Sidebar

17
Qua, Jul

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A Federação Sindical Mundial (FSM) região América Latina e Caribe repudiou o golpe contra a presidente Dilma Rousseff. Em declaração, a entidade afirmou que o processo de impeachment “É uma agressão contra a Celac, Unasul e todos os processos de integração na região, que merece nosso mais enérgico repúdio”. 

Leia abaixo a íntegra:

A Federação Sindical Mundial América condena golpe de estado parlamentar-judicial contra a presidenta legitimamente eleita no Brasil

Condena o golpe de estado parlamentar-judicial contra a presidenta legitimamente eleita do Brasil, Dilma Rousseff e repudia o não reconhecimento do voto dos 54 milhões de brasileiros e brasileiras.

Apoia o amplo rechaço e indignação manifestada nas ruas sob a consigna “não ao golpe” e “fora Temer”, pelo povo agrupado no combativo movimento sindical e demais organizações sociais e de massa.

Denuncia que os verdadeiros culpados de tão detestáveis acontecimentos são os setores da direita representantes da oligarquia brasileira, em conluio com a imprensa reacionária e com o aberto apoio das transnacionais da comunicação e o imperialismo.

Revela as verdadeiras intenções do golpe de estado parlamentar-judicial de atacar o processo democrático brasileiro e desmontar os importantes programas sociais de sensível impacto na população mais pobre e implantar um governo neoliberal que acabe com as conquistas sociais alcançadas e que possibilite o saque das riquezas naturais do povo brasileiro por parte das grandes empresas transnacionais, subordinando sua política exterior aos interesses hegemônicos imperialistas.

Declara que este golpe, de novo tipo, conspira contra o importante impulso dos governos de Lula e Dilma por um Brasil defensor de causas justas no plano internacional e inspirador da unidade e a integração latino-americana e caribenha.

É uma agressão contra a Celac, Unasul e todos os processos de integração na na região que merece nosso mais enérgico repudio. Faz parte de uma contraofensiva reacionária contra os processos progressistas da região e dirigido contra os Brics, poderosos conjunto desafiante da hegemonia estadunidense.

Reitera seu apoio ao movimento sindical de luta brasileiro e sua solidariedade irrestrita com o povo e legítimo governo deste país irmão liderado por sua presidenta Dilma Rousseff.

Federação Sindical Mundial região América Latina e Caribe

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.