20
Qua, Set

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Movidos pela revolta diante dos ataques aos direitos do povo evidenciados com as propostas contidas na reforma da Previdência Social, trabalhista e sindical que estão sendo apresentadas pelo presidente Michel Temer (PMDB), centenas de cidadãos saíram às ruas da cidade de Patos na manhã da quarta-feira, dia 15, em uma das maiores manifestações do ano.

Com gritos de “Fora Temer” e de “golpistas não passarão”, dentre outros, que focavam no alerta para que a sociedade saiba da gravidade do momento político que atinge diretamente o povo, caso as reformas sejam aprovadas pelo congresso nacional, os participantes usaram faixas, bandeiras, cartazes e carro de som para expressar o grave momento que afeta a nação.

Estudantes, trabalhadores, donas de casas, homens e mulheres atenderam ao chamado dos movimentos sociais e dos sindicatos para o ato que teve início em dois locais: Praça Edivaldo Motta e Associação Comercial e Industrial de Patos (ACIAP), ambos no Centro de Patos. Na ACIAP, os professores realizaram assembleia, através do Sindicato dos Funcionários Públicos Municipais de Patos e Região (SINFEMP), onde, além de questões locais da campanha salarial, discutiram as reformas do Governo Federal.

15m pb

José Gonçalves, presidemte da CTB-PB coordena o ato e alerta população para as nefastas reformas de Temer

Entre os manifestos entregues aos presentes, a reportagem da jornalista Ana Magalhães, do Repórter Brasil, destacou que a “reforma da Previdência Social ignora os R$ 426 Bilhões que não são repassados pelas empresas ao INSS. O valor da dívida equivale a três vezes o chamado déficit da Previdência em 2016. Esses números, levantados pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN), não são levados em conta da reforma do governo Michel Temer”.

Os presentes na Praça Edivaldo Motta e na ACIAP se encontraram e percorreram às ruas da cidade de Patos até se concentrarem na sede da Prefeitura Municipal de Patos onde as lideranças e demais cidadãos puderam fazer uso da palavra.

Representantes da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), do SINFEMP, do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino Privado da Paraíba (SINTEENP), Sindicato dos Agentes de Trânsito (SINATRAN-PB), da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Campina Grande, Campus Patos (ADUF-CG), do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba (STIUPB), do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Paraíba (SINTEP), do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Correios e Telégrafos da Paraíba (SINTECT-PB), representantes da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) além do Movimento Olga Benário, da União da Juventude Rebelião e da União Brasileira de Mulheres (UMB), dentre outros, se prontificaram a dar seguimento aos atos.

Duas vereadoras se fizeram presente ao ato, a vereadora Lucinha Peixoto (PCdoB) e Edjane Araújo (PRTB). Destaque também para os esclarecimentos feitos pelo funcionário do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), Francisco Ramos, que destacou os males que serão causados aos trabalhadores caso a reforma da Previdência seja aprovada como deseja o presidente Michel Temer. “Falem com os amigos e com os familiares! Repassem as informações para todos! O que se pretende é acabar com a aposentadoria através de mentiras para tentar convencer a sociedade para apoiar esse crime contra o povo!”, relatou Francisco.

Por Jozivan Antero – Patosonline.com