Sidebar

13
Qui, Dez

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Em entrevista ao jornal O Globo, o ex-presidente do STF Carlos Ayres Britto afirmou que a saída do juiz Sergio Moro dos quadros do Poder Judiciário para se tornar ministro da Justiça no governo de Jair Bolsonaro compromete "a boa imagem social do próprio Judiciário", que deve zelar pela separação e independência dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Ayres Brito afirma que, mesmo que a lei brasileira não determine um prazo de quarentena para que um juiz possa se tornar ministro do Executivo federal, deve prevalecer nesse caso uma "cautela", ditada pelo bom senso, "para não comprometer nem a independência do magistrado nem o conceito social do próprio Poder Judiciário".

“O Judiciário se define pelo desfrute de uma independência que não pode ser colocada em xeque. O juiz Sergio Moro está à frente de um dos processos penais mais simbolicamente relevantes da história do Brasil, porque alusivo ao gravíssimo tema da corrupção serial organizada às custas do patrimônio público. Isso significa que, no imaginário coletivo, essa migração imediata do principal condutor desses processos para o Executivo redundará em prejuízo para a mais eficiente continuidade da apuração e julgamento do que ocorre no ‘andar de cima’ da sociedade.”

Portal CTB com informações de O Globo - foto: O Globo

0
0
0
s2sdefault