Sidebar

20
Sáb, Abr

Teatro Municipal do Rio de Janeiro

  • Chico Buarque e Leci Brandão concorrem ao Prêmio da Música Brasileira 2018, nesta quarta

    Nesta quarta-feira (15), acontece a entrega da 29ª edição do Prêmio da Música Brasileira, às 20 horas, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. A premiação é anual e nesta edição presta homenagem a Luiz Melodia (1951-2017).

    A deputada estadual Leci Brandão (PCdoB-SP), pelo CD "Simples Assim", concorre com Ana Costa ("Do Começo ao Infinito") e Sandra Portella ("Banho de Fé") ao prêmio de Melhor Cantora de Samba. "Ana Costa e Sandra Portella são grandes cantoras. Então a felicidade já me pegou só pela indicação”, diz Leci.

    CD completo "Simples Assim", de Leci Brandão 

    Ela conta que o seu mais recente CD recebeu o título “Simples Assim”, porque "tudo foi feito com muita simplicidade e a gente tem que agradecer a Deus por esse resultado”.

    Além de homenagear o cantor e compositor carioca Luiz Melodia, o Prêmio da Música Brasileira 2018 já tem Chico Buarque como o vencedor de Melhor Canção. E não se trata de nenhum exercício de adivinhação.

    As três músicas indicadas são de sua autoria: “As Caravanas”, “Massarandupió”, em parceria com o neto Chico Brown e “Tua Cantiga”, com Cristóvão Bastos. As três fazem parte do seu disco mais recente “Caravanas", que também concorre como Melhor Álbum de MPB.

    Álbum "Caravanas", de Chico Buarque, completo 

    Homenageado

    O autor de “Pérola Negra”, “Magrelinha”, “Farrapo Humano” e “Ébano”, entre centenas de outras canções, recebe merecida homenagem um ano após a sua morte. Criado no morro de São Carlos, bairro do Estácio, no Rio de Janeiro, Luiz Melodia criou um estilo ímpar e com muita criatividade misturou samba, MPB, rock, blues e soul.

    Ébano, de Luiz Melodia 

    História do prêmio

    Nasceu como Prêmio Sharp de Música, em 1987 e foi com esse nome até 1998. A premiação parou de 1999 a 2001. Em 2002, passou a se chamar Prêmio Caras de Música e no ano seguinte virou Prêmio Tim de Música, até 2008, no ano seguinte recebeu o nome de Prêmio da Música Brasileira, mantido até hoje.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • Elza Soares ganha de presente de aniversário o Prêmio da Música Brasileira

    Na entrega do 27º Prêmio da Música Brasileira, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (22), Elza Soares foi contemplada com o prêmio de Melhor Álbum, com “A Mulher do Fim do Mundo”, na categoria Pop/rock/reggae/hip-hop/funk.

    Um prêmio a mais para a “cantora do milênio”, definido pela BBC, não fosse concedido à véspera de seu aniversário de 79 anos, que ocorre nesta quinta-feira. Em sua página do Facebook, a cantora carioca se emocionou.

    “Não dormi pensando em como seria o Prêmio da Música Brasileira... A minha ligação com Gonzaguinha é muito grande. Fui a primeira a gravar música dele. Tinha e ainda tenho muito carinho e respeito por ele... Cantar ‘O Que É, O Que É’ significa muito para mim”, escreveu.

    Elza cantando Gonzaguinha

    Gonzaguinha (1945-1991) foi o homenageado desta edição da premiação pelo conjunto de sua obra. Suas canções ganharam interpretações de João Bosco, Lenine e Ney Matogrosso.

    A cantora enfrenta também uma polêmica absurda envolvendo seu mais recente trabalho, justamente o álbum premiado. Tem gente defendendo boicote a esse disco, porque o trabalho teria contado com “homens machistas” em sua produção.

    Mas o boicote não está pegando. “A coisa que eu mais queria fazer neste momento era falar sobre a mulher. Que está acima de qualquer coisa... Falar da negritude. Da homofobia. Dos sexos... Gritar”, escreveu Elza nas redes sociais.

    “Ainda existem mulheres caladas, submissas, reprimidas e é para essas mulheres que eu falo. Não podemos nos calar. Precisamos gritar quando algo ruim acontece contra nós, mulheres. Não podemos ter medo. Quando nos encorajamos, fortalecemos as que estão enfraquecidas”, falou Elza em entrevista à Rede Brasil Atual.

    A Mulher do Fim do Mundo (Romulo Fróes e Alice Coutinho)

     

    Ela ainda conclui ter “voz e bastante força para falar a respeito de ‘A Mulher Do Fim Do Mundo’. Eu conheço. Passei por dramas todos da vida”. Para comemorar, a cantora carioca pede a participação dos fãs na gravação de um especial sobre a premiação que lhe foi concedida, saiba como aqui.

    “Muito obrigada por esta noite, meus queridos... E muito obrigada por este prêmio, tão significativo, num momento tão importante para mim, em que me preparo para eternizar o show do disco através do Kickante”, acentuou emocionada.

    Felicidade é ter Elza Soares, aos 79 anos, abrilhantando a música popular brasileira com sua voz e timbre únicos. Sempre cantando as dores, as alegrias e os amores do povo. Sem medo de ser feliz, defendendo a cultura brasileira e transpirando talento por todos os poros.

