Fonte

O portentoso, premiado e já referido estudo “A formação do império americano”, [1] do insigne patriota brasileiro Luiz Alberto Moniz Bandeira, deveria ter sido objeto de análise obrigatória da parte do marxista Perry Anderson, agora ex-neófito em política externa do imperialismo. Como comentamos, o historiador britânico ousou escrever um lamentável epitáfio da dialética ao congelar a decadência imperialista dos EUA emborcando numa análise dita também “diletante”. [2]

A propósito, a dialética materialista incidente e emanada no movimento da contradição exige compreender o fundamento da contradição, a estrutura que a orienta ou dirige, assim como a dinâmica que a alimenta. Do contrário, as veleidades sofísticas jamais aportarão maneiras de equacioná-las ou removê-las. [3]

Pântano ideológico e moral

Nessa problemática complexa, além de indispensável contra tergiversações metafísicas, a obra de Bandeira, em segunda edição em Mandarim, na China (2014), perscruta as entranhas da construção do império, desvelando, ademais, que não se pode chegar a conclusões realistas confabulando-se com tertúlias literárias vazias de política externa. Bandeira produz capítulo a capítulo o entrelaçamento contínuo da conduta geral interna e externa dos EUA, sempre baseada na “predestinação divina”, no messianismo nacional herdado da tradição puritana judaico-cristã e fundamentalista. Evolução que se expressa por inteiro na arrogância, no militarismo e na mentira que se tornaram a cartilha pública dos governos fanáticos de G.W.Bush.

Assim, segundo Bandeira [4], ao recusar certas orientações do estrategista Z. Brzezinski, Bush já então levara os EUA ao “perigoso isolamento”, a uma “América isolada”. E ao transformar em política de Estado a tortura “terceirizada”, “estabelecer campos de concentração (Guantánamo, Abu Ghraib), desmoralizar todos os princípios do direito internacional, a soberania nacional e a autodeterminação dos povos” (idem, p.791), a política imperial dos EUA trocaram o “império da liberdade” trombeteado por Tom Paine na “liberdade para o império” (p.792).

Aliás, cumpre observar que, junto a “A segunda guerra fria. Geopolítica e dimensão estratégica dos Estados Unidos. Das rebeliões na Eurásia à África do Norte e ao Oriente Médio” (2013), Bandeira dá curso a uma interpretação impecável da trajetória do império norte-americano buscando novamente um método ético que não lhe afeta o rigor do objeto pesquisado. Noutras palavras, o que resulta claramente da perspectiva imperialista dos EUA não é ali - nos dois estudos referidos – que se precipita qualquer conclusão subjetivista e deformada. No Prefácio ao explícito “O crepúsculo do império e a aurora da China” (2012) [5], em Bandeira a narrativa acerca da decadência aparece onde deve e como um recado antecipado aos sofismas do citado Anderson et alli:

[Em Noronha há] “...lúcida percepção das mudanças da correlação mundial de forças, demonstrando a erosão que corrói o Império Americano...cuja segurança depende cada vez mais do, poder militar a um custo insustentável, em contraste ao alvorecer da China”. “(...) Há alguns acadêmicos que tentam negar o declínio, com o argumento de que ainda são a maior potência militar do planeta...O poderio militar dos EUA, no entanto, tem limites econômicos e financeiros”.

Igualmente, Anderson comete a omissão quanto à fecunda apreciação dos inúmeros estudos de Hobsbawm, sobre as particularidades da política externa americana e as perspectivas do império - a exemplo do referido no primeiro artigo dessa série.

A decadência indiscutível dos Estados Unidos da América é retratada de modo impecável pelo italiano Luciano Canfora, um grande especialista europeu no dissecar da involução das democracias burguesas do Ocidente. Em “Crítica da retórica democrática”, ele resgata o novembro de 2000 como tendo ocorrido um evento, talvez “o mais importante para o século que iria começar”: impôs-se a eleição de G. W.Bush mesmo ele tendo sido derrotado nas urnas, quando a Corte Suprema dos Estados Unidos proibiu a recontagem dos votos da Flórida, o que o derrotaria![6]

Também em 2000, numa entrevista à revista Carta Capital, o sociólogo e profundo conhecedor do recôndito da moral norte-americana, Robert Bellah considerava que os Estados Unidos eram uma “sociedade em colapso”. Bellah se referia então à decadência da sociedade americana em relação aos valores que ela professa, onde uma sensação de mal-estar se desenvolvia ficando cada vez mais acentuada. Havia já uma perplexidade dos americanos “com a derrocada moral da sua sociedade”, quando percebem que seu sistema de poder não é compatível com a ideia de democracia que eles têm, concluíra L. Belluzzo, quem entrevistara Bellah.

Numa angular correlata, a decomposição ideológica dos Estados Unidos aparece em espectros distintos com o suíço Jean Ziegler (“Ódio ao ocidente”, 2011). Nucleado pelos EUA, esse denominado Ocidente passou a despertar um ódio que “não é, em hipótese alguma, patológico”: sim, uma “paixão irredutível”, inspirada num discurso racional e estruturado, particularmente pelo que ele chama de “povos do Sul”. Na sua prática sistemática da arrogância, da humilhação, da exclusão periférica, o Ocidente há muito tempo não se dá conta da “do sentimento de rejeição que provoca”. [7]

Noutro denso livro – esse muito importante -, Niall Ferguson (“Civilização. Ocidente X Oriente”, 2012) desvela um belo painel as diversas formas de decadências dos impérios, ao metaforiza-las nas cinco pinturas de Thomas Cole. Quem teria ali captado artisticamente a ideia da “teoria dos ciclos civilizacionais”. As imagens (1830) desfilam sequencialmente com sendo em O estado selvagem, O estado pastoral ou arcadiano, A consumação do império, A destruição e concluem-se com A desolação – onde a lua sobre ela se ergue e não resta uma alma viva, só umas poucas colunas cobertas de arbustos e heras – escreve Ferguson.

