Sidebar

20
Seg, Maio

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Para comemorar e refletir sobre a infância neste Dia das Crianças (quarta-feira, 12), além do vídeo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o Portal CTB selecionou mais três animações diversificadas para que a reflexão seja completa sobre como estamos tratando as nossas crianças. 

Unicef – experiência com suposta criança de rua

O vídeo do Unicef apresenta uma situação inusitada. Coloca a menina Anano, de 6 anos, sozinha em local público para observar a reação das pessoas. Quando Anano está bem vestida, as pessoas param e perguntam coisas e tentam acolher.

Entretanto, quando a transformam numa mendiga ela parece ter ficado invisível. A mesma experiência em um restaurante tem resultado ainda pior. Vestida de mendiga, ela chega a ser hostilizada pelas pessoas. Até que ponto pode ir a hipocrisia?

 

O menino e o mundo, de Alê Abreu

A animação brasileira representou o país no Oscar 2016. Não levou o troféu, mas mostrou que o Brasil sabe fazer animações de primeira qualidade. A trama conta a história de um menino que sai à procura do pai que abandona a família para conseguir trabalho.

Nessa busca o menino se depara com inúmeras situações do cotidiano, vendo as mazelas da urbanização do país, com um crescimento desenfreado do capitalismo selvagem. A busca da felicidade vai até o final. Que é estar com as pessoas que se ama e se é amado. 

Kiriku e a feiticeira, de Michel Ocelot

A animação franco-belga narra a saga de um menino minúsculo, mas muito inteligente. Ele tem a função de enfrentar a poderosa e malvada feiticeira Karabá, que secou a fonte d'água da aldeia de Kiriku, engoliu todos os homens que foram enfrentá-la e ainda pegou todo o ouro que tinham.

Kiriku fala da exploração imperialista sofrida pelo continente africano, em toda a sua história. O menino deve enfrentar a feiticeira que rouba todas as riquezas de seu mundo e deixa seu povo na pobreza (qualquer semelhança com a atualidade, será mera coincidência?). 

Procurando Dory, de Andrew Stanton

A animação dos estúdios Pixar é uma certa continuação de “Procurando Nemo”. Nemo um menino deficiente físico, que deixa o pai preocupado com o primeiro dia de aula. Dory conta a história de uma menina deficiente mental. Ela sofre de “perda de memória recente”.

A questão das duas animações é a inclusão, num mundo cada vez mais hostil, preconceituoso, onde há pouco espaço para a delicadeza e para a generosidade, que estão sempre presentes nos corações das crianças, em qualquer parte do mundo. 

Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.