Sidebar

19
Sex, Abr

Portal G1

  • Confira entrevista de Jadirson Tadeu Cohen Paranatinga sobre a reforma da previdência ao G1

    Em 2017 aumentou o número de aposentadorias em 34% em comparação ao ano de 2016

    O coordenador do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal de Campinas (STMC) Jadirson Tadeu Cohen Paranatinga concedeu entrevista ao Portal G1 sobre o tema aposentadoria, no dia 28 de janeiro. A questão em discussão é o aumento, em 2017, de 34% das aposentadorias concedidas aos servidores municipais de Campinas em comparação com o ano de 2016.

    Para Tadeu, em entrevista ao G1, o motivo desse aumento é a reforma da previdência que tramita no Congresso Nacional.

    “O que está levando [corrida para aposentadoria] é a indecisão. Os servidores estão se perguntando, será eu que posso aposentar agora?”, disse acreditar o coordenador do sindicato Jadirson Tadeu Cohen Paranatinga.

    O Coordenador do STMC é contra a reforma da previdência por diversos motivos, entre eles porque prejudica os servidores/as Quem contribuir por 15 anos com o INSS ou 25 anos no serviço público receberá até 60 % do valor do último salário. Somente aqueles que comprovarem 40 anos de contribuição que receberá a aposentadoria integral.

    Confira a matéria completa no portal do G1: https://glo.bo/2ElkSM8

    Confira também o vídeo que explica a reforma da previdência no site do sindicato: http://www.stmc.org.br

    Fonte: STMC

  • Chacina de Unaí completa 14 anos e o combate ao trabalho escravo despenca com Temer

    Os auditores fiscais do trabalho realizaram um protesto nesta terça-feira (30) em frente ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), em Brasília, exigindo a prisão dos mandantes da Chacina de Unaí, onde ocorreu o assassinato de quatro fiscais do trabalho em 2004.

    O Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais do Trabalho (Sinait) organizou a manifestação, ao mesmo tempo em que reivindica mais segurança aos auditores. Carlos Silva, presidente do Sinait afirma que é necessário acreditar “na humanidade dos desembargadores, que não têm o coração frio dos assassinos e saberão enxergar o sofrimento das famílias e devolver-lhes a dignidade. Julguem rápido, mantenham as penas e mandem os criminosos para a cadeia”.

    O sindicato indica a participação dos auditores em todos os protestos que ocorrerão no país até a sexta-feira (2). De acordo com Rosa Maria Campos Jorge, vice-presidenta do Sinait, “Existem provas suficientes para a condenação. São provas incontestáveis e não entendemos as razões dessa demora em julgar e condenar os culpados”.

    Os atos fazem parte dos protestos pelo Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, domingo (28), data criada em 2009, em reverência aos fiscais assassinados em Unaí, Minas Gerais, nesse dia em 2004.

    Os auditores Erastóstenes de Almeida Gonsalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva e o motorista Ailton Pereira de Oliveira, foram emboscados e mortos durante o processo de vistoria a fazendas no município de Unaí.

    A vice-presidenta do Sinait aponta à Agência Sindical a precariedade das condições de trabalho a qual os auditores estão submetidos. “Com a falta de verbas nós não podemos, por exemplo, deslocar um fiscal ou uma equipe para qualquer lugar onde haja alguma irregularidade. O último concurso, realizado em 2013, abriu apenas 100 vagas em todo o Brasil. Esse número é insuficiente para cobrir a defasagem de pessoal que existe. Hoje, nós temos cerca de 500 fiscais que podem se aposentar. Caso isso aconteça, esse déficit será ainda maior”, ressalta.

    Leia mais

    Trabalho escravo envergonha o Brasil e não condiz com uma nação civilizada

    Juízes do Trabalho repudiam mudanças no combate ao trabalho escravo

     Fiscalização do trabalho escravo desaba no Brasil na era Temer

    Especialistas apontam queda na fiscalização do trabalho escravo no Brasil. Cedendo à bancada ruralista, recentemente o governo de Michel Temer baixou uma portaria (1.129/2017) que dificultava a identificação do Trabalho análogo à escravidão.

    Mas como pegou muito mal e a sociedade reagiu prontamente, o governo se viu forçado a recuar e baixar nova portaria mantendo os conceitos de trabalho escravo já estabelecidos. Um levantamento feito por repórteres do Portal G1 no início de janeiro deste ano mostra que 959 trabalhadoras e trabalhadores entre os 1.122 resgatados entre janeiro de 2016 e agosto de 2017 não seriam enquadrados como escravizados.

    “A atuação da sociedade civil organizada foi essencial para essa vitória contra os ruralistas que querem retroceder a século passados, sem se importar com a dignidade humana das trabalhadoras e trabalhadores”, analisa Vânia Marques Pinto, secretária de Políticas Sociais da CTB.

    Ao analisar números de reportagem do jornal O Globo, na semana passada, o jornalista Altamiro Borges afirma que “na prática, o covil golpista de Michel Temer – que é composto por vários ruralistas e é apoiado pela cloaca empresarial – tem incentivado o trabalho escravo”.

