Sidebar

20
Qui, Jun

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

A Federação Sindical Mundial (FSM) região América Latina e Caribe divulgou uma nota, no último sábado (5), na qual se solidariza com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que foi levado ilegalmente para depor na Polícia Federal através de um mandado de condução coercitiva.

“A secretaria América da FSM denuncia as manobras da justiça, Ministério Público e da polícia brasileira e condena o lamentável show midiático levado a cabo pelo poder judiciário brasileiro contra Luiz Inácio Lula da Silva”, diz o documento.

A FSM América denuncia ainda que esta é uma “estratégia continental imperialista de enfrentar os governos progressistas revolucionários e reformistas contrários a seus interesses”.

Leia abaixo a íntegra da nota:

Declaração de solidariedade a Lula e às forças progressistas do Brasil

A secretaria América da Federação Sindical Mundial (FSM) manifesta sua mais ampla e incondicional solidariedade com Luiz Inácio Lula da Silva e demais membros dos movimentos sociais e sindicais diante das ações judiciais e parlamentares que pretendem associá-lo falsamente à corrupção.

A secretaria América da FSM denuncia as manobras desenvolvidas pela justiça, o Ministério Público e a polícia brasileira e condena o lamentável show midiático levado a cabo pelo poder judiciário brasileiro contra Luiz Inácio Lula da Silva buscando manchar a figura do histórico líder que demonstrou sua inocência de forma reiterada e publicamente várias vezes.

A secretaria América da FSM critica os manifestos propósitos de vincular Lula e outras figuras destacadas das forças progressistas com a rede de corrupção da Petrobras.

A secretaria América da FSM condena a atitude da reacionária e conservadora direita brasileira que, acéfala de ideias, ataca Lula e a presidenta Dilma. Sabe-se que as profundas reformas antineoliberais feitas pelos durante os governos Lula e Dilma no Brasil enfrentam a ameaça de um golpe militar do parlamento e esta tentativa em criminalizar sua imagem faz parte desta tática.

A secretaria América da FSM combate as tentativas da direita brasileira de voltar a época dos coronéis que, estimulando uma saída reacionária e conservadora, outrora convocaram o exército para “sair dos quarteis” e voltar a estabelecer o ciclo entre governos militares contra aberturas democráticas inconclusas. Com estas ações deixam claro sua oposição às reformas desenvolvidas em favor da classe trabalhadora brasileira.

A secretaria América da FSM condena a ameaça à democracia real brasileira, se une à combativa Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e convoca as demais organizações sindicais filiadas à FSM no Brasil, em conjunto com todas as forças progressistas, a fazer uma mobilização geral permanente, lideradas pela Frente Brasil Popular como meio de enterrar o golpe contra a democracia.

Esta frente luta por reformas estruturais como: política democrática, fiscal progressiva, urbana, agrária e a democratização dos meios, a sustentabilidade ambiental e a reforma do sistema financeiro que são a base estrutural de um novo projeto nacional para o socialismo.

A secretaria América da FSM evocando seu espírito anti-imperialista alerta todos os povos latino-americanos e caribenhos, que por trás das ações da direita reacionária e conservadora brasileira estão os interesses imperialistas do governo estadunidense e seus aliados, formando parte da estratégia continental imperialista de enfrentar os governos progressistas revolucionários e reformistas contrários a seus interesses.

Havana, 5 de março de 2016.

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.