Sidebar

27
Qui, Jun

Piauí

  • A ata da eleição para a nova diretoria do Sindicado dos Professores e Auxiliares da Administração Escolar do Estado do Piauí foi homologada nesta quinta-feira (7), sendo que a chapa vitoriosa assume seu mandato em 19 de agosto, depois de vencera eleição no sábado (4).

    Formada por educadores e educadoras ligados à Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Piauí (CTB-PI), a chapa ‘Seja Fã do Sinpro’ venceu o pleito com 388 votos contra 380 dados à concorrente.

    “Tivemos a votação mais expressiva dos últimos 12 anos”, diz Elton Arruda, presidente da CTB-PI. Valdemir Jucá, mais conhecido com Meu Fã, preside a chapa que ganhou esse nome, justamente pelo seu apelido, explica Arruda.

    Ele conta que o Sinpro-PI conta com cerca de 2 mil associados, sendo que quase mil estavam aptos a votar.

    Arruda diz também que entre as principais propostas da ‘Seja Fã do Sinpro’ estão a conclusão do clube social, a melhoria do atendimento aos associados na sede do sindicato, maior rigor no trato jurídico das questões relacionadas aos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.

    Além disso, “queremos promover maior integração com os trabalhadores da área administrativa das escolas e com os profissionais do ensino superior”, complementa.

    Apoiaram a chapa vencedora, a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras de Establecimentos de Ensino Privado do Nordeste, a CTB, a União da Juventude Socialista e a Associação dos Moradores do Bairro Itararé, de Teresina, capital do Piauí.

    Portal CTB

  • Ao participar do 64º Conselho Nacional de Entidades Gerais da União Nacional dos Estudantes, O presidenciável do PDT, Ciro Gomes disse ao Portal Vermelho (ver abaixo) sentir até inveja do povo turco que saiu às ruas para defender a democracia e com isso reverteu a tentativa de golpe.

    “Vi mulheres tirando cinto e enfrentando baionetas, fiquei com muita inveja desse exercício de cidadania, claro que no Brasil tudo é diferente (...) mas a luta pela democracia e respeito à prevalência do voto popular, como único caminho de acesso à Presidência da República inspiradora é que deve nos orientar”, afirmou Ciro Gomes.

     Ciro Gomes diz que essa pode ser a última chance de a democracia vencer: 

    Já o advogado de defesa da presidenta Dilma, José Eduardo Cardozo, no mesmo evento disse que se o impeachment "fosse um julgamento normal, a absolvição já teria sido feita. No há acusações sérias contra a presidenta da República, proporcionado por setores golpistas que querem a afirmação de um projeto conservador para o país". 

    Resistência

    A presidenta Dilma atacou com firmeza os golpistas em ato promovido pela Frente Brasil Popular em Teresina, no Piauí, na sexta-feira (15). Nesta segunda-feria (18) ela estará na Universidade Federal do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), proferindo uma palestra sobre educação, ciência e tecnologia, áreas estratégicas para o desenvolvimento do país, tão menosprezadas pelo desgoverno golpista.

    De acordo com a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), em depoimento exclusivo ao Portal CTB, a Comissão de Impeachment do Senado vota no dia 5 de agosto o processo de impeachment, e se aprovado, vai a plenário no dia 9. Para ela, há grandes possibilidades de o golpe ser enterrado nesse dia (saiba mais aqui).

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy com informações do Portal Vermelho e do site da União Nacional dos Estudantes. Foto: Marcelo Casal Jr.

     

  • Lenice Sales, presidenta do Sindserm de Picos-PI

    A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) conseguiu mais uma importante vitória nesta quarta-feira (17). A Chapa 1 – Autonomia e Coragem para Lutar venceu a disputa eleitoral para o mandato 2018-2021 à direção do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Picos (Sindserm), no Piauí.

    Com cerca de 1.200 filiados, compareceram ás urnas mais de 600 trabalhadoras e trabalhadores aptos a votar. Foram 379 votos destinados à Chapa 1 contra 256 da Chapa 2, apoiada pela administração municipal.

    “As trabalhadoras e os trabalhadores entenderam a necessidade de manter uma chapa combativa à frente do sindicato”, diz Lenice Sales, presidenta eleita para o novo mandato. Ela contabiliza a vitória aos trabalhos promovidos pela gestão passada.

    “Com apoio da CTB-PI e da CTB nacional temos feito um amplo trabalho de fortalecimento da categoria para barrar as retiradas de direitos da classe trabalhadora aqui e em todo o país”, afirma.

    Entre as principais propostas da chapa vencedora está a exigência de pagamento em dia dos servidores. De acordo com a presidenta, a administração municipal vem atrasando os salários. 

    “Chega de atrasos”, diz ela. Além disso, a Chapa 1 defende o pagamento do Piso Nacional do Magistério para as educadoras e educadores, que deverá ser de R$ 2.445,52 em 2018. Também “queremos ampliar a nossa participação nos conselhos municipais para melhor defender os interesses da população”, afirma Sales.

    Ela conta também que a direção do Sindserm continuará lutando pela progressão de carreira e pela realização de concursos públicos para a melhoria do serviço público e das condições de trabalho.

