Sidebar

19
Ter, Fev

São Bernardo do Campo

  • Caetano Veloso canta em São Bernardo e ensina a enfrentar os fascistas, nesta segunda (30)

    Acontece hoje em São Bernardo um show inusitado de Caetano Veloso. O compositor baiano canta em solidariedade à Ocupação Povo Sem Medo, em São Bernardo, no ABC Paulista, às 19h, no bairro Planalto, quilômetro 21 da via Anchieta. Vários artistas como Sonia Braga, Letícia Sabatella e Alinne Moraes prometem acompanhar Caetano neste show inteiramente gratuito.

    Gente (Caetano Veloso) 

    Mais de 7 mil famílias, lideradas pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) ocupam um terreno de 60 mil metros quadrados há quase dois meses e reivindicam a integração desse terreno ao projeto Minha Casa Minha Vida, do governo federal, para terem a sua casa própria.

    Estão até sendo chamados de os Canudos do século 21, em referência aos Canudos, um movimento popular de fundo sócio-religioso liderado por Antônio Conselheiro, que durou de 1896 a 1897, no interior da Bahia.

    O músico é a mais recente vítima de movimentos de extrema-direita por causa de sua militância por causas democráticas. Caetano tem se manifestado a respeito das investidas do Movimento Brasil Livre (MBL, de cunho fascista) contra exposições de artes plásticas que contenham nus ou versem sobre temáticas que envolvam a sexualidade.

    Ele e sua ex-mulher Paula Lavigne processam o MBL e o ator pornô Alexandre Frota que o chamara de “pedófilo”. Justamente no meio de uma  turnê com seus três filhos, Tom Zeca e Moreno.

    Canto do povo de um lugar (Caetano Veloso) 

    Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, na quarta-feira (25), Caetano diz que “toda essa gente que mente cinicamente sobre exposições de arte usando a palavra pedofilia para angariar adeptos entre os mais ingênuos, se esforça para encobrir o desejo de manter a opressão sobre da maioria do povo brasileiro, que vive sob a mais pesada desigualdade econômica do mundo”.

    De acordo com o músico “os malucos dos grupos conservadores que se organizam à sombra das passeatas de 2013 sabem que não há casos de pedofilia onde eles dizem haver. Mas pode ser que ganhem dinheiro de grupos políticos para criar pautas que una as pessoas inocentes contra artistas e museus de modo que o que mais interessa - manter o poder econômico nas mãos de poucos - permaneça intocado”.

    Leia mais

    Por moradia decente, mais de 20 mil pessoas ocupam terreno abandonado em São Bernardo

    Morador de condomínio vizinho à Ocupação Povo Sem Medo em São Bernardo atira em ocupantes

    Ocupação Povo Sem Medo, do MTST, em São Bernardo (SP), ganha apoio da CTB e de artistas

    Pelo que se vê não é à toa que os extremistas elegeram Caetano Veloso a sua maior vítima do momento. A filósofa Marcia Tiburi nos ensina, em seu livro homônimo, como conversar com um fascista, Caetano está ensinando a como enfrentar os fascistas, sem medo de ser feliz.

    Um índio (Caetano Veloso) 

    Afinal como ele canta em sua música Gente: “Gente quer comer/Gente que ser feliz/Gente quer respirar ar pelo nariz/Não, meu nego, não traia nunca/Essa força não/Essa força que mora em seu/Coração”.

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy

  • Conheça a trajetória guerreira de dona Marisa Letícia na luta por um Brasil mais justo e humano

    Na campamnha eleitoral de 1989, dona Marisa puxa a candidatura de Lula à Presidência para cima

    (Foto: Arquivo pessoal)

    “A mídia ignorou a trajetória de dona Marisa como se ela tivesse sido apenas uma dona de casa, vivendo à sombra do marido”, afirma Ivânia Pereira, secretária da Mulher Trabalhadora da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    Pereira se refere ao fato de a biografia de dona Marisa ter tido pouco destaque. “Ignoraram que ela foi uma guerreira desde a infância. Participou ativamente dos movimentos pela melhoria da vida do povo e das campanhas presidenciais do marido (Luiz Inácio Lula da Silva)”, diz.