    De acordo com o jornal carioca foram resgatados somente 404 mulheres e homens em condições análogas à escravidão no país e em 2016 ocorreram 751 resgates. Lembrando foram resgatados 1.674 trabalhadores em 2014, 2.808 em 2013 e 5.999 em 2007. “Nota-se uma diferença crucial. Por isso, o Brasil deixou de ser referência na erradicação do trabalho escravo para a OIT (Organização Internacional do Trabalho)”, diz Vânia.

    Borges informa ainda que “a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a inconstitucionalidade da portaria que criou a lista suja do trabalho escravo – o cadastro dos empregadores flagrados no crime”.

    A Fundação Walk Free, em parceria com a OIT, identificou 45,8 milhões de pessoas em situação análoga à escravidão no mundo. Já no Brasil, o número de pessoas submetidas à escravidão moderna passou de 155,3 mil em 2014 para 161,1 mil em 2017.

    Vânia acredita que é incontestável a queda na fiscalização. “Os números são claros e mostram o abandono da Política Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo no país e o enfraquecimento da fiscalização com cortes de verbas e falta de novas contratações para o trabalho fluir de acordo com a demanda”.

    A Organização Não Governamental Repórter Brasil criou o “Ruralômetro” e identificou que 61% dos deputados federais atuam contra a agenda socioambiental. Mostra ainda que 10% da Câmara Federal (51 deputados) receberam financiamento - na campanha eleitoral de 2014 - de empresas condenadas pela utilização de mão de obra escrava.

    Identificou também que 249 dos 513 deputados foram financiados por empresas que desmataram florestas entre outros crimes ambientais. Para Vânia, “isso afeta a sociedade brasileira como um todo, mas mostra que o campo brasileiro está ao Deus-dará com essa ofensiva dos latifundiários e o relaxamento na fiscalização do trabalho escravo”.

    A sindicalista baiana reforça que a utilização de trabalho escravo agride toda a sociedade. Por isso, “fortalecer a luta dos auditores fiscais do trabalho é essencial para a erradicação da escravidão moderna e o respeito à vida humana”. Para ela é essencial "punições mais rigorosas das empresas flagradas e divulgação todos os anos da 'lista suja' do trabalho escravo e que a sociedade se conscientize da necessidade de boicotar essas empresas".

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

  • Escola de samba homenageia os 100 anos do Sindicato dos Estivadores do Espírito Santo

    O Sindicato dos Estivadores do Estado do Espírito Santo acaba de sair de um pleito eleitoral vitorioso em que a chapa única obteve 90% dos votos das trabalhadoras e trabalhadores sindicalizados, o sindicato é tema da escola de samba Novo Império, da capital capixaba.

    “A categoria entendeu a necessidade de unidade para fortalecer o sindicato e lutar contra a reforma da previdência e pela revogação da reforma trabalhista”, diz José Adilson Pereira, presidente eleito do sindicato. A posse da nova diretoria ocorre no dia 27 de março.

    “Muito importante porque o nosso sindicato completa 100 anos neste ano e temos diversas atividades programadas até o dia 20 de julho, a data do aniversário”, complementa. Pereira conta que vai ser criado um selo comemorativo do centenário, a rua da República, onde fica a sede, passará a se chamar avenida dos Estivadores, além de estar programada uma grande festa em julho.

    Assista a reprotagem do ESTV, da TV Gazeta, sobre o enredo da Novo Império

    http://g1.globo.com/espirito-santo/estv-1edicao/videos/t/edicoes/v/confira-estrutura-do-barracao-da-escola-de-samba-do-es-novo-imperio/6393850/

    Mas o que está chamando mais a atenção de toda a população capixaba é a homenagem feita pela escola de samba Novo Império, que desfila no grupo especial da capital Vitória. Com o tema “No Vai e Vem do Mar Lá se Vão 100 Anos do Sindicato da Estiva”, a escola canta a importância dos estivadores na economia do estado do Sudeste.

    “Miscigenação de um povo! Índios, negros e italianos geraram os braços fortes de nobres estivadores que contribuíram com a expansão do comercio da indústria de Vitória, os nordestinos vindos de Alagoas juntaram-se aos demais estivadores capixabas e deixaram o suor encravado neste chão”, diz o carnavalesco Jorge Caribe.

    Como aperitivo, acompanhe ensaio técnico da Novo Império 

    Já Pereira explica que a história do sindicato e da escola de samba se misturam. “A Novo Império foi fundada (em 1956) por estivadores como resistência cultural e uma forma de organizar melhor as lutas em prol do povo”.

    Para o sindicalista a homenagem prestada pela escola de samba vai obrigar a “afiliada da Globo a contar a nossa história para milhares de pessoas durante uma hora de desfile”. Ele explica que tudo o que “eles se recusaram a falar sobre a reforma trabalhista e as nossas lutas por mais direitos, no Carnaval terão de fazê-lo”.

    A festa mais popular do Brasil mostra que pode ajudar na organização e superação das mazelas de uma elite que odeia o país e o seu povo.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy