Sidebar

18
Qui, Jul

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Os dados do PNAD (Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílio) Contínua, divulgados nesta sexta (18) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostram que no Brasil 1,5 milhões (7% dos brasileiros), com 15 anos ou mais, não sabem ler ou escrever. 

Os dados mostram que o Brasil não deve cumprir a meta estabelecida pelo Plano Nacional de Educação de erradicar o analfabetismo no país até 2024. Para 2015, o plano estabelecia uma redução do índice para 6,5%, o que ainda não aconteceu. O cenário desolador revela que, além do analfabetismo, o país persiste com diferenças marcantes entre estratos regionais, raciais e etários. 

Entre os negros e pardos, por exemplo, a taxa de analfabetismo sobe para 9,3% -  mais que o dobro que entre as pessoas de 15 anos ou mais de cor branca, que tem 4% de analfabetos. 

O estudo ainda apontou que entre as pessoas com 60 anos ou mais, a taxa de analfabetismo foi 19,3% . Entre os sexos, a redução da taxa de analfabetismo foi observada igualmente para homens e mulheres e com sutis diferenças. Em 2017, entre a taxa entre homens (7,1%) seguiu um pouco maior do que entre as mulheres (6,8%).

Diferenças regionais

De acordo com  os dados do Pnad, a região Nordeste segue líder em analfabetismo, 14,5% para pessoas com 15 anos ou mais de idade. Quando reduzimos para a população com 60 anos ou mais, esse dado sobre para 38,6%, sendo quase quatro vezes maior que a taxa do Sudeste para o mesmo grupo etário, 10,6% em 2017.

Em segundo, a região Norte, com 8%, seguida a região Centro-Oeste - 5,7%, Sudeste - 3,8% e Sul - 3,6%.

Portal CTB - Com informações do IBGE

0
0
0
s2sdefault