Fonte

O dia começou cedo para quem luta contra as reformas do governo Temer. A CTB-SP realizou uma blitz no aeroporto de Congonhas, das 6h às 9h desta terça-feira, para abordar parlamentares que seguiam para Brasília e pressioná-los contra as reformas trabalhista e da Previdência. Foi a primeira atividade do "esquenta" rumo à greve geral de 30 de junho.

A ideia é manter a pressão e não cair na armadilha de arrefecer a luta contra as reformas em virtude da crise política. "A agenda de reformas atrasou por causa da crise envolvendo o Temer, mas o governo continua tendo esse como seu programa central. Querem passar a trabalhista, no Senado, até o fim do mês e voltar com a da Previdência. Não podemos permitir. Mais do que nunca, é hora de luta", aponta Onofre Gonçalves, presidente da CTB no estado.

altSegundo o dirigente, a ideia é fazer como na greve de abril, quando as atividades foram num crescente, mobilizando e chamando os trabalhadores à luta. "Eles não acreditavam que teríamos força para fazer a greve histórica que fizemos em 28 de abril. Dessa vez, os sindicatos e as centrais vão fazer uma ainda maior. Vamos fazer grandes panfletagens e atos no dia 20 e a greve geral vai parar o Brasil, no dia 30. Essas reformas não vão passar", disse.

Onofre também alertou para o perigoso descompasso entre o "mundo de Brasília" e a vida real, com a maior rejeição popular já vista a um governo. "Agora, mesmo com o Aécio, o próprio Temer e seus ministros mais próximos desmoralizados e ameaçados pela justiça, eles têm a desfaçatez de manter as reformas que só beneficiam os banqueiros e empresários acabando com os direitos do povo. O governo e seus aliados do PSDB estão brincando com fogo e vão se queimar".

congonhas2

Fonte: CTB São Paulo