Sidebar

10
Seg, Dez

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A política de valorização do salário mínimo, uma conquista da luta das centrais sindicais em conjunto com a classe trabalhadora, voltou a ser alvo do secretário do Tesouro da futura gestão Jair Bolsonaro, Mansueto Almeida, nesta quarta (5). 

Em declaração ao jornal O Estado de S.Paulo, Almeida afirmou que o salário mínimo “caro demais”. E considerou que “se ele continuar crescendo, a gente tem que ver como financiar isso".

O gráfico abaixo mostra a evolução do mínimo desde 2003. Ainda que em linha ascendente os reajustes dados em 2017 e 2018 estão bem abaixo dos que foram aplicados em 2015 e 2016.

valorizacaodosalarominimo

Considerada uma das políticas mais revolucionárias do governo de Luiz Inácio Lula da Silva e continuada por Dilma Rousseff até o golpe de 2016, a política de valorização do salário mínimo  se configurou como um avanço institucional importante ao garantir um aumento real do salário em 76%.

"Se não houvesse o aumento, o valor que é R$ 954 seria em torno de R$ 540", lembrou Clemente Ganz Lúcio, diretor do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese). 

Ganz Lúcio ainda destacou que "ela [a política de valorização] credita previsibilidade aos agentes econômicos, principalmente para os empregadores. É uma política coerente. O aumento real segue o crescimento da economia".

Golpe de 2016

O golpe de maio de 2016 trouxe retrocessos imensos. Em 2018, o aumento do salário mínimo ficou abaixo da inflação, o que não ocorria desde 2003, primeiro ano de Lula na presidência. O valor foi reajustado em 6,48%, mas o INPC do ano foi de 6,58%, representando uma perda de 0,1%.

image

Agora, a perda acumulada em dois anos é de 0,34% e o mínimo retornou ao patamar de 2015, segundo cálculos do Dieese.

Cerca de 48 milhões de pessoas no Brasil recebem salário mínimo. Nesse sentido, avalia o economista do Dieese, há um impacto no crescimento econômico, pois qualquer recurso extra vai para o consumo, o que poderia estimular um crescimento mais sustentável da economia. "Sem a valorização, a capacidade de consumo da classe trabalhadora é dissolvida e a economia não alcança caminhos para a retomada", diz Ganz Lúcio.

Portal CTB - Com informações das agências

 

0
0
0
s2sdefault