Download

jornal da ctb terceirizacao 230px

banner luta continua contra pl4330

Diga não à terceirização

fim do financiamento privado de campanhas eleitorais ctb

“Mother”: Papel de mãe

 

Por Clovis Geraldo *

 

A sensação que se tem depois de assistir “Mother – A Busca pela Verdade”, do sul-coreano Bong Joon-Ho, é que seu domínio da linguagem cinematográfica o permite iniciar e encerrar seu filme com alegorias. É como se ele dissesse: a vida continua; embora fatos terríveis dominassem a história. Na cabe aqui fazer qualquer julgamento moral dos personagens e tampouco de suas ações. Eles apenas agiram de acordo com o que as circunstâncias lhes impuseram. Sua condição não é de vítimas ou de algozes; eles não são bons ou ruins, só querem manter seu fluxo vital.

Para que o espectador absorva suas ideias tem de percorrer o encadear dos fatos, através de uma narrativa linear, que avança e recua, abre e fecha janelas e portas. Numa determinada cena, central para o entendimento da relação de dois adolescentes com a vítima; um deles fala sobre ela e, ao mesmo tempo, mantém com ela um diálogo. Uma economia de meios narrativos, que os modernizam e põe o espectador em contato com o que de fato ocorreu. Bong Joon-Ho não usa aqui o tradicional flashback, de voltar ao fato ocorrido e depois a seu desfecho.

Recursos que irão se repetir em outras sequências, às vezes usando a memória e objetos, como na sequência em que Do Joon entrega a caixa de agulhas de acupuntura à mãe Hye-Ja. Este simples uso do MacGuffin de Hitchcock já elucida a trama. Não é preciso mais nada para o espectador entender o que se passou lá e as implicações que isto pode ter para ela. Inexiste, para alicerçar a narrativa, grandes perseguições, lances espetaculares, só os contornos deles, salvo por uma bem elaborada sequência de suspense, que fazer o espectador torcer por Hye-Ja.

Diretor não julga os personagens

Os demais entrechos do filme seguem o encadeado, de forma que a história avança sem atropelos. Centrada nas circunstâncias que levam os personagens a agir desta ou daquela forma, ela tipifica-os, coloca-os em seu meio social e mostra a relação entre eles. Nada complicado. A ação em “Mother” é motivada pelo comportamento de Hye-ja com o filho Do Joon, que sofre de aflição mental. Jovem, com dificuldade para se expressar, recebe dela atenção redobrada. E temerosa de que ele se meta em confusão, tenta protegê-lo, mas ele lhe escapa.

Ainda que condene sua amizade com Jin-tae, jovem de comportamento suspeito, o próprio Do Joon termina por cometer um ato que irá enredá-los num pesadelo. Um pesadelo que o diretor Bong Joon-Ho desenvolve no limite. Foge às investigações policiais, o desvendar de algo já visto, nada é presenciado, nada é evidenciado. Pode ter sido um lapso de memória de Do Joon ou uma falsa acusação, como Hye-ja acredita como mãe.

Conta mais aqui a forma como o diretor encadeia as buscas que são feitas pelos personagens, - menos pela polícia, entregue à conclusões apressadas, mais por Hye-Ja em sua ânsia de livrar o filho da cadeia. Os recursos à memória de Do Joon e Hye-ja não são ganchos para fazer a história andar, são suportes para que se entenda a psicologia deles como personagens. Um dos choques entre mãe e filho se dá justamente pelas lembranças de Do Joon. Todo o passado da mãe emerge.

{youtube width="600" height="400"}V3NsHhoCXCc{/youtube}

 

Filme trata do sacrifício da mãe pelo filho

Fosse outro diretor, lançaria mão de palavrório. Bong Joon-Ho e seu co-roteirista Park Eun-Kyo se restringem a poucas falas e tudo se encaixa. E Hye-Ja então se explica, quer o perdão do filho. Assim a forma serve ao conteúdo e vice-versa. E retira o filme do lugar comum do “filme de crime”, cheio de perseguições e troca de tiros. O andamento de “Mother” às vezes se acelera, mas logo a ação é atenuada. Salvo na impactante sequência do incêndio, quando com brutalidade extrema Hye-ja perde o equilíbrio e se permite um instante de justiça solitária.

Até o desfecho, se tem desta forma um filme que se condiciona pelas relações mãe/filho, a vida miserável que levam; o cuidado que ela tem com ele e, depois, ao que ela se submete para livrá-lo do que se meteu. Trata-se, na verdade, da história dela, do sacrifício que faz pelo filho. E o mundo cheio de armadilhas em que vivem. Não só pelo que ele supostamente fez, mas pelo que ela também faz, como praticante da acupuntura ilegal.

São dois seres à margem da sociedade. Bong Joon-Ho não os julga. Eles estão condicionados a ter as reações mostradas por ele. Tanto que a mostra em plano aberto à frente do vasto campo, e depois embalada por uma fusão de ritmos musicais numa viagem pelo país. O espectador, acostumado a julgamentos e desfechos moralistas, pode achar que o diretor deveria puni-la e ao filho, mas o caso aqui é que eles já estão condenados por sua posição social.

Esta a validade deste “Mother”, “Mãe”. Uma obra que confirma a criatividade do cinema sul-coreano, principalmente de Bong Joon-Ho com sua inventividade e reversão das narrativas moralistas.

“Mother” (“Madao”). Drama. Coréia do Sul.2009. 128 minutos. Fotografia: Hong Kyung-Pyo. Música: Lee Byeong-Woo.Roteirista: Park Eun-Kyo/Bong Joon-ho, Diretor: Bong Joon-ho. Elenco: Kim Hye-Ja, Won Bin.

 

* Clovis Geraldo é Jornalista e cineasta, dirigiu os documentários "TerraMãe", "O Mestre do Cidadão" e "Paulão, lider popular". Escreveu novelas infantis,  "Os Grilos" e "Também os Galos não Cantam". Reproduzido do Portal Vermelho

Jornal Olho Crítico

jornal olho critico no 08 marco 2015

Revista Visão Classista

VisaoClassista18Capa

Revista Mulher de Classe

Revista mulher classe n5 2015 03

Revista Rebele-se

revista-rebele-se-N1-junho-2014