Sidebar

10
Seg, Dez

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Nota técnica divulgada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o Dieese, mostra que o valor de R$ 954,00 do salário mínimo definido pelo governo não recompõe poder de compra do brasileiro. O salário de 2018 é o primeiro em quase 15 anos que foi reajustado abaixo do índice da inflação.

No documento (Nota Técnica 188 “Valor de R$ 954 não recompõe poder de compra do Salário Mínimo”), o Dieese recomenda a revisão do reajuste de 1,81% do salário mínimo já que a inflação de 2017, calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, foi de 2,07%, e 48 milhões de brasileiros têm seus salários referenciados no salário mínimo.

Em seu estudo, o Dieese lembra que, em 2004, durante o governo Lula, as centrais sindicais, por meio de movimento unitário, lançaram campanha pela valorização do salário mínimo. Três marchas organizadas pelas centrais foram a Brasília pressionar o governo e chamar a atenção para a importância social e econômica dessa proposta.

Como resultado deste movimento, foi criada uma política permanente de valorização do salário mínimo, prevista para ser adotada até 2023. Adotou como critérios de reajuste o repasse da inflação e o aumento real pela variação do PIB (Produto Interno Bruto).

O documento destaca que esta sistemática, além de se mostrar eficiente na recuperação do valor do salário mínimo e ser reconhecida como um dos fatores mais importantes no aumento da renda da população mais pobre, marcou o sucesso de uma luta que promoveu o grande acordo salarial da história do país.

O Dieese enfatiza a necessidade de manter esta valorização do mínimo para o bem da população, da economia, e do país como um todo:

"A valorização do salário mínimo induz a ampliação do mercado consumidor interno e, em consequência, fortalece a economia brasileira. A valorização dessa remuneração deve continuar, sobretudo porque o país segue profunda e resistentemente desigual. A desigualdade de renda se manifesta de modo explícito, tanto na comparação entre indivíduos e famílias, quanto entre o trabalho e o capital".

Acompanhe no gráfico abaixo a evolução do salário desde 1994: 
 

salario minimo 2016 tabela

Portal CTB com informações do Dieese

0
0
0
s2sdefault