24
Ter, Out

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Artistas de todo o país e de diversas áreas se unem contra a censura liderada por setores reacionários da sociedade às expressões artísticas. A campanha está no ar na página do Facebook do movimento 342Artes.

O primeiro ato público contra a censura ocorreu nesta segunda-feira (9), em Belo Horizonte. A exposição do artista mineiro Pedro Moraleida “Faça você mesmo sua Capela Sistina”. atraiu centenas de pessoas, inclusive, Caetano Veloso que faz show com os três filhos na capital mineira.

Artistas contra a censura  

Aliás, o compositor baiano é um dos ativistas em favor da cultura. Em uma entrevista disse que “esse negócio de MBL, sinceramente, só gente idiota acredita que aquilo é pra valer”. Em outro vídeo Caetano afirma que “a arte é uma forma de liberdade”.

Diversos artistas acusam o MBL de estar a serviço do desgoverno Temer para desviar o foco da crise que se aprofunda e das inúmeras acusações de atos ilícitos que Temer vem sofrendo. Em diversos vídeos eu viralizam na internet, os artistas convocam a população a resistir.

Preste atenção à fala de Fernanda Montenegro 

Fernanda Montenegro, 87 anos, entra com tudo na campanha. “Tudo é cultura, inclusive a cultura da repressão”, diz a maior atriz brasileira. “Mas só há um tipo de cultura que realmente constrói um país, a cultura da liberdade”.
Para a diva da dramaturgia, o país precisa sim de “educação com cultura e cultura com educação e liberdade. Não existe nação sem liberdade”. E Caetano complementa ao se ir no indignar em ter que “discutir no século 21, censura às artes”.

“O Brasil quer se ver livre da Intolerância. As vozes que se levantam contra a censura e a difamação, são as que acreditam no respeito, na diversidade e no amor. Não aceitaremos que um falso moralismo, oportunista e eleitoreiro, contamine a sociedade para fortalecer os interesses políticos dos fundamentalistas”, diz texto de apresentação do movimento dos artistas.

Entenda

Tudo começou com o encerramento antecipado, pelo Santander Cultural da exposição “Queermuseu - Cartografia da Diferença na Arte Brasileira” por pressões do Movimento Brasil Livre (MBL). Os fascistas acusaram a exposição de incitar à “pedofilia” e “zoofilia”, porque havia uma parte LGBT na mostra e pinturas com nus.

Caetano Veloso detona em entrevista 

Recentemente foi a vez do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), da igreja Universal do Reino de Deus, vetar a exposição na capital fluminense. Com as mesmas absurdas acusações Crivella impediu que o Museu de Arte do Rio levasse a exposição para os cariocas.

A reação dos artistas veio de imediato. Porque existe um “processo forte de criminalização da arte e dos artistas e que nós teremos que enfrentar com bastante veemência”, afirma Gaudêncio Fidélis, curador da exposição Queermuseu, que teve as obras censuradas expostas em Nova York recentemente.

Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

0
0
0
s2sdefault
Em protesto contra nova lei trabalhista, movimento sindical prepara ato nacional     10 de novembro