Sidebar

17
Dom, Fev

TV Globo

  • Até a Rede Globo reconhece que a democracia acabou no Brasil. Assista!

    Ao noticiar a prisão ilegal do ex-ministro de Lula e Dilma, Guido Mantega, e depois a revogação dessa prisão pelo juiz golpista Sergio Moro, o apresentador Evaristo Costa, do Jornal Hoje, da TV Globo, foi translúcido e disse que "Mantega foi quem mais tempo ocupou o cargo de ministro da Fazenda durante a democracia no Brasil". Exatamente isso: "durante a democracia no Brasil", não precisa dizer mais nada.

    Assista Evaristo Costa em ato falho 

    Já no programa Painel, da Globonews, sobre a aceitação pelo juiz Sergio Moro da denúncia feita pelo Ministério Público Federal de Curitiba contra o ex-presidente Lula. A apresentadora Renata Lo Prete ficou com cara de taxo com a análise de Aldo Fornazieri, professor da Escola de Sociologia e Política da Universidade de São Paulo.

    "Todas as ações da Lava Jato de um modo geral são politicamente orientadas", disse. E a decisão de Moro de acatar o pedido do MPF visa, de acordo com Fornazieri, influenciar as eleições municipais deste ano, o movimento "Fora Temer" e atingir a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva em 2018.

    Veja o professor Fornazieri 

    Portal CTB

  • Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank entram com processo judicial por racismo na internet

    O casal com a filha Titi (Foto: Reprodução Instagram)

    Os ataques racistas pelas redes sociais crescem em novembro - Mês da Consciência Negra . "Já passou da hora de serem tomadas providências para acabar com as práticas de ódio e violência no país”, diz Mônica Custódio, secretária de Promoção da Igualdade Racial da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB).

    A vítima da vez é uma garotinha de apenas 2 anos. Titi, a malauiana adotada pelo casal de atores Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso. O casal prestou queixa na Delegacia de Repressão a Crimes de Informática no Rio de Janeiro, como informa o jornalista Ancelmo Gois.

    Um dos comentários na página do Instragram afirma que "Vcs tinham que adotar uma menina de olhos azuis isso sim iria combinar e não aquela pretinha parece uma macaquinha #lugardepretoénaafrica!!!”.

    Para Custódio, o poder público deve assumir sua responsabilidade e “implementar um grande trabalho de educação de toda a sociedade para extirpar de uma vez por todas a chaga do racismo, que envergonha a nação perante o mundo”.

    Esse tipo de crime tem sido corrente no país. Mas após o golpe à democracia brasileira vem aumentando substancialmente. Antes ainda, em 2013, Carlinhos Brown e Helena Buarque de Hollanda foram morar em Salvador porque seus filhos foram vítimas de ataques racistas no condomínio onde moravam no Rio de Janeiro.

    O mesmo perfil, supostamente falso atacou a cantora paraense Gaby Amarantos. Somente neste ano as cantoras cariocas Ludmilla e MC Carol, além da rapper paulista Preta Rara forma vítimas de ofensas racistas em redes sociais. "A polícia tem que investigar e punir esses covardes, porque é inaceitável que isso ocorra e nada seja feito", reclama a dirigente da CTB.

    A violência não acaba. No ano passado chegou ao conhecimento do público ataques à jornalista Maria Júlia Coutinho, da TV Globo e à atriz Taís Araújo, no mês de novembro. Neste ano, as cantoras cariocas Ludmilla e MC Carol, além da rapper paulista Preta Rara forma vítimas de ofensas racistas em redes sociais.

    “O pior é que as manifestações proliferam e a violência cresce com o assassinato de milhares de jovens negros, pobres e moradores da periferia todos os anos no país”, acentua Custódio. “Vamos organizar grandes atos no Dia da Consciência Negra (20 de novembro) para mostrar que repudiamos o ódio, a discriminação, a desigualdade e a violência”. Inclusive o Mapa da Violência 2016 mostra que os jovens negros são assassinados 2,6 vezes mais do que os brancos.

    Contraponto

    Marcha do orgulho crespo curitiba Foto Tony Mattoso RPC Curitiba

    1ª Marcha do Orgulho Crespo em Curitiba (Foto: Tony Mattoso/PC Curitiba)

    Para mostrar que a maioria dos brasileiros e brasileiras querem a igualdade, centenas de negras e negros ocuparam as ruas de Curitiba para a 1ª Marcha do Orgulho Crespo, no sábado (12).