    A labuta da menina que nasceu em São Bernardo do Campo, em 7 de abril de 1950 no seio de uma família pobre, começou muito cedo. Aos 9 anos já trabalhava como babá de sobrinhos do pintor Candido Portinari, num tempo em que não existia regulação nenhuma para o trabalho doméstico, nem controle sobre o trabalho infantil.

    De acordo com informações da Fundação Perseu Abramo e dos Jornalistas Livres, aos 13 anos ela já era operária da fábrica de balas, dropes e confeitos Dulcora. Dali saiu para o primeiro casamento aos 19 anos. Seis meses depois estava viúva e grávida do primeiro filho.

    Com a morte do primeiro marido, dona Marisa foi à luta para sustentar ela e o filho. Como operária foi ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (na época de São Bernardo e Diadema), tratar da pensão do falecido marido, onde conhece Lula, então responsável pela assistência social do sindicato.

    Começa o namoro com ele em 1973 e se casam em 1974. Lula se torna presidente do sindicato no ano seguinte. Ela disse em uma entrevista que cansada da ausência do marido sindicalista, decidiu fazer um curso de política com Frei Betto.

    marisa lula casamento

    Foto: Arquivo pessoal

    A sua militância cresceu e não parou mais. Em outra entrevista afirmou que “em um casamento o amor é muito importante. Mas sonhar juntos é fundamental”. E ela fez o seu marido sonhar com ela em construir um novo Brasil.

    Tanto que para a presidenta deposta Dilma Rousseff dona Marisa foi uma "mulher de fibra, batalhadora que conquistou espaço e teve importante papel político”. Foi ela que fez a primeira bandeira do Partido dos Trabalhadores (PT), no ano de sua fundação em 1980.

    "Eu tinha um tecido vermelho, italiano, um recorte guardado há muito tempo. Costurei a estrela branca no fundo vermelho. Ficou lindo". Nesse mesmo ano, o ex-presidente Lula foi preso juntamente com outros sindicalistas, porque na ditadura (1964-1985) a greve era proibida.

    Dona Marisa então arregaçou as mangas e organizou uma grande passeata só de mulheres pelo centro de São Bernardo contra a prisão arbitrária dos dirigentes sindicais. "Hoje parece loucura. Fizemos uma passeata das mulheres. Encheu de polícia”, contou ela à Fundação Perseu Abramo.

    Em 1º de janeiro de 2003, tornou-se primeira-dama com a posse de Lula à Presidência da República. No mesmo ano disse à revista Criativa que “quando somos jovens imaginamos que o mundo tem que ser cor-de-rosa, só que ele não é. Isso muitas vezes é um choque. O amadurecimento proporciona isso, compreensão das coisas, mais paciência. Nós aproveitamos o nosso tempo juntos para ficar bem, felizes”.

    marisa leticia aeronautica ricardo stuckert

    Já como primeira-dama em solenidade em Brasília (Foto: Ricardo Stuckert)

    Já a ex-ministra Miriam Belchior afirma que “fora de casa Lula é o centro das atenções. No campo doméstico, Marisa é soberana. Ela é a âncora da família”.

    “A morte de Marisa Letícia mostra que as pessoas estão perdendo o sentimento de humanidade”, reforça a cetebista Pereira. “A mídia burguesa enxerga a mulher somente como coadjuvante, sempre à sombra dos homens. Assim não veem a nossa luta para construir o mundo novo. Luta que contou com a presença dessa guerreira".

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy

  • Contra o estado de exceção, liberdade para Lula

    A Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo, representando os principais partidos e movimentos progressistas do país, repudiam o mandato ilegal de prisão contra o presidente Lula.

    A decisão tomada pelo juiz Sérgio Moro expressa mais uma etapa do golpe de Estado contra a democracia, as conquistas do povo brasileiro e a soberania de nossa nação.

    Prender o histórico líder da classe trabalhadora para impedi-lo de participar do processo eleitoral é o objetivo que mobiliza os setores mais reacionários do sistema de justiça, dos meios monopolistas de comunicação e das elites brasileiras.

    O bloco golpista, ao rasgar a Constituição de 1988 e recorrer à perseguição judicial contra o ex-presidente, tem como intenção implantar, a ferro e fogo, sua agenda antipopular, antinacional e antidemocrática.

    Seus porta-vozes forjaram um clima de intolerância e ódio, animando grupos neofascistas e incentivando a violência contra a esquerda e os movimentos sociais.

