Sidebar

16
Dom, Jun

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

No Pará a CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) em conjunto com as demais Centrais Sindicais (FS, UGT, CUT, CSP Conlutas, Intersindical, CGTB, NCST e CSB) e uma centena de Sindicatos e Federações representantes da classe trabalhadora, na sexta-feira dia 22 de março, Dia Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência do governo Bolsonaro, foram às ruas, em Belém no interior, em manifestações de massas de grandes proporções que superaram as expectativas das organizações.

Brasil afora, foram manifestações em todas as capitais e em mais de 130 cidades denunciando os intentos nefastos de Bolsonaro em privatizar o sistema previdenciário, para atender os banqueiros. As Centrais reafirmaram a continuidade das lutas em defesa da Previdência Pública e das aposentadorias da classe trabalhadora brasileira.

Cleber Rezende, presidente da CTB/Pará, reafirmou que “vamos derrotar a reforma e Bolsonaro nas ruas, defendendo o direito a aposentadoria, a democracia, a soberania nacional e os direitos da classe trabalhadora, a livre organização e liberdade sindical”, disse Rezende, destacando e agradecendo a presença dos Sindicatos filiados a CTB nas atividades em todo o Pará.

Em Belém, o ato contou com mais de 5 mil participantes, reunindo trabalhadoras e trabalhadores das diversas categorias do serviço público e da iniciativa privada, lideranças políticas, sociais, estudantis, religiosas e sindicais.

Para Valdo Martins , presidente da Federação dos Servidores Públicos do Estado do Pará – FSPEPA, “a unidade foi o diferencial no ato, reunindo nós da CTB e as demais Centrais contra a reforma e sinalizando a construção da greve geral”. Mesma linha de fala do presidente do SINDIQUÍMICOS, Gilvandro Santa Brigida, que falou na abertura do ato, pela CTB Pará. E Bira Sales secretário geral do SINDFORTE, falou que "a reforma ataca diretamente nossa categoria de trabalhadores em escolta armada e de transporte de valores ao por fim a aposentadoria especial".

No estado do Pará, além de Belém, ocorreram atividades em Marabá, com ato pela manhã no INSS e um seminário à tarde na faculdade Carajás. O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Marabá – SERVIMMAR, filado a CTB, Edmilson Oliveira, afirmou que “o ato e o seminário foi um diferencial nas mobilizações no sudeste paraense”. Edmilson informou que ocorreram atividades em São Geral do Araguaia, Tucuruí, Pauapebas, Eldorado dos Carajás, Jacundá entre outras.

Para Nedyma Costa Lima, coordenadora do Sintepp São Geraldo do Araguaia e diretora da CTB/Pará, “realizamos seminário com o tema da reforma e a categoria diz ‘não a privatização’ da previdência social”. Já em Itupiranga, a cetebista, professora Kelcirlane Ribeiro, coordenadora geral do Sintepp, registrou que “aproximadamente 500 trabalhadores/as participaram do ato contra a reforma da previdência”.

Em Itaituba, sudoeste do Pará, para Celson Noronha Neuton Noronha, coordenador geral do SINTEPP, Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará, e dirigente da CTB, “as atividades deste dia de lutas serviu para esclarecer as sociedade e aos trabalhadores da educação dos prejuízos da (de)reforma para a sociedade brasileira”, disse Noronha. Informando que ocorreram atividades em Altamira e Santarém.

No sul do Pará, segundo o vereador do PCdoB Rio Maria e coordenador geral do SINTEPP local, o professor Irã Pereira de Araújo, a “categoria tomou as ruas com carro som, panfletagens e esclarecimentos dos prejuízos da reforma para os professores e para os pequenos municípios”, Irã ainda participou de programa da rádio Berokan. Ainda ocorreram, no Sul do Pará, atividades em Sintepp Xinguara, onde Maria Reis, disse que “realizou seminário com a presença da categoria, comunidade e de advogados para apresentar os pontos da reforma, seguido de um acalorado debate”.

Já na região nordeste do Pará, em São Miguel do Guamá, o Sindicato da Construção Civil e Mobiliário (SINTIMIG) e SINTEPP, subsede local, coordenaram as atividades do Dia Nacional de Luta Contra a Reforma da Previdência, com ações de ruas, manifestações e falas ao carro som, onde o Genivaldo Gil, presidente do Sintimig, sindicato filiado a CTB, afirmou que as manifestações “tomaram as ruas, com homens e mulheres, lideranças sociais e políticas denunciando as perversidades de Bolsonaro contra a classe trabalhadora com a PEC 06/2019, a reforma da previdência”.

Além das atividades de ruas, Saulo Ribeiro, coordenador geral do Sintepp, disse que “além de ocupar as ruas na sexta, no sábado, os sindicatos realizaram um seminário com o tema ‘Somos Muitas. Somos uma Só’ debatendo a Reforma da Previdência na vida das mulheres e o empoderamento feminino das trabalhadoras” em São Miguel do Guamá.

Ainda na região os diretores da CTB/Pará, Thiago Barbosa, vice-presidente e secretário geral do Sintepp estadual, e o vereador do PCdoB, Alfredo Borges Borges, acompanharam as negociações sindicais com a prefeitura de Curuçá e as atividades contra a reforma. Ações dirigidas pelo professor Josenias Corecha.

Conforme informações das Centrais Sindicais, no Pará, ainda ocorreram mobilizações de ruas e/ou seminários nos municípios de Conceição do Araguaia, Ourilândia do Norte, Tucumã, São Félix do Xingu, Canaã dos Carajás, São Domingos do Araguaia, Tailândia, Igarapé-Miri, Moju, Abaetetuba, Tomé Açu, Anapu, Bragança, Almeirim, Porto Moz, Gurupá, Vitória Xingu, Senador José Porfírio, Pacajá, Medicilândia, Uruará, Brasil Novo, Mãe do Rio, Santo Antônio do Tauá e Breves entre outras cidades paraenses.

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.