Sidebar

10
Seg, Dez

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Em palestra no Clube de Dirigentes Lojistas, em Uruguaiana, no interior do Rio Grande do Sul, nesta quarta-feira (26), o general da reserva Antônio Hamilton Martins Mourão, candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro, revelou mais alguns itens da agenda econômica de um eventual governo: acabar com as férias e o 13º salário.

Assista: 

Durante a palestra, ele afirmou que o 13º salário, direito trabalhista garantido no Brasil, é mais uma das "jabuticabas brasileiras", assim como o pagamento das férias. "Só no Brasil a pessoa entra em férias e ganha mais", disse ele.

Mourão enfatizou a necessidade de implementar com rigor a reforma trabalhista e acabar com todas as garantias e direitos trabalhistas que ele classificou como "visão dita social com o chapéu dos outros" ou ainda "mochila nas costas do empresário".

O candidato deixou o local onde proferiu palestra em um Landau 1972, veículo que pertenceu ao ditador Emilio Garrastazu Médici, natural de Bagé. 

Ao contrário do que afirma Mourão, o 13º salário não é uma exclusividade do Brasil. Diversos países garantem benefícios semelhantes aos seus trabalhadores e trabalhadoras, entre eles Portugal, Áustria, México e Alemanha.

Ele também desdenhou a Constituição federal: "Todos os nossos problemas econômicos têm origem na Constituição brasileira de 1988", afirmou Mourão, dizendo que a carta, que completa 30 anos no próximo dia 5 de outubro, criou direitos que o país não tem como pagar.

Em Bagé, falando a latifundiários da região, Mourão também defendeu o fim da estabilidade no serviço público e criticou a educação nas escolas e o ensino de filosofia, defendendo disciplinas que incutam na juventude "valores morais".

Segundo a RBS, o candidato deixou o local onde proferiu palestra em um Landau 1972, veículo que pertenceu ao ditador Emilio Garrastazu Médici, natural de Bagé. Médici chefiou a fase mais sangrenta da tortura e perseguição a opositores políticos no país. Foi sob seu governo, de 1969 a 1974, que foram assassinados Carlos Lamarca e Carlos Marighella.

Portal CTB com Correio Braziliense

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.