    A única resposta digna e patriótica contra essas agressões é a resistência.

    Desde a histórica cidadela dos trabalhadores brasileiros, em São Bernardo do Campo, convocamos todos os democratas a cerrarem fileiras em defesa da liberdade do presidente Lula e contra o arbítrio.

    Estamos ao lado do presidente Lula nessa batalha decisiva, juntos na luta por suas prerrogativas constitucionais, dispostos a resistir contra a truculência e a mesquinharia dos que tomaram as instituições de assalto.

    Estradas estão sendo bloqueadas. Mobilizações despontam nas principais cidades e regiões. Vários governos denunciam ao mundo os atropelos em curso.

    Convocamos todos a se somarem aos atos unitários programados para hoje e nos próximos dias em todo Brasil. E todos que puderem se dirigir imediatamente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

    Também orientamos a que sejam organizados comitês populares em defesa da democracia e da liberdade do presidente Lula.

    Não nos calaremos diante da injustiça.

    Contra as armas da tirania, os povos e os cidadãos têm o direito à desobediência e à rebelião.

    São Bernardo do Campo, 6 de abril de 2018

    Frente Brasil Popular

    Frente Povo Sem Medo

  • Em encontro com docentes, presidenta Dilma diz que é preciso acabar com a política de privilégios

    Ao participar do debate Associações Docentes em Defesa da Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação, a presidenta Dilma Rousseff disse que nos últimos 13 anos foram criadas políticas públicas contra os privilégios que poucos sempre tiveram neste país.

    O evento promovido pela Associação dos Docentes da Universidade Federal do ABC (ADUFABC) ocorreu nesta segunda-feira (18), a partir das 12h no campus da UFABC, em São Bernardo (SP), onde se reuniram centenas de estudantes que interromperam suas férias para defender a democracia.

    No campus de uma das 23 universidades construídas pelos governos de Lula e Dilma, a reportagem do Portal CTB acompanhou mais esse encontro de educadoras, educadores e estudantes com a presidenta Dilma. No ato, as frases mais ouvidas foram “Volta Dilma” e “Fica Querida”.

    Ao abrir os debates, a presidenta da ADUFABC, Maria Carlotto, afirmou que o objetivo desse evento era debater as propostas que o governo golpista tem anunciado para a educação e para a ciência.

    Para ela, os golpistas mostram a completa “falta de compromisso que a elite brasileira tem com a democracia, com os direitos sociais, trabalhistas e individuais”.

    O professor de Relações Internacionais da UFABC, Igor Fuser, que também é jornalista, atacou a proposta de alguns grupos reacionários da chamada “Escola Sem Partido”.

    dilma ufabc estudantes saida

    Estudantes recepcionam a presidenta Dilma na saída do evento aos gritos de "Fica Querida"

    "Tem professora sendo punida porque discutiu Karl Marx em sala de aula. Agora imagine você estudar economia, sociologia ou filosofia sem estudar Marx?”, questiona.

    Segundo ele, é o mesmo que “estudar biologia sem aprender as importantes descobertas de Charles Darwin para o estudo do desenvolvimento da vida. É impensável”.

    Para Dilma, “Escola Sem Partido é uma escola sem alma”. Ela defendeu ainda uma sociedade mais tolerante. “Porque tem clube de rico no Rio de Janeiro onde a babá não pode sentar ou usar ao banheiro”.

    Fuser acredita que as universidades federais correm sérios riscos. “Já estamos vendo os bolsistas e cotistas largarem os estudos porque não basta lhes dar uma bolsa, precisam de um aporte que os ajude a manterem-se na universidade”.

    Ele lembrou também da retirada de direitos trabalhistas, "fundamentais para o trabalho" e ainda falou da reforma da Previdência que "dificulta imensamente uma aposentadoria digna para todos e todas".

    Aí vêm os golpistas, argumenta Dilma, formando uma equipe de homens, brancos, velhos e ricos. “Não podemos mais aceitar a lógica do privilégio para alguns”.

    Assista trecho do discurso da presidenta Dilma

     

    De acordo com a presidenta ainda afastada, todos e todas devem ter acesso a “uma educação de qualidade, onde a ciência, a tecnologia, a informação e o conhecimento sejam compartilhados”.

