Sidebar

26
Qua, Jun

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A #GrevePorDireitos que sacudiu o Rio de Janeiro pela manhã teve seu maior momento no fim da tarde da última sexta-feira (30). Milhares de trabalhadores e trabalhadoras, estudantes, aposentados, homens e mulheres de todas as idades e gerações se reuniram na Praça da Candelária para um grande ato político em direção à Central do Brasil.

Os manifestantes tomaram a Avenida Presidente Vargas, uma das principais vias da capital fluminense, e seguiram em direção à Central do Brasil por onde passam milhões de trabalhadores e trabalhadoras todos os dias.

No final do ato, a truculência das forças de repressão do governo Pezão mais uma vez atacaram a classe trabalhadora que, no entanto, seguirá nas ruas exigindo nenhum direito a menos, Fora Temer, Fora Pezão e Diretas Já.

Confira, abaixo, a avaliação de membros da direção da CTB e de diversos sindicatos sobre as atividades do Dia Nacional de Lutas no Rio de Janeiro.

Paulo Sérgio Farias – presidente da CTB-RJ

“Hoje, dia 30 de junho, foi um grande dia de luta aqui no Rio e no Brasil. Os trabalhadores que estão revoltados com essa política de entregar a nossa soberania e retirar os direitos dos trabalhadores foram às ruas em toda as capitais do país, dizendo um grande e robusto não ao governo golpista de Michel Temer. Indo à luta, unindo o campo e a cidade, e dizendo que não vão sair das ruas. Porque vai ser nas ruas que nós vamos derrotar esse governo e essas reformas que tiram direitos dos trabalhadores. Nós não sairemos das ruas enquanto esse governo não cair e enquanto o povo não reconquistar seu direito soberano de eleger o mandatário da nação. Fora Temer! Nenhum direito a menos! Diretas Já!”

Kátia Branco – secretária da Mulher Trabalhadora da CTB-RJ e dirigente do Sindicato dos Bancários

“Hoje foi mais um dia de vitória para a classe trabalhadora fluminense. Fizemos um grande dia de greves, lutas e paralisação contra esse pacote de Reformas e demos um claro recado de que a permanência do golpista na presidência é inviável. Nenhum confronto apaga isso. Os trabalhadores e as trabalhadoras seguirão nas ruas até que Temer seja tirado da presidência e que novas eleições sejam convocadas. Fora Temer! Diretas Já!”

Eduardo Chamarelli – secretário de Finanças da CTB-RJ

“A atividade de hoje foi importantíssima para os trabalhadores mostrarem sua posição e marcarem território. Mostramos que não vamos aceitar essas reformas absurdas que estão sendo propostas não para melhorar a vida do trabalhador, mas para melhorar a vida do patrão. Então, os trabalhadores não aceitam e as ruas vão aumentar cada vez mais gente, colocando centrais e sindicatos na rua, para impedir reformas e essas movimentações que vão de encontro ao direito dos trabalhadores.”

Ernani Duarte – Presidente do Sindicato dos Estivadores do Rio de Janeiro e presidente da Intersindical Portuária do Rio de Janeiro

“Foi uma atividade muito positiva. Nós estivemos na paralisação na greve dos portos onde a presença da CTB foi decisiva. Foi muito bom para que os portuários conhecessem mais de perto a disposição e luta da CTB. O caminho não pode ser outro! O caminho é seguir numa pauta de luta que não se esgota no dia de hoje. Novas greves, novas ocupações à Brasília serão necessárias para fazer o enfrentamento para podermos derrotar, verdadeiramente, essas reformas do governo golpista de Michel Temer!”

João Batista Lemos – Direção Nacional da CTB e Presidente Estadual do PCdoB Rio de Janeiro

“O dia de lutas de hoje, 30 de junho, foi um dia nacional de muita luta nesse Brasil. Tenho informações do nosso presidente nacional que houveram paralisações e trancaços em todos os estados do País. Aqui, no Rio, fizemos o trancaço da Avenida Brasil e paramos 50 Km com os companheiros do Sindimetal-Rio e do Sintsama. Conseguimos parar a ponte Rio-Niterói, paramos a Rio-Santos através dos Metalúrgicos de Angra. E pipocaram lutas em todas as partes do Rio de Janeiro. Por isso, a importância da unidade da classe trabalhadora. O que atrapalhou foi que algumas centrais não entram na luta. Fingiram que entraram na luta e recuaram no sentido da unidade das centrais. A sinalização para a massa era de que não haveria greve geral, mas nós nos mantivemos firmes na luta de resistência através da CTB e dos movimentos sociais. A lição que a gente tira é a de que essas greves precisam ser organizadas dentro das fábricas. O piquete e o trancaço de ruas são recursos honestos e são grandes instrumentos de luta, mas precisamos elevar a consciência dos trabalhadores dentro das empresas, para que estendam para o seu local de moradia e se irradie a luta. Nosso inimigo é muito forte: é o imperialismo, são as forças conservadoras do congresso e da mídia. Precisamos de uma frente ampla e de unidade da classe trabalhadora. É com as massas, pelas massas e para as massas que nós vamos conseguir novas perspectivas para o nosso país.”

Lívia Fernantes – dirigente da CTB-RJ e do SEPE-RJ

“Hoje estamos aqui nessa greve que já foi vitoriosa. Uma greve que teve como objetivo organizar a classe trabalhadora contra os ataques desse governo golpista. A educação, hoje, se levanta contra a reforma da previdência e contra a reforma trabalhista por entendermos que essas reformas junto com a PEC do fim do mundo são um ataque severo à educação e não vamos permitir que elas passem. Por isso, estamos na greve, estamos na luta e vamos continuar até a vitória.”

Marquinho – presidente da FESEP-RJ

“Houveram manifestações em várias cidades, onde vários sindicatos de servidores públicos foram protagonistas. Tivemos movimentações em Campos, em Resende, em Angra dos Reis e diversos sindicatos de servidores aderiram ao ato de hoje e estão mobilizados para seguir nas ruas enquanto o governo não recuar nessas pautas das reformas da previdência e trabalhista.”

Rose – secretária Geral do Sintect-RJ

“Hoje nós conseguimos parar o maior centro de distribuição dos correios aqui no Rio de Janeiro. Chegamos lá às 4 da manhã e saímos após as 13 horas e foi um dia de muita luta e mobilização em todas as categorias. Assim como a dos Correios, que não foram diferente. Precisamos incentivar, agora, todas as outras categorias e todos os trabalhadores. A categoria dos correios está de parabéns pois como das outras vezes, mais uma vez, esteve na linha de frente na luta pelo Fora Temer e contra essas reformas. Nós estamos nas ruas para derrotar essas reformas e esse governo corrupto e ilegítimo.”

Marcio Ayer – presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro

“A greve geral de hoje foi muito importante. Os comerciários e comerciárias aprovaram em assembleia. E estamos juntos nessa força para combater essas reformas trabalhista e da previdência desse governo golpista e ilegítimo de Michel Temer. A gente acredita que com mobilização na rua, com a luta dos trabalhadores e do povo, a gente consegue barrar essas reformas. É importante ter a participação de todos os trabalhadores. Estamos vivendo com um governo enlameado de corrupção e com seu chefe, o golpista Michel Temer, querendo introduzir essa pauta totalmente regressiva e colocar a culpa dessa crise econômica toda no bolso do trabalhador. È por isso que estamos aqui, nesse dia importante, para dizer Fora Temer e contra as reformas trabalhista e da previdência.”

Fonte: CTB-RJ

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.