    De acordo com a imprensa local , a manifestação ocorreu sem incidentes e os participantes estavam com cartazes com dizeres contra o racismo e a favor da beleza negra.

    O objetivo da passeata, segundo os organizadores, foi o de empoderar a mulher negra, que está na base da pirâmide social no país. "As mulheres negras são as que mais sofrem com o racismo e o machismo", finaliza Custódio. 

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy - Foto: Reprodução Instagram

  • Estudante negra de jornalismo é discriminada por professor em sala de aula

    Uma estudante de jornalismo, negra, 20 anos, de uma universidade conceituada da região Nordeste, denuncia ao portal R7 a atitude racista de seu professor de Comunicação e Expressão Oral. O professor graduado em fonoaudiologia falou que ela nunca será âncora de telejornal por causa de seu cabelo étnico afro.

    "Quando eu estava passando o texto na bancada, ele disse que, por conta dos padrões, o meu cabelo chamaria mais atenção que a notícia, por ser black e descolorido, e que dessa forma eu me encaixaria melhor como moça do tempo ou repórter", contou a estudante.

    Para a secretária de Igualdade Racial da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Mônica Custódio, a ofensa aconteceu por causa da invisibilidade de negros e negras na mídia e na sociedade.

    “Em todas as formas de comunicação, a população negra quase nunca aparece e quando aparece é desqualificada. Seja em novelas, livros didáticos, publicidades. Parece que não existimos ou só existimos em situações degradantes”, diz.

    Ao assistir à novela "Pega pega", da TV Globo, ela conta que uma personagem negra é agredida. “Parece que para naturalizar a violência contra a mulher e mais ainda mulher negra”, afirma. “Na 'Malhação' até tocam no tema da misoginia e do racismo, mas banalizam completamente, ao ponto de se julgar tudo natural”.

    Então esse professor universitário, de acordo com Custódio, retrata a realidade de onde ele vive. “A população negra não pertence àquele lugar, à universidade, aos meios de comunicação, onde prevalece o padrão de beleza europeu”.

    A sindicalista acentua que “além de ser mulher e negra, a estudante é pobre”, pois ela é estagiária, como mostra a reportagem do R7 e ganha R$ 510 por mês e paga uma mensalidade de R$ 669,90 com ajuda da família. “Ela sofre triplo preconceito”.

    A jovem conta ainda que procurou a escola antes de denunciar à imprensa, mas a escola não a acolheu. Ela denuncia ainda a falta de solidariedade dos colegas. "Enquanto isso, o professor fez reuniões com os alunos da sala. Eles começaram a me tratar com indiferença. Ninguém mais olhava na minha cara e eu me sentia muito mal. Criaram até uma hashtag #nãohouveracismo para colocar em publicações que comentavam o caso. O curioso é que as estudantes que defendem o professor não estavam na sala de aula no dia (20/5) e são as mesmas que pegam carona com ele", conta ela.

    “Fatos como esse dão nitidez ao racismo brasileiro, forjado ideologicamente desde a escravidão, mas persiste para justificar a desigualdade e a injustiça social”, reforça Custódio. “E ainda insistem em dizer que não há racismo no Brasil”, ironiza.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy. Foto: Arquivo Pessoal

  • Humorístico Zorra faz sátira com impopularidade de Michel Temer. Assista!

    Na noite deste sábado (3), o humorístico Zorra, da TV Globo, apresentou um esquete onde uma consumidora vai a uma “concessionária de presidentes” devolver Michel Temer, argumentando ter sido enganada e de que ele não mudou nada.

    O vendedor tenta explicar, que só em 2018, mas ela insiste e pede opções para substituir o naufragado Temer. Passa por algumas opções e termina com a volta dos militares de 1964. A conclusão do quadro é: “Tem que pensar melhor antes de escolher”.

    Ironias da vida. A Rede Globo que tanto se empenhou para derrubar a presidenta Dilma Rousseff, aliando-se e recebendo verbas polpudas do governo de Temer, agora quer substituí-lo, mas não ousa defender a melhor solução para a superação a crise.

    As forças progressistas não se satisfazem com o “Fora Temer” e defendem eleições “Diretas Já”. Já os conservadores brigam entre si para ver qual grupo se mantém no poder, mesmo sem disputar eleição.

