Bebianno foi chamado de mentiroso pelo filho de Bolsonaro e é acusado de usar laranjas nas campanhas eleitorais do PSL ocorridas na época em que ele presidia o partido

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Depois de muitas idas e vindas, Jair Bolsonaro decidiu exonerar no início da noite desta segunda-feira (18) o ministro Gustavo Bebianno, da Secretaria-Geral da Presidência, informou o porta-voz da Presidência Otavio Rego Barros. “Deseja sucesso em sua caminhada”, disse em lacônico pronunciamento no Palácio do Planalto.

O porta-voz do Planalto evitou dar detalhes dos motivos da demissão de Bebianno. “Motivo de foro íntimo” do presidente Jair Bolsonaro, limitou-se a explicar o general. Alvo de denúncias que o apontam como responsável por um esquema de candidatos laranjas na campanha eleitoral do PSL, Gustavo Bebianno foi fritado e esculhambado publicamente pelo vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, que chemou o ministro de mentiroso.

Bebianno se sentiu traído e não facilitou as coisas para seu ex-chefe, a quem teria chamado de “louco” e “desleal”. Ameaçou botar a boca no trombone e vazar os esquemas ilegais, incluindo Caixa 2, usados na bilionária campanha do capitão. Ainda não se sabe se o presidente conseguiu comprar o silêncio daquele que até poucos dias atrás era considerado o seu braço direito político.

A demissão pode não significar o fim da crise política iniciada com as afirmações pouco diplomáticas do filho, o vereador carioca Carlos Bolsonaro. Se as feridas não forem curadas ou aliviadas, quem sabe com um valioso prêmio de consolação para o humilhado ministro, o episódio pode custar caro ao governo, além de comprometer a agenda de reformas neoliberais no Congresso Nacional, como sugeriu o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

O general da reserva Floriano Peixoto Neto será o substituto de Bebianno. A indicação é mais um claro sinal de que a crise política fortaleceu o grupo dos militares, propiciando uma militarização ainda maior do governo de extrema direita encabeçado por um capitão reformado com um general quatro estrelas na vice-presidência.

Umberto Martins

0
0
0
s2sdefault