Sidebar

19
Ter, Fev

Ocupação Povo Sem Medo

  • Caetano Veloso canta em São Bernardo e ensina a enfrentar os fascistas, nesta segunda (30)

    Acontece hoje em São Bernardo um show inusitado de Caetano Veloso. O compositor baiano canta em solidariedade à Ocupação Povo Sem Medo, em São Bernardo, no ABC Paulista, às 19h, no bairro Planalto, quilômetro 21 da via Anchieta. Vários artistas como Sonia Braga, Letícia Sabatella e Alinne Moraes prometem acompanhar Caetano neste show inteiramente gratuito.

    Gente (Caetano Veloso) 

    Mais de 7 mil famílias, lideradas pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) ocupam um terreno de 60 mil metros quadrados há quase dois meses e reivindicam a integração desse terreno ao projeto Minha Casa Minha Vida, do governo federal, para terem a sua casa própria.

    Estão até sendo chamados de os Canudos do século 21, em referência aos Canudos, um movimento popular de fundo sócio-religioso liderado por Antônio Conselheiro, que durou de 1896 a 1897, no interior da Bahia.

    O músico é a mais recente vítima de movimentos de extrema-direita por causa de sua militância por causas democráticas. Caetano tem se manifestado a respeito das investidas do Movimento Brasil Livre (MBL, de cunho fascista) contra exposições de artes plásticas que contenham nus ou versem sobre temáticas que envolvam a sexualidade.

    Ele e sua ex-mulher Paula Lavigne processam o MBL e o ator pornô Alexandre Frota que o chamara de “pedófilo”. Justamente no meio de uma  turnê com seus três filhos, Tom Zeca e Moreno.

    Canto do povo de um lugar (Caetano Veloso) 

    Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, na quarta-feira (25), Caetano diz que “toda essa gente que mente cinicamente sobre exposições de arte usando a palavra pedofilia para angariar adeptos entre os mais ingênuos, se esforça para encobrir o desejo de manter a opressão sobre da maioria do povo brasileiro, que vive sob a mais pesada desigualdade econômica do mundo”.

    De acordo com o músico “os malucos dos grupos conservadores que se organizam à sombra das passeatas de 2013 sabem que não há casos de pedofilia onde eles dizem haver. Mas pode ser que ganhem dinheiro de grupos políticos para criar pautas que una as pessoas inocentes contra artistas e museus de modo que o que mais interessa - manter o poder econômico nas mãos de poucos - permaneça intocado”.

    Leia mais

    Por moradia decente, mais de 20 mil pessoas ocupam terreno abandonado em São Bernardo

    Morador de condomínio vizinho à Ocupação Povo Sem Medo em São Bernardo atira em ocupantes

    Ocupação Povo Sem Medo, do MTST, em São Bernardo (SP), ganha apoio da CTB e de artistas

    Pelo que se vê não é à toa que os extremistas elegeram Caetano Veloso a sua maior vítima do momento. A filósofa Marcia Tiburi nos ensina, em seu livro homônimo, como conversar com um fascista, Caetano está ensinando a como enfrentar os fascistas, sem medo de ser feliz.

    Um índio (Caetano Veloso) 

    Afinal como ele canta em sua música Gente: “Gente quer comer/Gente que ser feliz/Gente quer respirar ar pelo nariz/Não, meu nego, não traia nunca/Essa força não/Essa força que mora em seu/Coração”.

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy

  • Caetano Veloso é proibido de cantar, mas apoia o movimento pelo direito humano de moradia

    O prefeito de São Bernardo, no ABC Paulista, Orlando Morando (PSDB) vai ficar na história como o prefeito que censurou o cantor e compositor baiano Caetano Veloso, uma das principais vozes da música popular brasileira de todos os tempos.

    O espetáculo estava marcado para acontecer às 19h desta segunda-feira (30), mas uma decisão judicial impediu a sua realização. A alegação da juíza Ida Inês Del Cid, da 2ª Vara da Fazenda Pública da cidade é de que o local não suportaria o talento de Caetano, ela ainda impingiu uma multa de R$ 500 mil, caso a ordem judicial fosse desobedecida.

    Para ela, o terreno de 60 mil metros quadrados não possui estrutura para um show desse porte. O local “não possui estrutura a suportar show, mormente para artistas da envergadura de Caetano Veloso, um dos requeridos nesta ação. Seu brilhantismo atrairá muitas pessoas para o local, o que certamente colocaria em risco estas mesmas”, disse.

    Não contente, a juíza ainda argumenta que “como ressaltado, não há estrutura para shows, ainda mais, de artista tão querido pelo público, por interpretar canções lindíssimas, com voz inigualável. Destarte, o povo merece shows artísticos, mas desde que atendidos requisitos, que aqui não estão presentes, conforme bem alegado pelo Ministério Público”.

    Caetano afirmou que "o show foi adiado por uma decisão judicial, mas fizemos um lindo ato público em apoio à Ocupação Povo Sem Medo. Estamos juntos nessa luta pelo direito humano à moradia".

    ocupacao povo sem medo sao bernardo 2017

    O show ocorreria em solidariedade aos ocupantes desse terreno desde o dia 1º de setembro. Eles querem que a gleba seja utilizada para o programa Minha Casa Minha Vida e assim possam ter a tão sonhada casa própria.

