24
Ter, Out

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A reportagem de Maria Lima, de O Globo, publicada hoje (19), expõe as contradições vividas pelo PSDB, o partido que foi o protagonista do golpe contra a presidenta eleita Dilma Rousseff e que, no momento, passou a se enxergar como mero figurante de um governo ilegítimo.

A conclusão parte da reunião dos tucanos, ocorrida há uma semana, em que o partido decidiu se manter no barco do governo golpista. A reunião da executiva tucana serviu para avaliar o papel do PSDB na cena brasileira desde a eleição de 2014, quando, segundo a reportagem, o partido teria tido seu melhor desempenho eleitoral desde a eleição de Lula, em 2002, quando derrotou o tucano José Serra.

O jornal afirma que, em 2016, o PSDB teria chegado ao purgatório. Tal situação seria consequência das escolhas feitas pelo partido, que incluem o apoio ao golpe, a participação no governo golpista e concluem que estão “num beco sem saída”. A jornalista do Globo diz que o brete do PSDB teria sido avaliado como “imprudência de Aécio Neves na relação com o empresário Joesley Batista”.

Outra análise feita pelos líderes do partido é que Michel Temer não estaria cumprindo sua parte num acordo de implementação das propostas de reformas do PSDB.

PSDB embarcou "facinho" no barco Temer

O relator da reforma trabalhista no Senado, Ricardo Ferraço (PSDB-ES) foi um dos que defendeu a saída do PSDB do governo Temer, alegando que o partido teria embarcado “facinho” demais na canoa e não feito imposições como “Temer pode cometer erros novos, mas não mais do mesmo”.

Ferraço também teria afirmado que o PSDB se acomodou com as “benesses” do poder. “A vaca foi para o brejo com corda e tudo”, afirmou Ferraço. Ele também defendeu que Aécio Neves fosse afastado definitivamente da presidência do PSDB.

Apesar disso, Ferraço segue a fiel cartilha do golpe, defendendo o relatório da Reforma Trabalhista que rasga a Consolidação das Leis do Trabalho e retira os consagrados direitos da classe trabalhadora. A proposta do PLC 38/2017 deverá ser votada amanhã (20), na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, em meio às mobilizações que acontecerão em todo o Brasil, preparativas à greve geral do próximo dia 30.

Acompanhe aqui:

 

De Brasília, Sônia Corrêa – Portal CTB

0
0
0
s2sdefault
Em protesto contra nova lei trabalhista, movimento sindical prepara ato nacional     10 de novembro