Sidebar

11
Ter, Dez

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Após uma queda de braço entre trabalhadores e governo que durou meses, com forte atuação das entidades sindicais, com pressão no Congresso, nas ruas e ações na Justiça, venceu a sanha privatizante do governo federal: foram vendidas nesta quinta-feira (30), em leilão, três empresas distribuidoras da Eletrobras.

Não houve concorrência e cada venda obteve apenas uma proposta de compra. A Energisa arrematou duas distribuidoras. O outro vencedor foi o Consórcio Oliveira Energia, que arrematou a terceira.

A Energisa arrematou a Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre) a Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron). O Consórcio Oliveira Energia comprou a Boa Vista Energia – distribuidora de energia em Roraima. 

Em dois anos, empresas estrangeiras compram R$ 80 bi em ativos do setor elétrico nacional

A primeira distribuidora a ser vendida foi a Companhia Energética do Piauí (Cepisa), em leilão realizado no dia 26 de julho. A Cepisa foi adquirida pela única proponente, a Equatorial Energia S.A.

"Com a venda dessas empresas o preço da conta de luz vai disparar”, diz o dirigente da CTB e do STIU-DF, Victor Frota. "A venda das distribuidoras é uma preocupação social. Venderam a CEPISA, no Piauí e isso gerou um aumento de 6% na conta de luz de todos os brasileiros, não só da população piauiense. Outro exemplo é o da CELG, no Goiás. Após ser vendida, passou a ter os piores indicadores da ANEEL em apenas um ano e meio de privatização," afirmou.

Desde o golpe, em 2016, a presença internacional no sistema elétrico aumentou no Brasil. Empresas estrangeiras estiveram envolvidas em 95% das operações de fusões no setor e foram as principais compradoras de ativos de geração, transmissão, distribuição e comercialização de eletricidade.

No período após o golpe que destituiu a ex-presidenta Dilma Rousseff, houve mais de 15 operações de fusões no setor elétrico, que somaram quase R$ 86,2 bilhões em valor de empresa.

Desse total, R$ 80,5 bilhões representaram aquisições em que o comprador eram empresas estrangeiras. O estudo que apresenta estes dados é da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Portal CTB com EBC

 

0
0
0
s2sdefault