Sidebar

20
Seg, Maio

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Um inspetor do Corpo de Investigações Cientificas, Penais e Criminalísticas (Cicpc) da Venezuela, identificado como Óscar Pérez, usou um helicóptero roubado da corporação, para atacar as sedes da Suprema Corte e do Ministério do Interior, em Caracas, na última terça-feira (27).

Entidades organizam Assembleia Internacional dos Movimentos e Organizações dos Povos

Do helicóptero, pilotado por Pérez, foram lançadas granadas contra o Supremo Tribunal de Justiça  e tiros  disparados contra o Ministério do Interior. Mais tarde, Pérez divulgou um vídeo pedindo a renúncia do presidente Nicolás Maduro. 

Na terça (27), o governo venezuelano divulgou um comunicado no qual alertou que a atitude é parte de um plano golpista da oposição. Desde abril deste ano, o governo de Maduro tem sido alvo de uma ofensiva por parte de setores da direita daquele país com apoio da mídia e de empresários que exigem a renúncia do presidente democraticamente eleito.

Constituinte 

Maduro convocou a Assembleia Nacional Constituinte (ANC) com o objetivo de dialogar com a população e buscar saídas políticas para dar continuidade aos avanços da Revolução Bolivariana. “Nenhum destes ataques deterá a ativação do processo popular constituinte, nem impedirá o exercício do direito ao voto por parte do povo venezuelano, no próximo dia 30 de julho, para eleger os membros da Assembleia Nacional Constituinte”, diz nota divulgada pela presidência venezuela. 

O secretário de Relações Internacionais da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Divanilton Pereira, alertou para a violência usada pelos opositores com a finalidade de criar um clima de instabilidade no país. “O consórcio imperialista e seus lacaios da Venezuela radicalizam e acendem novas centelhas com vistas a uma guerra civil”, frisou o sindicalista.

Segundo ele, esta atitude demonstra uma apelação por parte da oposição que não aceita que o povo decida os rumos do país. “A elite venezuelana, como as demais da América Latina, têm receio da consulta popular”, expressou Pereira.

“A resistência bolivariana continua, vencerá e conta com nosso apoio e solidariedade”, concluiu.

Érika Ceconi - Portal CTB 
Foto: Francisca  Casanova 

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.