25
Seg, Set

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times


A única certeza que se tem, sobre esse imbróglio monumental, é que se Dilma Rousseff demonstrasse um mínimo de competência política, a crise seria debelada.

Depois da lista da Lava Jato, a crise institucional pega todos os poderes: Executivo, Legislativo, Judiciário, partidos políticos, o Ministério Público (ameaçado por uma CPI do Senado) e a velha mídia. É uma barafunda tão grande que fica quase impossível calcular a resultante final.

De qualquer modo, o governo deixa de ser alvo único, o que ajudará a dispersar as pressões.

O governo Dilma conseguiu se indispor com os empresários ao permitir o descontrole fiscal; com os movimentos sociais ao fazer o ajuste sem consultá-los; alimentou a onda contra a Petrobras pela demora em agir; desgastou-se com o Judiciário pela falta de verniz político; com o Congresso, por tentar disputar a eleição da presidência da Câmara sem condições. E com todos por não ouvir ninguém.

A divulgação da lista da Lava Jato pela primeira vez tirou Dilma do foco do noticiário. Aí a presidente aparece em rede nacional para chamar os tiros para si novamente.

Mas tem trunfos. É republicana até o limite da ingenuidade, está empenhada em uma saída econômica ortodoxa (melhor do que não ter saída nenhuma) e não mostra disposição para a radicalização. Principalmente: o impeachment não é saída para ninguém.

Com o quiproquó dos últimos dias e a contagem regressiva para as manifestações dos dias 13 e 15, o quadro fica assim:

Congresso – está sob a artilharia do Ministério Público Federal e do STF (Supremo Tribunal Federal). Além disso, caiu a ficha de que o PMDB é partido aliado; e o PSDB o partido que quer destruir Dilma.

Ministério Público Federal – na mira de uma CPI do Senado. Sem abdicar da punição aos culpados, terá que descer do pedestal, agir com sensibilidade política.

PSDB – saiu quase ileso da fase inicial da Lava Jato, mas abriu dois flancos: o foco de luz na lista de Furnas e em outro inquérito que pega em cheio o senador Aécio Neves, devido a uma offshore em nome da Fundação Bogart & Taylor no ducado de Liechtenstein. Desde 2010 esse inquérito repousa na gaveta do procurador geral. Além disso, se Dilma cai, entra o PMDB de Temer.

Movimentos a favor – Dilma conseguiu criar tal perplexidade nos aliados que ainda não se sabe se a manifestação do próximo dia 13 será a favor da Petrobras ou contra o pacote fiscal.

Governo Dilma – A única certeza que se tem, sobre esse imbróglio monumental, é que se Dilma Rousseff demonstrasse um mínimo de competência política, a crise seria debelada. Por várias razões:

1. Não há a menor possibilidade de um impeachment via Judiciário, ainda mais depois que a Lava Jato não revelou nenhum envolvimento direto da presidente. Para avançar por aí, o Judiciário teria que atropelar os instrumentos legais.

2. É escassíssima a possibilidade de Dilma jogar a toalha e renunciar. Entre os defeitos da presidente, certamente não está o de desistir da luta.

3. É improvável um impeachment via Congresso. Primeiro, pela desarticulação do próprio Congresso com a Lava Jato. As manifestações de reação de Renan Calheiros e Eduardo Cunha são muito mais fruto de desespero do que de demonstração de força.

4. A economia está fraca, mas longe de uma desorganização geral.

Luís Nassif é jornalista, blogueiro e apresentador de TV.

 Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.