Sidebar

18
Sex, Jan

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Na manhã da segunda-feria (9), o Sindicato dos Portuários do Pará e Amapá e o Sindicato dos Guardas Portuários do Pará e Amapá, com apoio da CTB, realizaram ato na sede da Companhia Docas do Pará - CDP em Belém, reinvidicando melhores condições de trabalhos, acordo coletivo com reajuste salarial, plano de saúde, melhorias no transporte entre Belém e o porto de Vila do Conde entre outras questões.

Foram lembradas e denunciadas as responsabilidades da diretoria da CDP para com a segurança do transporte dos guardas e dos portuários, tendo em vista que na última quarta-feira (5), num acidente de trânsito, dois servidores da CDP perderam a vida e outros 5 ficaram gravemente feridos.

O presidente do SINDIPORTO, Dalton Beltrão, foi firme em cobrar respostas concretas e plausíveis às demandas da categoria portuária, registrando que a "diretoria da CDP deve responder nossas reivindicações e apresentar soluções à nossa pauta em prol da categoria" e, não sendo respondidas, "devemos realizar assembleia geral e fortalecer as lutas e pressões à CDP", reafirma Beltrão.

Para Jonas Pereira, presidente do SINDIGUAPOR, a atual diretoria da CDP não responde às demandas da companhia e dos trabalhadores, "o que estamos verificando é um desmando total da CDP, e a diretoria até o momento não se manifestou em cumprir a falta do plano de saúde e busca constantemente a privatização da Companhia Docas do Pará. Os trabalhadores vão resistir à privatização que não interessa aos trabalhadores portuários".

Jonas ressaltou que se esta diretoria não defende a CDP e seus trabalhadores "que seja trocada por quem quer trabalhar pela CDP e seus servidores", reafirmando que "não podemos ficar parados, vamos às lutas, às manifestações e se necessário à greve", finaliza Jonas.

Cleber Rezende, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - CTB Pará, falou do projeto político e administrativo em curso, no Brasil, pelo desmonte das empresas estatais, o enfraquecimento dos bancos públicos, da Eletrobrás, Petrobrás e dos portos, bem como dos objetivos de privatizações dos portos brasileiros.

"A defesa do patrimônio público faz parte da defesa da soberania, de um novo projeto nacional de desenvolvimento econômico e social com valorização do trabalho", afirmou Rezende, ressaltando que a defesa da Companhia Docas do Pará faz parte das ações da CTB em defesa dos interesses nacionais e regionais.

CTB Pará 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.