26
Ter, Set

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Milhares de trabalhadores e trabalhadoras do Rio Grande do Sul sairam às ruas no Dia Nacional de Luta contra a reforma da Previdência. Diversas categorias se mobilizam em todo o estado, entre elas, professores, metalúrgicos e policiais civis.

Em Porto Alegre a mobilização que começou às 17 horas já reúne milhares de pessoas na região central. As mulheres se organizam em um bloco para repudiar a reforma proposta pelo presidente Michel Temer que atingirá principalmente este grupo.

“Essa reforma apresentada pelo Temer é um ataque às mulheres. Pesquisas indicam que as mulheres - seja no cuidado da casa e dos filhos - possuem em média 6 anos a mais que os homens de trabalho. Temer quer igualar o tempo de aposentadoria entre homens e mulheres”, denunciam as organizadoras. O bloco das mulheres integra o ato unificado contra a Reforma da Previdência.

Na região metropolitana de Porto Alegre e em outras cidades do interior, os policiais civis, federais e rodoviários, além de outros agentes da segurança pública, paralisaram as atividades pela manhã.

Já em Caxias do Sul, onde o sindicato dos metalúrgicos protagoniza lutas históricas, a manifestação começou de manhã cedo. Operários, estudantes e professores ocuparam a praça central do município pra protestar contra as reformas do governo federal.

Parte dos trabalhadores das fábricas conseguiram paralisar totalmente as atividades durante uma hora e meia. O presidente em do Sindicato dos Metalúrgicos, Claudecir Monsani, convocou a categoria para a luta: “só temos uma bandeira para defender: a dos nossos direitos. Temos que nos unir e fazer a nossa luta. Como está escrito nas camisetas, “não é reforma, é o fim”.

Portal CTB com agências