Sidebar

25
Seg, Mar

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A Casa da Cultura da América Latina, da Universidade de Brasília (UnB) apresenta a exposição coletiva “O tempo de nossas vidas” sobre o 15º Seminário LGBT do Congresso Nacional. A festa de abertura ocorre nesta quarta-feira (6), às 19h e a exposição fica aberta ao público entre os dias 7 e 17.

Participam dezoito artistas, sendo dois cubanos, um mexicano, um nicaraguense e quatorze brasileiros. Todos apresentam a temática LGBT em questões como o envelhecimento, o ativismo político e a violência. Lembrando que o Brasil é um dos países mais violentos contra a população LGBT como mostram estudos.

nelson morales palabra de reina em baixa tempo de nossas vidas

"Palabra de reina em baixa", do mexicano Nelson Morales, é uma das obras expostas

“Os efeitos do tempo na vida de cada um de nós é o recorte da curadoria, que procurou trabalhos artísticos que pudessem expressar esse momento em que a maturidade chega junto com novos enfrentamentos como a vulnerabilidade física, a solidão, problemas de saúde e o isolamento social. Os idosos, em geral, são quase invisíveis para a sociedade que valoriza o vigor, a beleza jovial, e a energia física”, anuncia o texto de apresentação do evento.

A organização viabiliza o financiamento da exposição através do site Catarse com o tema “Juntos vamos combater a caretice e apoiar a arte LGBT”. Você pode dar o seu apoio pela página www.catarse.me/exposicao_o_tempo_de_nossas_vidas_951b.

O curador voluntário Clauder Diniz afirma que “os idosos, em geral, são invisibilizados pela sociedade que valoriza o vigor, a beleza jovial, e a energia física. Em se tratando de LGBTS, pouco sabemos sobre eles, mesmo reconhecendo que estão por aí. Os problemas são diversos, desde a baixa expectativa de vida de pessoas trans, de 35 anos, à falta de políticas sociais e de saúde para a comunidade LGBT. A geração de homossexuais que se assumiram na década de 1970, anos da liberação dos costumes, chegou à velhice. O que eles têm a dizer?”.

Confirme presença pela página oficial do evento no Facebook.

Entre as obras que serão expostas, está a instalação do artista Gê Orthof que fala do desejo, com imagens de nus masculinos, baralhos eróticos, e citações literárias; fotografias do artista mexicano, Nelson Morales, com registros dos muxes, da etnia zapoteca, sul do México – indivíduos não-binários, que se relacionam sexualmente com homens e mulheres, considerados o terceiro gênero, culturalmente aceitos e respeitados pela comunidade; Bia Medeiros apresentará uma instalação com imagens fragmentadas do seu corpo; Célio Braga trabalha com desenhos minimalistas feitos com pequenas perfurações manuais no papel, são três séries, em uma delas apresenta datas que se referem ao vencimento de remédios ou da própria vida, em outra são desenhos feitos sobre bulas de remédios usados no tratamento de AIDS; e o artista Francisco Hurtz terá 3 séries de desenhos e pinturas em que fala de machismos, comportamentos heteronormativos e homofobia.

De acordo com os organizadores, “a exposição se completa com o tempo dos jovens que mostram nas suas produções o ambiente das redes sociais e das provocações, do ativismo político e do combate ao ódio. A nova geração de artistas que aposta em um outro mundo”.

Participam da abertura os DJs Pedro Laceerda, Muha (Mimosa)  e Anachuri (La Rubia) .

Serviço

O que: “O tempo de nossas vidas” (exposição do 15º Seminário LGBT do Congresso Nacional)

Abertura: Quinta-feira (6), às 19 h

Visitação: Até o domingo (17)

                  De segunda a sexta, das 9h às 20h e sábado, das 9h às 17h

Quanto: De graça

Onde: Casa da Cultura da América Latina

            Setor Comercial Sul Q. 4 Ed. Anápolis – Asa Sul, Brasília – DF

Portal CTB com agências

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.