Sidebar

23
Seg, Jul

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Protestando de maneira legítima nas galerias da Câmara Municipal de Salvador durante votação de um projeto de autoria do Poder Executivo que retirou direitos previstos no Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos da Saúde, servidores municipais foram agredidos pela Assistência Militar daquela Casa Legislativa.

Durante a confusão, sindicalistas, trabalhadores e até vereadores que partiram em defesa dos servidores foram atingidos por spray de pimenta disparados para conter o protesto. Em pronunciamento na tribuna, o vereador Luiz Carlos Suíca (PT) denunciou o ocorrido e pediu suspensão da sessão ordinária que ocorreu na tardes desta segunda-feira (18).

Assista: 

"Estávamos mobilizados como fizemos nos últimos dias e viemos demonstrar nosso repúdio ao projeto que retirava direitos dos servidores. Havia um clima de tensão no ar que demonstrava claramente que seríamos impedidos de manifestar. Esse atentado à democracia na Casa do Povo é algo inimaginável. Ainda por cima, ainda tentam imputar ao sindicato, danos que não houveram no plenário. Essa postura da presidência da Casa é lamentável e ficará na história como uma violência ao povo e ao Estado Democrático de Direito", afirmou o diretor do Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Salvador [Sindseps], Everaldo Braga.

Os servidores municipais realizarão nova assembleia, na tarde de terça-feira (19), na frente do Shopping da Bahia.

CTB Bahia

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.