    Portal CTB

  • Num espaço de poucos dias, uma menina de apenas 16 anos foi estuprada por 33 homens no Rio de Janeiro e outra foi vítima de estupro coletivo no Piauí. As notícias chocaram. Até agora a polícia indiciou somente quatro rapazes do Rio de Janeiro, inclusive, um deles mantinha um relacionamento com a menina há pelos menos 3 anos.

    “A situação de vulnerabilidade das mulheres só tende a piorar com esse governo golpista que acabou com o ministério que cuidava de políticas públicas para as mulheres”, diz Ivânia Pereira, secretária da Mulher Trabalhadora da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    Para ela, “a instalação desse governo, que é defendido por homens que pensam como o Jair Bolsonaro, vem acarretando muitos problemas para as mulheres, porque machismo para eles é elogio”.

    Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública uma mulher é estuprada a cada 11 minutos no país. Mas o professor Robson Sávio, que gravou programa de rádio para o Sindicato dos Professores de Minas Gerais estima que esse número é ainda mais assustador porque muitas ainda não denunciam a violência (leia aqui).

    Também é muito comum no Brasil denúncias de assédio sexual no mundo do trabalho e no transporte público como mostra o Instituto Patrícia Galvão de que dobrou o número de abusos sexuais no metrô de São Paulo em 4 anos.

    A coordenadora-geral da União Brasileira de Mulheres (UBM), Lúcia Rincón, não tem a menor dúvida de que “a atual situação de intolerância e misoginia que vivemos em nossa sociedade favorece esse tipo de violência “, porque “o patriarcado tem medo da emancipação feminina”, reforça.

    Ivânia concorda com ela. “Os homens que agem dessa maneira se assustam com as conquistas de espaços que tivemos nos últimos anos e com a instalação desse governo golpista sentem-se impunes para se vingar dos avanços sobre a questão da igualdade de gênero”.

    A coordenadora do Grupo Especial de Enfrentamento à Violência contra a Mulher (GEVID), do Ministério Público do Estado de São Paulo, Silvia Chakian, em entrevista à BBC Brasil afirma que a certeza da impunidade motiva esse tipo de crime.

    Eles "agem em grupo, gravam e publicam a própria prova do crime que praticaram”, acentua. Isso para Silvia, “mostra o descaso para eventuais responsabilizações, descaso com a Justiça". Já a Organização das Nações Unidas Mulheres (ONU Mulheres) do Brasil exige punição aos agressores.

    “A ONU Mulheres solicita, aos poderes públicos dos estados do Rio de Janeiro e do Piauí, que seja incorporada a perspectiva de gênero na investigação, processo e julgamento de tais casos, para acesso à justiça e reparação às vítimas, evitando a sua revitimização”.

    Lúcia defende a necessidade de intensificação de ações que combatam a violência contra as mulheres. “Precisamos nos manter nas redes e nas ruas divulgando nossos princípios de solidariedade, de justiça social, de crença em relações fundadas nos direitos humanos”.

    “Temos que combater a propagação de ideias de que o lugar da mulher se circunscreve ao lar como defende o patriarcado”, acentua Ivânia. “Mostrar que o lugar das mulheres é onde elas quiserem e que isto não é contra os homens, mas sim em defesa de direitos iguais”.

    Para Ivânia, os casos de estupros, mostram que o “capitalismo oprime a todos, mas principalmentes as mulheres". Por isso, diz ela, "exigimos a punição de todos os agressores imediatamente. Chega de impunidade e de conivência com a violência". 

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

  • Na manhã desta terça-feira (16), militantes do Conselho Municipal da Mulher, Coordenadoria da Mulher e demais entidades promoveram a 1ª Marcha Contra a Cultura do Estupro na cidade de Picos, no Piauí. A concentração do evento aconteceu nas proximidades do Fórum Helvídio Nunes e percorreu as ruas da cidade até a Praça Felix Pacheco onde foi finalizado com o ato público.

    O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Picos (Sindserm-Picos) participou ativamente do ato, desde a organização até a marcha.

     Munidos com cartazes, vestindo camisetas caracterizadas e proferindo palavras de ordem contra o preconceito sofrido pelas mulheres e a violência das quais são vítimas, as militantes alarmavam sobre a importância de combater essa causa que cresce cada dia mais em Picos.

    A coordenadora municipal dos Direitos da Mulher e organizadora do evento, Nega Mazé, explica o que motivou a realização da marcha. “Analisamos que em Picos há um crescimento assombrador dos números de casos de violência contra a mulher” e em alguns casos “culpam a própria vítima em ter provocado essa barbárie. Portanto, achamos necessário conscientizar à sociedade contra essa cultura criminosa que oprime a mulher”.

    Coletivo Graciones é um grupo militante recém formado e idealizado por universitárias e líderes de movimentos sociais

    Coletivo Graciones

    O Coletivo Graciones, criado recentemente, tem como bandeira defender os direitos da mulher em Picos e região, também participou da marcha.

    A criação do coletivo fortalece a rede de enfrentamento a violência doméstica e tem como objetivo exigir o cumprimento de punições severas aos crimes contra as mulheres.

    Fonte: Sindserm-Picos