Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O coletivo distrital da Frente Brasil Popular, formado por mais de 50 organizações, entre centrais sindicais, movimentos populares, partidos, coletivos de mulheres, negros, religiosos, LGBTs e comitês territoriais e por segmentos, reunido na quarta-feira (12/4), convoca toda a militância para construir a paralisação do dia 28 de abril e passa as seguintes orientações:

1-A responsabilidade pela construção desse processo de paralisação é de todas as organizações, do conjunto da militância e de todos os cidadãos e cidadãs comprometidos com o povo brasileiro. Apenas com o envolvimento do conjunto das forças conseguiremos superar o êxito do dia 15/3, avançar na realização da Greve Geral e derrotar o golpe em curso contra a democracia, as reformas contra os direitos dos trabalhadores, a privatização das empresas públicas e dos recursos naturais e a destruição do Estado social.

2- As direções do movimento sindical estão realizando uma bateria de reuniões com os dirigentes dos sindicatos no sentido de construir as lutas. A orientação é que os sindicatos convoquem o quanto antes assembleias com as categorias para preparar as atividades do dia 28 de abril. Os professores, mesmo depois de 20 dias de greve, definiram em assembleia parar. Os rodoviários estão discutindo a paralisação. Os bancários já marcaram assembleia. Outras categorias estão em movimento.

3-O foco das atividades a partir de agora é a preparação da paralisação do dia 28 de abril no Distrito Federal, criando um clima generalizado de que apenas cruzando os braços será possível manter o direito da aposentadoria, os direitos trabalhistas (hora de almoço, férias, 13º salário etc) e as políticas sociais.

4-Para isso, orientamos que os comitês locais das cidades e por segmentos, que se forjaram especialmente no período de resistência ao golpe em 2016, devem ser reunir e tirar um plano de ação para a preparação da paralisação, organizando (1) Atividades de agitação popular nas rodoviárias, feiras e/ou outros locais de fluxo de pessoas, com (2) agenda de panfletagens, (3) colagem de cartazes, (4) exposição de faixas em vias de acesso ao Plano e (5) conversas com a população nos bairros. Para a solicitação de materiais (cartazes e panfletos), enviar um e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. .

5-Os comitês do Cruzeiro, Paranoá e Sobradinho já têm reuniões agendas. Recomendamos que os comitês do Gama, Samambaia, Planaltina, Ceilândia, Guará e as entidades da frente em outras cidades e entorno se reúnam ainda nesta semana 4-Orientamos que as organizações de juventude da Frente Brasil Popular se reúnam ainda nesta semana para organizar uma jornada de colagem de cartazes e pichações no Plano Piloto e nas cidades para criar o clima de Greve Geral.

6-Para o dia 28 de abril, a militância deve colocar foco na concretização da paralisação por meio da agitação popular, a partir das 6h, na rodoviária e em pontos de fluxo das cidades, para esclarecer que é dia de greve em defesa dos direitos e que ninguém deve trabalhar. Quem atua no centro deverá se somar pela manhã aos piquetes e assembleias organizadas pelas categorias. No final do dia, fica a critério de cada comitê deliberar sobre a realização de atos públicos.

7-O grande ato político-cultural no Plano Piloto será no dia 1º de maio, dia internacional de luta da classe trabalhadora. Será montado um palco e tendas de debates nas imediações da Torre de TV para marcar o dia de luta. Será lançado o Plano Popular de Emergência da Frente Brasil Popular, que apresentará ao povo medidas concretas para o país sair da crise, barrar o processo de deterioração das condições de vida dos trabalhadores, especialmente o desemprego, retomar a democracia corrompida pelo governo usurpador.

Fora Temer, Diretas Já!
Nenhum Direito a Menos
COLETIVO DISTRITAL DA FRENTE BRASIL POPULAR DF

0
0
0
s2sdefault