    Além de Caetano estavam na ocupação Criolo, Emicida, Sonia Braga, Letícia Sabatella, Alinne Moraes. Todos inconformados com a decisão judicial. Caetano disse que nunca é bom ser proibido de cantar. “Mais que nunca é preciso cantar”, falou repetindo versos de Vinicius de Moraes.

    A empresária e produtora de Caetano Veloso, Paula Lavigne garante que o show será remarcado. “Vamos ver o que precisamos fazer para o show ser remarcado, nem que o pessoal da ocupação vá para outro local para ver o show".

    Leia também

    Caetano Veloso canta em São Bernardo e ensina a enfrentar os fascistas, nesta segunda (30)

    Inclusive os artistas chegaram mais cedo à ocupação para conversar com os sem teto e entender o drama da falta de moradia e o crescimento da pobreza no país pós-golpe de 2016.

    Assista o vídeo de Nacho Lemus - TeleSUR 

    Os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem teto (MTST), no entanto, asseguram a realização de uma grande marcha a partir das 5h da manhã desta terça-feira (31) rumo ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

    O terreno pertence à MZM Construtora, que de acordo com o MTST deve R$ 500 mil de IPTU para a prefeitura, que não cobra a dívida, mas dificulta a vida dos ocupantes do terreno abandonado há 40 anos afirmam eles.

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy. Fotos: Mídia Ninja

  • Morador de condomínio vizinho à Ocupação Povo Sem Medo em São Bernardo atira em ocupantes

    Neste sábado (16), um morador de um condomínio de classe média, vizinho à Ocupação Povo Sem Medo, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, atirou contra o acampamento e feriu Audnei Serapião da Silva no braço.

    A Guarda Civil Metropolitana escoltou o ferido ao Pronto Socorro central da cidade e a polícia civil fez um boletim de ocorrência.

    Para denunciar a falta de diálogo e a violência, ocorre neste domingo (17) um ato de apoio à Ocupação Povo Sem Medo. Diga não ao ódio e à intolerância e participe.

    Saiba mais pela página de Facebook da manifestação aqui.

    Mais de 6.500 famílias ocupam esse terreno de 60 mil metros quadrados, em frente à fábrica da Scania, desde o dia 1º de setembro, com objetivo de conseguir casa própria pelo programa Minha Casa, Minha Vida Entidades.

    Saiba mais

    Por moradia decente, mais de 20 mil pessoas ocupam terreno abandonado em São Bernardo

    Tem uma postagem em rede social com fotografia de passaporte, onde a pessoa afirma que está de volta ao Brasil “carregando uma ponto 40 na mala... tem uns índios invadindo os matos”. Os sem teto suspeitam de que ele seja o atirador (confira a postagem abaixo).

    sindico de condominio proximo a acampamento do mtst

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

  • Ocupação Povo Sem Medo, do MTST, em São Bernardo (SP), ganha apoio da CTB e de artistas

    Carlos Rogério Nunes, integrante do Conselho Fiscal da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) nacional, representou a entidade na assembleia, com mais de 15 mil pessoas, da ocupação Povo Sem Medo, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

    “A CTB nacional está presente aqui para ser solidária à luta pelo direito à terra, à moradia, pelo direito à dignidade humana”, diz Nunes. “Juntamente com diversos representantes dos movimentos sociais, de inúmeras religiões e de várias centrais sindicais”, complementa.

    O coordenador do MTST, Guilherme Boulos afirma a disposição de luta dos ocupantes. De acordo com ele, já são mais de 7,5 mil famílias no terreno de 60 mil metros quadrados no bairro Planalto, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

    assembleia povo sem medo sbc sp rogerio nunes ctb 2017 10 01 1

    “Já tivemos duas reuniões com a MZM (construtora proprietária do terreno), mas não avançamos em nenhum ponto ainda”, conta. “Esta megaocupação completa um mês neste domingo e não arredaremos pé daqui sem uma solução para quem está sem onde morar”.

    Para ele, a resistência continuará porque o desemprego avança, o aluguel fica cada vez mais caro e por isso, “as ocupações vão aumentar em todo o país”. O coordenador do MTST garante que se houver “desocupação sem nenhuma garantia para o povo trabalhador, haverá resistência”.

    Nunes analisa essa possibilidade e teme “um novo massacre porque aqui estão muitas crianças, mulheres e idosos, aqui estão trabalhadores e trabalhadoras que querem viver com dignidade”.

    Por isso, diz, “o poder público deve intermediar uma negociação e, com o programa Minha Casa, Minha Vida, atender essa população e resolver o problema de moradia”. O sindicalista lembra ainda que a CTB “empreende esforços para uma política voltada para o crescimento econômico com criação de empregos”.

    Assista o vídeo com inúmeros artistas apoiando a ocupação e a luta por moradia 

    Nesta segunda-feira (2) ocorre um julgamento de um pedido de reintegração de posse e o movimento espera uma decisão favorável porque “o terreno está abandonado há anos e morar decentemente é um direito humano e constitucional”, sintetiza Nunes.

    Nesta terça-feira (3), o MTST realiza uma grande marcha pelas ruas de São Paulo para denunciar à sociedade a falta de moradia para um grande número de famílias. “Às 6h da manhã já estaremos marchando pelo direito à casa própria”, conclui Boulos. Ele informa ainda que o MTST vai tentar negociação com o governador Geraldo Alckmin.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy