Sidebar

21
Qui, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O Sindicato dos Trabalhadores em Carro Forte, Transporte de Valores e Escolta Armada do Estado do Pará (SINDFORTE/PA), realizou dois dias (11 e 12) de paralisações e protestos na empresa Prossegur, em Castanhal, contra a ação que demitiu quatro agentes de segurança.

A empresa alegou justa causa, ao considerar que houve quebra de procedimento de segurança por parte dos trabalhadores que estavam em carro-forte assaltado no dia 5 de julho na BR-010, próximo ao município de Irituia, no nordeste do Pará. Os bandidos usaram armamento pesado e dinamite para explodir o carro, e roubaram malotes de dinheiro.

Nos dois dias de paralisações os trabalhadores e os veículos não circularam e deixaram de abastecer, em dinheiro, agências bancárias e comerciais da região. Para o presidente do SINDFORTE-PA, Antônio Aquino, “os trabalhadores não tiveram chances de reagir porque usavam armas com tecnologia defasada e de baixo calibre em relação às usadas pelos assaltantes” e, que os agentes correram “riscos de perderem a vida”.

O Sindicato, com apoio da CTB-Pará, reivindica a reintegração dos agentes em seus postos de trabalho ou o pagamento integral dos direitos trabalhistas de todos eles. Ressalta Aquino: "Temos aqui funcionários com 24 anos de casa e não é admissível serem demitidos sem resguardarem seus direitos adquiridos”.

No final da tarde desta quinta-feira (12) a empresa Prossegur conseguiu um interdito proibitório com aplicação de multa diária de R$ 10.000,00 (dez mil reais) por dia paralisados. O sindicato vai recorrer e continuará buscando as negociações com a empresa e, também, os meios jurídicos para a proteção dos direitos trabalhistas.

CTB Pará 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.