    Isso fica translúcido nas manifestações do domingo (4), com apoio explícito da emissora da família Marinho. Uma coisa é evidente, eleição já eles não querem.

    Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

    Assista:

  • Mídia internacional mostra a ditadura do governo golpista de Michel Temer

    Os correspondentes da mídia internacional já perceberam a impossibilidade de confiar na isenção da imprensa burguesa nacional. Por isso, resolveram ir às ruas cobrir as manifestações contra o governo golpista de Michel Temer - há mais de 2 meses no Palácio do Planalto.

    leia mais

    Jornal The New York Times denuncia ao mundo o golpe no Brasil

    O jornal The New York Times (NYT) divulga o seu segundo vídeo sobre as manifestações pelo "Fora Temer" durante a realização dos Jogos Olímpícos Rio 2016 e denuncia a censura promovida por esse desgoverno em reportagem (leia o texto original aqui).

    Assista o vídeo do NYT que o mundo todo está vendo


    Outro grande jornal norte-americano, The Washington Post também fez reportagem sobre os torcedores expulsos dos estádios por estarem com cartazes com a inscrição “Fora Temer”. "uma palavra que tem conotações amargas em um país que vivia sob uma ditadura militar”, afirma o Post (leia a íntegra aqui).

    Sem filtro, a TV Italiana mostra a sonora vaia que o golpista Temer levou em seu discurso relâmpago na abertura dos Jogos.

    Assista 

    Ao contrário disso, para a presidenta Dilma é só alegria. Desta vez, ela foi recebida por milhares de pessoas na tenda do Circo da Democracia, em Curitiba.

    Veja a diferença 

    Enquanto isso os repórteres da Rede Golpe de Televisão (ex-TV Globo) continuam enfrentando dificuldades.

    Assista 

    Portal CTB - Marcos Aurélio Ruy com agências

  • O quadrinista Gabriel Bá foi censurado na Globo, no programa "Conversa com Bial"

    Convidado para participar da edição desta terça-feira (28) do programa Conversa com Bial, na TV Globo, o quadrinista Gabriel Bá foi impedido de utilizar um boné com uma estrela vermelha, semelhante ao utilizado pelo ex-líder cubano Fidel Castro. A estrela foi parcialmente coberta por fita isolante durante a gravação da entrevista.

    De acordo com Gabriel, gêmeo do também quadrinista Fábio Moon, a produção da atração havia pedido para que símbolos políticos não fossem exibidos nas vestimentas.

    "'Evite números para que não haja associação a marcas ou partidos políticos'. Essa foi uma das dicas de vestuário da produção do programa. Mesmo assim, fui com meu boné verde com estrela vermelha, que trouxe do Vietnam. Tenho outros, mas gosto deste, do que ele representa. Foi minha escolha", escreveu ele em publicação acompanhada de um desenho do boné com fita isolante.

    "Chegando no estúdio, o pessoal do figurino, respondendo à diretoria do programa, disse que a estrela não ia rolar. Claro que não fiquei contente, mas eu fiz uma escolha antes: a de ir com o boné. Entre entrar com a estrela coberta ou entrar sem boné, escolhi o boné. E escolheria novamente. Poderia ser um tucaninho azul e amarelo ou um número 45, o logo da Adidas ou o escudo do Palmeiras. Seria coberto da mesma maneira. Prefiro ver agora esse debate todo e o povo refletindo do que simplesmente ter entrado sem boné", completou o artista, um dos autores da adaptação para quadrinhos de Como falar com garotas em festas, baseado em um conto do autor britânico Neil Gaiman.

    A Globo rebateu as acusações de ter cometido censura, mas confirmou que não autorizou o uso do boné com a estrela vermelha. "Existe uma orientação geral para que os convidados evitem roupas com marcas aparentes, e símbolos e números que remetam a partidos políticos. Esse cuidado reforça a isenção do programa. Não há qualquer tipo de censura ou restrição ao conteúdo da entrevista. Os convidados discorrem livremente sobre questões políticas e expõem opiniões pessoais".

    Fonte: Jornal do Brasil

  • Propaganda de O Boticário com família negra faz a casa grande surtar de ódio; confira

    A nova propaganda de O Boticário repercute. Criada pela AlmapBBDO, causa repercussão por ser protagonizada por uma família negra. Por isso, causou frisson e o ódio e o  racismo afloraram nas redes sociais.

