Sidebar

21
Seg, Jan

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

As Centrais Sindicais no Pará realizaram na segunda-feira (11), no salão do Belém Soft Hotel, café da manhã reunindo os dirigentes das Centrais e de diversos sindicatos e federações de trabalhadores, junto com deputados estadual e federal e lideranças do governo do estado e empresariais, para debater a agenda nacional dos trabalhadores.

ctb_para_cafe_manha



Com a presença do Deputado estadual Edmilson Rodrigues (PSOL PA) que veio reafirmar o apoio de seu mandato a defesa dos trabalhadores paraenses e das centrais sindicais na busca de alternativas que resolva a demanda por qualificação profissional dos trabalhadores. Se dispôs a realizar, junto com as Centrais, as movimentações necessárias para assegurar os direitos dos trabalhadores.

O vice-presidente da FIEPA Sr. José Maria Mendonça (COPALA) se manifestou na defesa do estado do Pará e se colocou a disposição dos trabalhadores em levar, para dentro da Fiepa, o debate da agenda classista, inclusive aceitando debater o projeto da redução da jornada, condicionando a mudanças na forma da cobrança tributária, passando da base sobre a folha para ser cobrada sobre o faturamento.

ctb_para_cafe_manha2

O Deputado Federal Arnaldo Jordy (PPS), além de registrar seu apoio ao conjunto da agenda dos trabalhadores, se dispôs a manifestar, no plenário da Câmara Federal, o apoio à nossa luta e na defesa de que se coloque a votação o projeto de Lei da redução da jornada. Cutucou que falta apenas o presidente da Câmara Marco Maia decidir botar o projeto à votação.

O coordenado0r estadual do DIEESE mostrou aos presentes os estudos das centrais sindicais e do Dieese, esclarecendo as bandeiras e prioridades dos trabalhadores a nível nacional e as especificidades regionais, como da qualificação profissional, reforma agrária e fim da violência no campo.

Falaram ainda na ocasião os presidentes da CTB (Marcão Fonteles), da UGT (Zé Francisco), da NCST (Jacy) e da Força Sindical (Ivo Borges), que deram o tom de unidade que move os trabalhadores e trabalhadoras paraenses pela conquista da redução da jornada de trabalho, sem redução de salário, fim do fator previdenciário, Fim das práticas antissindicais e defesa do trabalho decente e Regulamentação das Convenções 151 e 158 da OIT.

O deputado federal Zenaldo Coutinho, Chefe da Casa Civil do governo do Estado manifestou aos dirigentes sindicais o entendimento do governo do Pará de buscar, junto com as Centrais Sindicais, os recursos necessários para assegurar a qualificação profissional necessária para que as vagas de trabalho no estado possam ser supridas por mão deobra paraense.

ctb_para_cafe_manha3



O representante da CTB, Marcão Fonteles, demonstrou que diferente do que afirmam setores atrasados e conservadores do empresariado a proposta de redução da jornada de trabalho não impacta negativamente no setor produtivo. Com a aplicação das 40 horas ocorre aumento da qualidade de vida dos trabalhadores, com mais tempo para cuidar da família, da qualificação pessoal, para o lazer, o que reduz o adoecimento e stress, com isso aumenta a produtividade no trabalho - que já é alta, decorrente dos avanços tecnológicos e do conhecimento humano. E, ao mesmo tempo, amplia o mercado consumidor, com a criação de mais de 2 milhões de empregos formais no país.

No dia 14 de julho (5ª feira) será realizado ato das centrais na Av. Presidente Vargas, em frente ao Banco da Amazônia, tradicional esquina da luta democrática e popular paraense, quando os trabalhadores irão debater com a sociedade sobre a agenda dos trabalhadores, com distribuição de nota das centrais e trio elétrico.

O presidente da NCST, Domingos Elleres, deixa claro que a ,luta pela redução da jornada só termina com a votação e aprovação do projeto de Lei, do deputado Daniel Almeida (PCdoB – Ba), que regula a redução para 40 horas semanais “É uma necessidade humana e direito conquistado pelo avanço do conhecimento humano e aumento da produtividade laboral pela capacidade da classe trabalhadora”, diz Domingos.

Fonte: CTB-Pará

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.