22
Dom, Out

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Nesta sexta feira (11/8), a Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe (Feeb BA/SE) coordenou junto aos sindicatos dos bancários de Juazeiro, Feira de Santana e Vitoria da Conquista, com o apoio da AFBNB, uma mobilização contra o processo de reestruturação no BNB na Bahia, que teve como consequência a suspensão do processo no estado, por parte da diretoria de Administração do BNB.

Na semana passada, o BNB divulgou internamente que iniciaria o processo de reestruturação no Banco, nas 15 agências consideradas piloto, sendo 3 destas na Bahia: as agências de Juazeiro, Feira de Santana e Vitoria da Conquista. Esse processo, ainda sem o conhecimento mais aprofundado dos funcionários e das entidades representativas, leva a extinção de comissões, criações de novas (com valores inferiores), redução de quadro de funcionários das unidades, mudanças nos procedimentos internos, dentre outras questões.

Ao tomar conhecimento desse processo, as entidades se mobilizaram e já no dia 08, se reuniram com a Superintendência do BNB da Bahia para solicitar esclarecimentos e demonstrar ao banco que os funcionários estavam ansiosos e preocupados com a falta de transparência do processo, além de que a reestruturação proposta representa redução de salários e transferências de funcionários de suas unidades, deixando claro que o processo não poderia ser implantado sem um debate e discussão aprofundada, considerando ainda que, no entendimento das entidades e funcionários, ao invés de reduzir quantitativo de funcionários e valores de comissões, o banco deveria era está elevando os efetivos das unidades, para melhorar o atendimento a sociedade. Também serviu para demostrar ao BNB que os funcionários não aceitariam passivamente mudanças estruturais no banco com consequências graves na vida profissional de cada um.

Nesta reunião se fizeram presentes representando os funcionários Waldenir Britto, diretor da Feeb e da AFBNB; a diretora do sindicato da Bahia e da AFBNB, Jeane Marques, ambos membros da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB; Antonio Galindo, diretor da AFBNB; os presidentes dos sindicatos de bancarios: da Bahia, Augusto Vasconcelos; de Juazeiro, Maribaldes da Purificação; de Feira de Santana e Sandra Freitas; de Vitória da Conquista, Paulo Barrocas, além do diretor Carlos Placha, desse mesmo sindicato. Na reunião, o superintendente pediu tranquilidade e se comprometeu a fazer esforços para minimizar os impactos na reestruturação para os funcionários, considerando inclusive que ainda estava em processo de implantação nas agencias pilotos.

No entanto, os funcionários foram surpreendidos na tarde de dia 10 de agosto, quando foram informados pelos gestores das unidades que os nomes dos funcionários que perderiam as funções e que deveriam ser transferidos tinha que ser informado a superior administração até o meio dia do dia 11.
Nesse momento, a Feeb BA/SE coordenou uma mobilização para a manhã desse mesmo dia, juntamente com os sindicatos e os funcionários das unidades envolvidas, visando parar as unidades, para pressionar o banco a rever a medida.

Segundo o Diretor da Feeb-BA/SE e da AFBNB, Waldenir Britto, essa mobilização foi fundamental para que o BNB suspendesse a implantação da reestruturação na Bahia, até que se realize uma reunião com as entidades, prevista para acontecer até do final deste mês, em Fortaleza. “A resposta da categoria foi firme e rápida: conseguimos mobilizar os funcionários das três cidades e foi essa mobilização que garantiu essa suspensão. A mobilização deve continuar firme. Não somos contra mudanças, o BNB precisa atualizar seus sistemas operacionais, melhorar seus processos e equipamentos, mas as mudanças não podem penalizar àqueles que fazem e constroem o BNB diariamente: seus funcionários!”. finalizou o diretor.

Fonte: Feeb BA/SE

Em protesto contra nova lei trabalhista, movimento sindical prepara ato nacional     10 de novembro