    Incomodada, a internauta Dilma Sena escreveu: “Pouco criativa e racista. Vamos misturar essa família aí”. Já a pessoa que assina como Lonely Wolf é mais contundente. “Me tire uma dúvida O Boticário só fabrica perfumes pra afros?”, pergunta. “Acho que estou usando a marca errada. Uma vez que o público alvo da empresa são os afros, a partir de agora vou usar os importados”.

    “A presença de negros na publicidade brasileira é ínfima. Aí quando surge uma única propaganda com uma família negra a gritaria é geral, porque a casa grande surta”, diz Mônica Custódio, secretária de Igualdade Racial da CTB.

    “O Boticário decidiu fazer uma campanha de Dia dos Pais com uma família negra, o vídeo recebeu cerca de 11 mil dislikes (até agora), e comentários reclamando da falta de ‘diversidade’. E ainda há quem diga que racismo não existe e é coisa da nossa cabeça”, escreve em seu Twitter, Alexandre (@Iexandre).

    Confira a propaganda sobre o Dia dos Pais 

    Gabriela Magalhães também tuita que “a branquitude não está preparada para não ser o centro da atenção. Basta uma campanha com uma família negra, para os brancos discriminados (KAKAKAKAK até na ironia é engraçado) falarem da tal DIVERSIDADE. Então, quando não aparecia nenhum negro na mídia e as propagandas eram TODAS compostas por GENTE BRANCA, vocês oprimidos que sofrem racismo reverso (KAKAKAKA) não cobraram diversidade, né? HIPÓCRITAS”.

    “Apesar de a população negra ser mais de 54% da população, como mostra o IBGE, ainda somos inviabilizados pela publicidade, numa das mais incisivas representações do racismo tupiniquim”, afirma Mônica.

    Para Alexandra Loras, ex-consulesa da França em São Paulo, “o Brasil é o país mais racista do mundo”. A cetebista concorda com ela e cita a reação contundente contra a única propaganda já feita com uma família negra no Brasil.

    “A ausência de negras e negros na publicidade e na programação televisiva é uma estratégia para esconder a herança africana na formação da nação brasileira”, acentua Mônica. “Essa reação visceral joga por terra o decantado mito da democracia racial”.

    Veja a repercussão racista

    boticario propaganda repercussao

    Para a sindicalista, “a sociedade não enxerga a população negra fora dos lugares determinados por ela. Quando aparecem negras e negros nos espaços que não nos querem, a população branca se sente ameaçada e reage dessa forma”. Ela lembra ainda que há pouco tempo a União de Negras e Negros pela Igualdade questionou a TV Globo por não conter atrizes e atores negros em novela que se passa em Salvador, a cidade com maior população negra do país.

    Por isso, “é tarefa primordial do movimento sindical, dos partidos políticos progressistas e dos movimentos sociais é combater o racismo de todas as formas para construirmos uma civilização sem preconceitos”, conclui.

    Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

  • Wagner Moura e Rodrigo Lombardi recusam interpretar Sérgio Moro no cinema

    O ator Wagner Moura recusou o convite para interpretar o juiz Sérgio Moro, feito pelo diretor e amigo José Padilha para a realização de um longa-metragem sobre a Operação Lava Jato para o Netflix. O ator interpretou recentemente o traficante colombiano Pablo Escobar, da série Narcos e Capitão Nascimento, do filme Tropa de Elite 1 e 2, entre inúmeros outros papeis importantes.

    Moura que participou ativamente da campanha contra o impeachment da presidenta Dilma, vem se posicionando em defesa da democracia e da Constituição. A sua negativa mostra descontentamento com o comportamento do juiz Moro na condução da Operação Lava Jato, embora Moura não tenha se pronunciado a respeito, como diz seu assessor Rafael Barcellos. Porque o juiz de primeira instância de Curitiba persegue petistas e ignora acusações contra políticos do PSDB e outros partidos de direita.

    rodrigo lombardi sergio moro

    Já Rodrigo Lombardi alegou compromissos profissionais para recusar o mesmo papel. Preferiu ir para a nova novela da TV Globo, À Flor da Pele, que deve estrear em 2017. Ele ainda será visto na série Carcereiros, no lugar de Domingos Montagner, morto em setembro.

    Portal CTB com agências