    Sobraram críticas ao desgoverno Temer que corta verba da educação, da ciência, de pesquisas e visa entregar o ensino superior às mãos dos barões da educação, que pensam somente em lucro.

    Além de entregar os lucros do pré-sal para petrolíferas estrangeiras e tirar os royalties do petróelo da educação.

    No final teve gente dizendo "que inveja o Temer deve sentir desse carinho que o povo tem por Dilma".

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

     

  • Inspirado na resistência turca, Ciro Gomes convoca povo às ruas para derrubar golpe

    Ao participar do 64º Conselho Nacional de Entidades Gerais da União Nacional dos Estudantes, O presidenciável do PDT, Ciro Gomes disse ao Portal Vermelho (ver abaixo) sentir até inveja do povo turco que saiu às ruas para defender a democracia e com isso reverteu a tentativa de golpe.

    “Vi mulheres tirando cinto e enfrentando baionetas, fiquei com muita inveja desse exercício de cidadania, claro que no Brasil tudo é diferente (...) mas a luta pela democracia e respeito à prevalência do voto popular, como único caminho de acesso à Presidência da República inspiradora é que deve nos orientar”, afirmou Ciro Gomes.

     Ciro Gomes diz que essa pode ser a última chance de a democracia vencer: 

    Já o advogado de defesa da presidenta Dilma, José Eduardo Cardozo, no mesmo evento disse que se o impeachment "fosse um julgamento normal, a absolvição já teria sido feita. No há acusações sérias contra a presidenta da República, proporcionado por setores golpistas que querem a afirmação de um projeto conservador para o país". 

    Resistência

    A presidenta Dilma atacou com firmeza os golpistas em ato promovido pela Frente Brasil Popular em Teresina, no Piauí, na sexta-feira (15). Nesta segunda-feria (18) ela estará na Universidade Federal do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), proferindo uma palestra sobre educação, ciência e tecnologia, áreas estratégicas para o desenvolvimento do país, tão menosprezadas pelo desgoverno golpista.

    De acordo com a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), em depoimento exclusivo ao Portal CTB, a Comissão de Impeachment do Senado vota no dia 5 de agosto o processo de impeachment, e se aprovado, vai a plenário no dia 9. Para ela, há grandes possibilidades de o golpe ser enterrado nesse dia (saiba mais aqui).

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy com informações do Portal Vermelho e do site da União Nacional dos Estudantes. Foto: Marcelo Casal Jr.

     

  • Ocupação Povo Sem Medo, do MTST, em São Bernardo (SP), ganha apoio da CTB e de artistas

    Carlos Rogério Nunes, integrante do Conselho Fiscal da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) nacional, representou a entidade na assembleia, com mais de 15 mil pessoas, da ocupação Povo Sem Medo, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

    “A CTB nacional está presente aqui para ser solidária à luta pelo direito à terra, à moradia, pelo direito à dignidade humana”, diz Nunes. “Juntamente com diversos representantes dos movimentos sociais, de inúmeras religiões e de várias centrais sindicais”, complementa.

    O coordenador do MTST, Guilherme Boulos afirma a disposição de luta dos ocupantes. De acordo com ele, já são mais de 7,5 mil famílias no terreno de 60 mil metros quadrados no bairro Planalto, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

    assembleia povo sem medo sbc sp rogerio nunes ctb 2017 10 01 1

    “Já tivemos duas reuniões com a MZM (construtora proprietária do terreno), mas não avançamos em nenhum ponto ainda”, conta. “Esta megaocupação completa um mês neste domingo e não arredaremos pé daqui sem uma solução para quem está sem onde morar”.

    Para ele, a resistência continuará porque o desemprego avança, o aluguel fica cada vez mais caro e por isso, “as ocupações vão aumentar em todo o país”. O coordenador do MTST garante que se houver “desocupação sem nenhuma garantia para o povo trabalhador, haverá resistência”.

    Nunes analisa essa possibilidade e teme “um novo massacre porque aqui estão muitas crianças, mulheres e idosos, aqui estão trabalhadores e trabalhadoras que querem viver com dignidade”.

    Por isso, diz, “o poder público deve intermediar uma negociação e, com o programa Minha Casa, Minha Vida, atender essa população e resolver o problema de moradia”. O sindicalista lembra ainda que a CTB “empreende esforços para uma política voltada para o crescimento econômico com criação de empregos”.

