Sidebar

24
Dom, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A CTB participou na manhã da última terça-feira (21) do ato unificado em apoio aos 11.554 trabalhadores do serviço público ameaçados de demissão no Acre. A atividade também marcou a criação de um Comitê de Resistência, que irá lutar pelo direito dos servidores.

servidsores acre

A Assembleia Legislativa (Aleac) foi o ponto de encontro dos líderes sindicais, dezenas de servidores públicos e líderes políticos que se manifestaram contra a ameça de demissão dos servidores públicos estaduais e municipais diante de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

O STF declarou inconstitucional a contratação de todos os servidores sem concurso público entre 1983 e 1994. A medida atinge não só  os 11 mil servidores, mas uma grande parcela da população acreana através principalmente de suas famílias, além de gerar um possível caos social nos serviços públicos e economia. Esse número representa quase um terço dos servidores efetivos do estado. Entre ele, são mais de 4 mil servidores na área de educação, mais de 3 mil servidores na área de saúde e são mais de 600 servidores da Polícia Civil.

“Esse é um momento de união entre todos, governo, situação, oposição, líderes sindicais, trabalhadores e população. A parte jurídica entre governo e sindicato já está tomando todas as ações possíveis. Nós sempre defendemos os concursos públicos, mas não para essa situação que atinge negativamente a vida de tanta gente”, disse o presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) no Acre, José Chaves.

Os sindicatos ainda afirmam que mesmo com a criação dos concursos públicos para preencher as vagas que ficarem abertas após as demissões, será muito difícil para os servidores que estão se dedicando apenas a vida pública entre 20 a 30 anos conseguirem passar para os cargos.

Comitê de Resistência

A pedido do deputado Moisés Diniz, a Aleac suspendeu a sessão do dia para receber os líderes sindicais e os servidores. Ele propôs a criação de um Comitê de Resistência, reunindo líderes sindicais, líderes políticos tanto de oposição como situação e a população em geral. “Estamos convencidos que essa não é uma luta política, é uma luta apartidária, estamos lutando pelo povo do Acre”, disse.

A presidente do Sindicato dos Professores Licenciados do Acre (Sinplac), Aucilene Gurgel, lembrou que os funcionários da educação são os mais atingidos. “Não podemos deixar que um único princípio, o da legalidade, passe por cima de tantos outros, inclusive o da dignidade humana”.

 

Portal CTB com agências

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.