Sidebar

25
Sáb, Maio

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Mais de 2 mil trabalhadores do setor metalúrgico entraram em greve na Turquia, na última sexta-feira (20). Como resposta ao movimento, o governo turco agiu para suspender a ação da categoria alegando questões de segurança nacional, medida prontamente rechaçada pelos sindicalistas do DISK/Birlesik Metal-Is.

No total, trabalhadores de 10 fábricas aderiram à greve, após o esgotamento das negociações por salários e benefícios junto a empresas como a General Eletric e a ABB, entre outras.

A lei turca sobre sindicatos e contratos de trabalho, em seu artigo 6356, prevê que “uma greve ou locaute legal que foi convocada ou iniciada pode ser suspensa pelo Conselho de Ministros por 60 dias através de decreto se for prejudicial à saúde pública ou à segurança nacional. A suspensão deve forçosamente ocorrer na data de publicação do decreto”.

Não é a primeira vez que o governo turco age dessa forma para coibir greves contra os trabalhadores metalúrgicos, pelo envolvimento de algumas de suas fábricas na produção de armamentos militares. Confira abaixo trechos da publicação desta terça-feira do DISK/Birlesik Metal-Is, em resposta à ação governamental:

Não reconhecemos a proibição da greve e vamos seguir com nossa luta

Durante a negociação de nossa categoria com a GE, ABB, Schneider e Schneider Energia, não chegamos a um acordo. Como resultado, no dia 20 de janeiro 2.200 membros do nosso sindicato começaram nossa “Greve Metalúrgica”, com grande aceitação e entusiasmo. Depois de iniciada a greve, no mesmo o governo postergou o nosso movimento por 60 dias.

Os metalúrgicos conhecem muito bem o que essa postergação significa. Isso não é um adiamento, mas sim uma proibição.

Já passamos por isso muitas vezes [...]. O direito de greve é um direito histórico, protegido tanto por nossa Constituição quanto pelos Direitos Humanos. Ao nos tirar isso, significa que não temos mais o direito de realizar negociações coletivas.

Como metalúrgicos, não reconhecemos a decisão do governo, que protege apenas os empregadores. Isso é uma afronta aos direitos de nossa Constituição.

Na condição de membros do DISK/Birlesik Metal-Is, não vamos nos submeter à proibição governamental. [...] Já escrevemos a história muitas vezes no passado com a nossa luta e vamos fazer isso novamente, com grande determinação.

Nossa luta vai continuar até que tenhamos sucesso em nossa negociação coletiva. Convidamos todos os amigos da classe trabalhadora a nos apoiar nesta batalha.

Fonte: Fitmetal

0
0
0
s2sdefault

Quer saber o que acontece no movimento sindical e no mundo do trabalho?

Digite seu nome e e-mail para receber gratuitamente nosso informativo.