Sidebar

20
Dom, Jan

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Uma comissão formada pelo presidente da CTB-AC, José Chaves, pelos deputados do Acre, Moisés Diniz (PCdoB), Manoel Moraes (PSB), secretario de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Henrique Corinto, ativista Abrahim Farhat Neto, realizou uma visita aos haitianos refugiados em Brasiléia (AC) para observar como estaria a situação dos habitantes que estão na fronteira.

deputados_e_haitianos

Eles foram acompanhados pelo presidente da Câmara Municipal de Epitaciolândia, Raimundo Gondim, do diretor executivo do CONDIAC Silton Melo e do representante do Governo na região, José Alvanir entre outras pessoas.

O primeiro encontro aconteceu na Câmara Municipal de Brasiléia, por volta das 12h20, quando a pequena comitiva chegou na fronteira. Diniz falou que várias autarquias do Estado serão convidadas para se unirem numa campanha em prol aos haitianos.

Uma comitiva será criada com representantes das Prefeituras, Câmaras, Governo e outros, para se reunir na próxima quarta-feira, dia 09, acompanhando o Secretário de Justiça e Direitos Humanos do Acre, numa audiência que acontecerá no Ministério das Relações Exteriores para tratar do assunto.

dsc_0577

Outra etapa a ser realizada é uma campanha de arrecadação de donativos (água potável, alimentos, roupas etc) que será organizada pelas Centrais CTB/AC, CUT/AC e Comitê Internacional de Solidariedade ao povo haitiano. Que acontecerá nesta quinta, (10) no auditório da Assembleia Legislativa do Acre com a participação dos parlamentares e lideres de sindicais e comunitários.

Para o presidente da CTB “esse ato representa uma grande ação de solidariedade humana que os trabalhadores acreanos prestaram a esse grupo de trabalhadores haitianos que se refugiam no Brasil devido a situação de pobreza e miséria que vive aquela nação”.

Numa das visitas, à Paróquia Nossa Senhora das Dores em Brasiléia, foram recebidos pelo padre Rutemarque Crispim, que lhes mostrou como estão atendendo os refugiados e o que falta. Um fato que chamou a atenção, seria um pedido simples feito pelo pároco, “uma panela grande”, para fazer comida.

Depois, foram até o ginásio da cidade, onde estão “morando”. Muitos trouxeram um pouco de dinheiro que está acabando e este estava servindo para comprar comida e um pequeno quarto em hospedarias.

Pra quem acaba, só resta ir para o ginásio que dispõe de pouco colchões e, segundo eles, já estão dormindo cerca de três num só. Durante a semana, foi visto muitos recebendo CPF’s e carteira de trabalho e sendo levados para o estado de Rondônia, para trabalhar e construir uma vida nova.

Sobre o boato de possíveis contágios de doenças, Diniz falou que ninguém está entrando em solo brasileiro sem que esteja devidamente imunizado. Durante a semana, o Governo do Acre publicou uma nota tranquilizando a população do Acre.

Com informações do Alto do Acre

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.