    Leia mais

    A cantora do milênio é mulher, negra, brasileira e feminista: Elza Soares

    Os poderes de Elza Soares, do samba ao punk, do morro ao mundo

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

  • Leci Brandão ganha como melhor cantora de samba em noite de festa do Prêmio da Música Brasileira

    Uma verdadeira constelação encheu o Teatro Municipal do Rio de Janeiro, na noite desta quarta-feira (15). A cerimônia de entrega do Prêmio da Música Brasileira 2018 reuniu vários representantes da diversidade musical brasileira num tempo só.

    Com apresentação de Camila Pitanga e Débora Bloch, a premiação fez uma emocionante homenagem ao cantor e compositor Luiz Melodia (1951-2017). Suas canções foram interpretadas por Alcione (Melhor Cantora Popular), Caetano Veloso com os três filhos e a irmã Maria Bethânia, Fabiana Cozza, entre outros, que levaram às lágrimas e à certeza de que a cultura é fundamental para a vida das pessoas.

    Simples Assim, álbum de Leci Brandão 

    Destaque para a veterana Leci Brandão, 72 anos, eleita pelos críticos como a Melhor Cantora de Samba, pelo seu trabalho no disco “Simples Assim”. A deputada estadual pelo PCdoB-SP compareceu ao evento e fez com a mão o sinal de L (Lula).

    Leia mais

    Chico Buarque e Leci Brandão concorrem ao Prêmio da Música Brasileira 2018, nesta quarta

    Um pouco antes o Melhor Grupo de Samba, Moacyr Luz e Samba do Trabalhador, puxou um “Lula Livre” e a plateia respondeu prontamente. A premiação contou coma participação de artistas consagrados e com uma leva de novos talentos, que enche de esperança.

    Outro destaque foi Chico Buarque, representado pelo neto Chico Brown, o artista de 74 anos, ganhou os prêmios de Melhor Álbum de MPB (Caravanas) e Melhor Canção (Tua Cantiga). Essa música gerou polêmica ao ser lançada na internet e acusada de machismo. Discussão superada pela qualidade da poesia (Chico) e melodia (Cristóvão Bastos).

    Tua Cantiga, de Chico Buarque e Cristóvão Bastos 

    Veja a lista completa dos ganhadores:

    Melhor Arranjador

    Mario Adnet por Jobim Orquestra e Convidados, de Paulo Jobim e Mario Adnet

    Melhor Canção

    Tua Cantiga, de Cristóvão Bastos e Chico Buarque

    Revelação Petrobras (patrocinadora do evento)

    Almério (‘Desempena)

    Projeto Visual

    Felipe Taborda por Campos Neutrais, de Vitor Ramil

    Canção Popular

    Álbum

    Bixa, de As Bahias e A Cozinha Mineira

    Cantor

    Roberto Carlos (Roberto Carlos)

    Cantora

    Alcione (Boleros)

    Dupla

    Chitãozinho e Xororó (Elas em Evidência)

    Grupo

    As Bahias e A Cozinha Mineira (Bixa)

    Especiais

    Álbum Eletrônico

    Sintetizamor, de João Donato e Donatinho

    Álbum em Língua Estrangeira

    Ay Amor!, de Fabiana Cozza, produtores Pepe Cisneros

    Álbum Erudito

    Villa-Lobos, Quartetos e Cordas, de Villa-Lobos, interpretado pelo Quarteto Bessler-Reis e Quarteto Amazônia

    Álbum Infantil

    Deu Bicho Na Casa, de Sula Kossatz

    Álbum Projeto Especial

    Tatanaguê, de Theo de Barros e Renato Braz

    Melhor DVD

    Jobim Orquestra e Convidados, de Paulo Jobim e Mario Adnet, direção de Nelsinho Faria

    Videoclipe

    Culpa, de O Terno, direção de Breno Moreira e Bruno Shintate

    Instrumental

    Álbum

    Quebranto, de Yamandú Costa e Alessandro Penezzi,

    Grupo

    Hermeto Pascoal e Grupo (‘Mundo dos Sons’)

    Solista

    Yamandú Costa (Quebranto, de Yamandú Costa e Alessandro Penezzi)

    MPB

    Álbum

    Caravanas, de Chico Buarque

    Cantor

    João Bosco (Mano Que Zuera)

    Cantora

    Zélia Duncan (Invento)

    Grupo

    Equale (Na Praia de Caymmi)

    Pop/Rock/Reggae/Hip-Hop/Funk

    Álbum

    Estado de Poesia, Ao Vivo, de Chico César

    Cantor

    Lulu Santos (Baby Baby!)

    Cantora

    Gal Costa (Estratosférica, Ao Vivo)

    Grupo

    Novos Baianos (Acabou Chorare, Novos Baianos se Encontram)

    Regional

    Álbum

    Caipira, de Mônica Salmaso

    Cantor

    Mestrinho (É Tempo pra Viver)

    Cantora

    Mônica Salmaso (Caipira)

    Dupla

    As Galvão (Soberanas)

    Grupo

    Trio Nordestino (Canta o Nordeste)

    Samba

    Álbum

    Ao Vivo, no Bar Pirajá, de Moacyr Luz e Samba do Trabalhador

    Cantor

    Criolo (Espiral de Ilusão)

    Cantora

    Leci Brandão (Simples Assim)

    Grupo

    Moacyr Luz e Samba do Trabalhador (Ao Vivo no Bar Pirajá)

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB