24
Ter, Out

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Em defesa do emprego e pela retomada do crescimento, a CTB junto com as demais centrais sindicais (UGT, Nova Central Força Sindical e CSB) assinam manifesto no qual apontam saídas para o cenário de crise que vive o Brasil. Na nota, as entidades reiteram que "a face mais cruel da crise que o Brasil enfrenta hoje é o desemprego alarmante".

#PrimaveraDeLutas em defesa do emprego é nesta sexta (22); conheça a programação nos estados

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o Brasil computa mais de 26 milhões de brasileiros e brasileiras sem emprego ou subocupados. "A nação reclama saídas para crise que condena milhões ao desemprego e a unidade das centrais sindicais em torno desta agenda visa propor, com diálogo e luta, alternativas que apontem para a retomada do emprego e do crescimento econômico", diz o texto.

"No Brasil não há espaço para modelos econômicos focados na financeirização e na privatização de suas riquezas. A redução dos juros é importante, mas sem a ampliação dos investimentos públicos e privados no setor produtivo nacional ela torna-se mero adjetivo. Precisamos de ações mais consequentes que promovam o desenvolvimento e a geração de empregos e que levem em conta os anseios da nação e suas necessidades mais emergentes. Somente com desenvolvimento real e inclusivo recolocaremos o país nos rumos de uma sociedade mais igual e humana".

A CTB informou que na #PrimaveraDeLutas que ocorrerá nesta sexta-feira (22), em frente ao Masp, na Avenida Paulista, o manifesto será distribuído amplamente. "Nossa luta segue firme na conscientização do que está em jogo. O projeto retrógrado em curso não serve para nosso país. Nosso povo pede mais e a classe trabalhadora irá lutar, incansavelmente, contra essa que já a maior investida do capital contra o trabalho", afirma o presidente da CTB, Adilson Araújo.

Leia a íntegra do manifesto:

 

 

Portal CTB

0
0
0
s2sdefault
Em protesto contra nova lei trabalhista, movimento sindical prepara ato nacional     10 de novembro