Fonte

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nesta sexta-feira (19) a nota Pela Ética na Política, na qual faz uma análise sucinta das mais recentes denúncias envolvendo o presidente ilegítimo Michel Temer.

“Tais denúncias exigem rigorosa apuração, obedecendo-se sempre as garantias constitucionais. Apurados os fatos, os autores dos atos ilícitos devem ser responsabilizados”, diz trecho da nota.

Os bispos afirmam também ser importante a participação da sociedade na elucidação dos fatos. “A vigilância e a participação política das nossas comunidades, dos movimentos sociais e da sociedade, como um todo, muito podem contribuir para elucidação dos fatos e defesa da ética, da justiça e do bem comum”, reforça outro trecho da nota.

Leia a íntegra no link

Pela Ética na Política: Nota da CNBB sobre o Momento Nacional

Aliás, a entidade máxima da igreja católica brasileira vem se posicionando de forma progressista em diversos assuntos da política nacional. Os bispos foram contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff e se colocam contra as reformas trabalhista e previdenciária do governo federal.

Recentemente, a CNBB divulgou nota atacando a reforma da previdência. “O debate sobre a Previdência não pode ficar restrito a uma disputa ideológico-partidária, sujeito a influências de grupos dos mais diversos interesses. Quando isso acontece, quem perde sempre é a verdade. O diálogo sincero e fundamentado entre governo e sociedade deve ser buscado até à exaustão”, afirmam os representantes do episcopado brasileiro.

Sobre o momento atual, a nota da entidade usa a citação do Papa Francisco, onde o sumo pontífice afirma que “na vida pública, na política, se não houver a ética, uma ética de referimento, tudo é possível e tudo se pode fazer”.

Por isso, dizem os bispos brasileiros, “é necessário que saídas para a atual crise respeitem e fortaleçam o Estado democrático de direito”. A CNBB mais uma vez traz uma visão lúcida e clara em favor da democracia e do respeito ao povo brasileiro.

Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy. Foto: CNBB