Sidebar

13
Qui, Dez

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O segundo turno das eleições para a Presidência da República apresenta-se hoje como um ponto de bifurcação no longo e acidentado caminho da construção da democracia em nosso país. Em uma direção, esboça-se um projeto ao mesmo tempo neoliberal e francamente autoritário, que traz à cena nacional os piores temores de eliminação definitiva das políticas de inclusão social já em processo de erosão nos últimos anos, de violações graves aos direitos humanos e de desrespeito generalizado e feroz à diversidade marcante que constitui o povo brasileiro, como de resto tantos outros povos contemporâneos.

Nesse contexto, a Universidade Federal da Bahia (UFBA) considera essencial posicionar-se claramente em favor de outro caminho. Reiterando todo o conjunto de posições adotadas por nossa Universidade, compreendemos o papel insubstituível do estado na elaboração e sustentação de políticas públicas para assegurar os direitos fundamentais de todo cidadão brasileiro à saúde, à educação, à remuneração pelo trabalho desempenhado, à livre manifestação de pensamento e ao respeito à dignidade da pessoa humana. Sem a regulação exercida pelo estado, não há ambiente econômico salutar nem programas sustentáveis de desenvolvimento socioeconômico voltados ao conjunto da população, em especial a seus segmentos mais vulneráveis. Além disso, por nossa tradição e natureza, a UFBA não pode deixar de manifestar-se em favor da democracia. E dentro desse ambiente de liberdade de opinião e de expressão que somente a democracia assegura, a UFBA também manifesta-se de maneira firme, mais uma vez, em defesa da universidade pública, gratuita, autônoma, inclusiva e de qualidade.

Todo autoritarismo ameaça essa universidade tal como a concebemos, esse espaço sagrado de criação de conhecimento, de reflexão e crítica, de formação de cidadania consciente, profundamente imbricado na construção permanente de uma sociedade mais justa e igualitária em nosso país. Em paralelo, o neoliberalismo ameaça a universidade desde sua própria sobrevivência material com recursos públicos, comprometido que é o neoliberalismo, por natureza, com as propostas de transformação das instituições de ensino superior em empresas, regidas unicamente pela lógica mercantil da produção de diplomados e aferição crescente de lucros.

Por isso, a UFBA hoje conclama a sua comunidade à vigília, ao debate e à mobilização, juntando-se assim a milhões de outros brasileiros que se mostram determinados à defesa da democracia e da universidade pública.

Reitoria da UFBA

0
0
0
s2sdefault