Sidebar

11
Ter, Dez

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Inflação abaixo do piso. O que pode parecer positivo, na verdade, sinaliza falta de vitalidade, uma economia capenga. Essa é a conclusão após a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2017 em 2,95%. Para explicar os resultados, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn enviou carta, nesta quarta-feira (10), ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, na qual explica que houve "erro de calibragem da política monetária".

Belluzzo: Não há solução para a questão fiscal sem crescimento e geração de emprego

O Brasil tem mantido a mesma meta há mais de dez anos, 04,5%. Mas, para 2017 o intervalo de variação aceito era menor do que nos anos anteriores, de apenas 1,5 ponto percentual. O país já extrapolou a meta para cima no passado. Para baixo, é a primeira vez e isso não é um bom.

Inflação abaixo da meta

Então, por que não estamos comemorando? Na prática, a inflação abaixo do piso da meta reflete uma economia débil, doente. Ou seja, os preços não subiram simplesmente porque não há demanda. Cenário que reflete um Brasil com altos índices de desemprego, salários desvalorizados, famílias com renda em queda, ausência de investimentos públicos e privados e um setor industrial com alta capacidade ociosa. Acrescente a essa receita uma super safra agrícola que pressionou a queda dos preços dos alimentos em geral.

Ou seja, o que Temer comemorou em vídeo oficial, esconde um \brasil em recessão e sem horizonte de retomada de crescimento. 

Com reformas de Temer, Brasil empobrece e cai em rankings internacionais

 

Portal CTB - Com informações das agências

0
0
0
s2sdefault