    Assista o vídeo com inúmeros artistas apoiando a ocupação e a luta por moradia 

    Nesta segunda-feira (2) ocorre um julgamento de um pedido de reintegração de posse e o movimento espera uma decisão favorável porque “o terreno está abandonado há anos e morar decentemente é um direito humano e constitucional”, sintetiza Nunes.

    Nesta terça-feira (3), o MTST realiza uma grande marcha pelas ruas de São Paulo para denunciar à sociedade a falta de moradia para um grande número de famílias. “Às 6h da manhã já estaremos marchando pelo direito à casa própria”, conclui Boulos. Ele informa ainda que o MTST vai tentar negociação com o governador Geraldo Alckmin.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

  • Por moradia decente, mais de 20 mil pessoas ocupam terreno abandonado em São Bernardo

    Foto aérea da ocupação Povo Sem Medo (Crédito: MTST)

    Em uma das maiores ocupações realizadas pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), mais de 20 mil pessoas ocupam uma área de 60 mil metros quadrados no bairro do Planalto em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. 

    A reportagem do Portal CTB visitou o local na manhã desta quarta-feira (13) e constatou o gigantismo da ocupação, batizada de Povo Sem Medo. “Até agora já foram cadastradas cerca de 6.500 famílias, mas esse número não para de crescer”, diz Maria das Dores Cerqueira, coordenadora nacional do MTST.

    Ela explica que com o processo de extinção do programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal, a situação “dos mais pobres só piora”. Somente em São Bernardo são 92.216 famílias sem teto, contabiliza a ativista.

    Um casal de idosos conta que aderiu à ocupação porque “o aluguel está muito caro e todo mundo sonha em ter um cantinho seu”. Eles reclamam da possibilidade de serem desalojados sem negociação. Outro ocupante, que também não quis se identificar, afirma estar desempregado e sua família pode ser despejada a qualquer momento, por isso "estamos aqui para conquistar nossa casa própria".

    maria das dores siqueira coordenadora mtst

    Maria Cerqueira trabalha para evitar um novo massacre (Crédito: Marcos Aurélio Ruy)

    De acordo com Cerqueira, esta ocupação “é fruto da crise que se acentua no país com desemprego galopante e o aluguel caríssimo”.

    Para os ocupantes, o terreno ocupado serve apenas para a especulação imobiliária. O terreno pertence à MZM Construtora e segundo os ocupantes está abandonado há cerca de 40 anos. “Estamos aqui desse o dia 1º para forçar o poder público a negociar uma solução para os sem teto de São Bernardo”, assinala Cerqueira.

    Mesmo com uma ação de desocupação em vigência, os ocupantes não demonstram sinais de desânimo. Amamentando sua filhinha, uma ocupante conta que essa “luta é por ela também. Você vê aqui do lado esses prédios chiques e a gente sem casa decente”.

    Na quarta-feira (3), o juiz Fernando de Oliveira Domingues Ladeira deu prazo de 72 horas para a desocupação da área, após pedido da MZM. Para Ladeira, “a ausência de construção não se confunde com abandono”, por isso, “defiro, se necessário, força policial, arrombamento”, diz trecho de sua decisão.

    Em nota, a Polícia Militar afirma ainda não ter data marcada para a ação. “Às 14h faremos manifestação até o Paço Municipal para tentarmos uma audiência com o prefeito (Orlando Morando, do PSDB) e conseguirmos uma solução para a falta de moradias em São Bernardo”, afirma Siqueira.

    ocupacao mtst assembleia 1

    Tudo na ocupação é decidido em assembleia geral como essa da foto do MTST

    Ela afirma que a intenção do movimento é que a área seja indicada ao programa Minha Casa, Minha Vida Entidades, como ocorreu próximo à rua Adriático, no centro da cidade, em 2012, onde “ocupamos, negociamos e 910 famílias receberam suas casas”, diz.

    Para ela, basta ter “vontade política” para resolver o problema habitacional. Afirma ainda que o “Judiciário precisa contemplar os dois lados. Aqui têm famílias com crianças, mulheres grávidas e idosos. Pode ocorrer um novo massacre de pessoas que apenas estão lutando por moradia digna”.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy