

    Mesmo assim, o preconceito corre solto para dificultar a vida de quem já fez o que pode para tornar as coisas mais fáceis. Tanto que ganha força o termo gerontofobia (preconceito contra os idosos).

    Muitas vezes quando há um conflito entre idosos e jovens ouve-se a frase “isso é coisa de velho” para justificar o desacordo e não resolver o problema pendente. Estudiosos apontam a convivência entre as diferentes gerações para acabar com o preconceito, além de mostrar aos mais jovens o que representa o processo de envelhecimento e que eles também chegarão lá um dia.

    Como se vê a vida das pessoas acima dos 60 anos não está nada fácil num país tomado pelo ódio. Inclusive internautas criticam os assentos preferenciais em transporte público.

    Uma mulher postou em sua rede social que “toda vez que uso o transporte público fico reparando nas atitudes dos idosos. Tem dias que sou a primeira da fila a pegar o ônibus, aí chega algum idoso e passa na minha frente como de direito e claro respeito, porém, ao entrar no ônibus o senhor (a) acaba sentando no banco que não é de idoso. Daí fico pensando, por que não senta no banco de idoso (que é de direito) e deixa os outros bancos livres para os outros passageiros que não são idosos”.

    Outro internauta escreve que “eu acho puta sacanagem idosos pegarem transporte público no horário de pico, tu tá indo ou vindo do trabalho, o ônibus tá lotado e tem muitos idosos ocupando bancos que não são de idosos, tu acaba tendo que ficar em pé”.

    Maus-tratos 

    Mas ocorrem relatos de violência e maus-tratos a idosos, justamente por quem mais deveria cuidar deles, os familiares. Em São Paulo, Benedito, de 82 anos, denuncia violência física em uma entidade filantrópica. O estado é o campeão de relatos de maus-tratos a idosos pelo Disque 100.

    Já o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios apresenta o Mapa da Violência contra a Pessoa Idosa do Distrito Federal, no qual, em 2016, foram registradas 1.157 denúncias de violência contra idosos, contra 1.097 em 2015. Pior ainda é que em 59,1% das reclamações referem-se a violências causadas pelos próprios filhos.

    O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro anuncia ter recebido recebeu 1.406 denúncias de violência contra idosos e pessoas com deficiência. No mesmo período de 2016, os registros foram de 611 denúncias.

    Por isso, Bahij Amin Auh, vice-presidente do Conselho Nacional da Pessoa Idosa, acredita na necessidade de “um amplo programa educacional para que toda a população tenha noções básicas sobre o processo de envelhecimento, para que valorize e respeite a pessoa idosa”.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy. Foto: Robervaldo Rocha

  • Festival Lula Livre: afaste de nós esse cale-se

    Mais uma vez, a cultura se manifesta contra opressão. A musica Cálice, de Chico Buarque e Gilberto Gil, que foi lembrada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em artigo no jornal Folha de S.Paulo, é uma importante referência à resistência cultural à ditadura civil-militar (1964-1985), mantendo-se atualíssima nos dias atuais e estará presente no Festival Lula Livre na noite deste sábado (28).

    Chico Buarque e Gilberto Gil catarolam a canção Cálice e censor desliga os microfones 

    Os Arcos da Lapa, no Rio de Janeiro, vão tremer com o espetáculo arquitetado por Chico Buarque e Martinho da Vila. O Festival Lula Livre reúne no palco principal pelo menos 40 artistas, representando toda a diversidade cultural brasileira e ultrapassará 10 horas do melhor da música popular brasileira. Além de chamar a sociedade à resistência ao estado de exceção implantado em 2016.

    Muito importante a participação de artistas em defesa da liberdade do ex-presidente Lula, preso desde 7 de abril, sem ter tido o direito a todos os recursos que a justiça permite e, pior, sem nenhuma prova de crime. A luta é também para ser respeitado o direito dele ser candidato nas eleições de outubro.

    Música todos os cantos do país pelo grito de "Lula Livre” e pelo restabelecimento do Estado Democrático de Direito.

    Papo Reto, de Dani Nega e Craca, presentes ao espetáculo por Lula Livre 

    Quem está no Rio de Janeiro tem essa chance de apreciar esse espetáculo único e ainda apoiar a luta do povo brasileiro por eleições livres e limpas em outubro, com todos os candidatos. Quem não tem a possibilidade de estar no Rio, poderá assistir pela TVT, a partir das 19h30, 44.1, por antena digital.

    Não foi Cabral, de MC Carol, que também estará no show 

    Os Jornalistas Livres e a Mídia Ninja também transmitirão ao vivo esse show que promete subir o som para que o Judiciário acorde e restabeleça a Justiça no país. O show será encerrado pela apresentação imperdível de Chico Buarque e Gilberto Gil juntos.

    Esse espetáculo representa os mais de 90% de brasileiras e brasileiros que rejeitam o projeto de retrocessos implantado por Michel Temer, após o golpe de Estado de 2016. “Artistas, intelectuais e movimentos sociais convocam um dia de festa e luta em defesa da democracia e pela liberdade de Lula. Queremos reunir milhares de vozes em um só coro por Lula Livre”, dizem os organizadores do ato-show. O espetáculo vai brilhar para afastar de nós esse cale-se da ditadura midátio-juridico-parlamentar que acaba com todos os direitos da classe trabalhadora.

    Cálice foi gravada em 1978 por Chico Buarque e Milton Nascimento para marcar o fim da censura 

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

Página 1 de 3