Vendo mais na frente, Ferguson faz então verdadeira taxonomia de exemplos de declínios civilizacionais, e mais adiante, destacando lembrar processos de casos de “colapsos civilizacionais”, diz que eles “estão associados a crises financeiras e guerras”; que após a crise financeira atual iniciada em 2007, “a economia chinesa poderia ultrapassar a norte-americana em 2014” [o que ocorreu no final de 2014, em PIB por Paridade de Poder de Compra: US$ 17,6 trilhões (16,48% do PIB mundial por esse critério), contra US$ 17,4 trilhões dos EUA, ou 16,28%]. Assim – arremata - a crise iniciada no colapso das hipotecas subprime, deve ser compreendida “como aceleradora de uma tendência já consolidada de relativo declínio ocidental”. [8]

Mesmo o conhecido e acima citado cientista político imperialista norte-americano, Zbigniew Brzezinski (“Strategic vision. America and the crisis of global power”) não consegue, repentinamente, disfarçar a sua decepção, embora imagine ainda poder existir algum meio impeditivo da bancarrota histórica:

“Em breve, a crise do poder global será a conseqüência cumulativa da mudança dinâmica no centro mundial de gravidade do oeste para o leste, do revestimento acelerada do inquieto fenômeno do despertar político global, e de perfomance nacional e internacional deficiente da América desde, o seu surgimento em 1990 como a única superpotência mundial”. [9]

Insisto: é suficiente para acompanhar a decadência multilateral dos EUA, apenas seguindo essa literatura - que não trata de tertúlias murchas, mas do real -, numa cristalina sequência: “A corrosão do caráter”, de Richard Sennett (Record, 1999); “Miséria à americana”, de Bárbara Ehrenreich (Record, 2004[2001]); “Colosso. Ascensão e queda do império americano”, de Niall Ferguson (Planeta, 2011[2004]); “A grande degeneração. A decadência do mundo ocidental”, de N. Ferguson (Planeta, 2013[2012]; e o recentíssimo “Desagregação. Por dentro de uma nova América”, de George Packer (Companhia das Letras, 2014 [2013]).

Auscultando o insight de Sir John Mackinder

A percuciente “revelação” de sir John Mackinder sobre um lócus decisivo para o protagonismo geopolítico no sistema de relações internacionais, e seus desdobramentos cruciais nos dias que correm, nem de longe aparece no livro de Perry Anderson. Por conseguinte passando-se ao largo do significado, por exemplo, dos recentes acontecimentos na Ucrânia.

Ora, é amplamente sabido que pertence a Mackinder a teoria – sempre referenciada - de que a Eurásia seria o “pivô do equilíbrio mundial” (1902). Os episódios dramáticos que ocorrem particularmente desde a desintegração a URSS lhe deram mais força ainda. Além de Afeganistão e Iraque, destaca Moniz Bandeira (Cap. IV) [10] a ação imperialista na Iugoslávia (2000), na Geórgia (revolução rosa, 2003), na Ucrânia (revolução laranja, 2004), Líbano (revolução dos cedros, 2005) e no Quirquistão (revolução das tulipas, 2005).

Retomando então a ideia do imenso alcance geoeconômico-geopolítico da Nova Rota da Seda e da multifacetada aliança estratégica entre a China e Rússia, Escobar ressaltou recentemente [11] que, após a imponente parada de 9 de Maio (Dia da Vitória) em Moscou, 32 acordos foram assinados entre os dois países; o presidente chinês, Xi Jinping, construiu acordos e negócios no Cazaquistão e na Bielorrrússia. Para Escobar, dever-se-ia proclamar:

“Bem-vindos à Nova Ordem Mundial da Seda; de Pequim a Moscou em trem-bala; de Xangai a Almaty, Minsk e além; da Ásia Central para a Europa Ocidental”.

A Nova Rota da Seda Hoje expressa uma nova via comercial e geopolítica, ao que se acrescem as iniciativas do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, liderado por Pequim e apoiado por Moscou; o Banco de Desenvolvimento dos BRICs; onde Ásia Central, Mongólia e Afeganistão estão sendo puxados - “inexoravelmente”, escreve ele - para esta órbita compreendendo toda a Eurásia central, do norte e do leste. Uma “Grande Ásia” estaria agora se conformando, também do centro de negócios de Shanghai até a “porta para a Europa” que é São Petersburgo.

E mais uma vez desmentindo de Perry Anderson - para quem Rússia e China podem ser facilmente liquidados pelo belicismo dos EUA -, Escobar informa que o Pentágono só agora teria “descoberto” que a China tem até 60 mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) baseados em silos CSS-4, podendo atingir quase todos os EUA, exceto a Flórida. Ademais Rússia já construiu seu novo sistema defensivo de mísseis ultra-sofisticados S-500 (programado para proteger a Rússia contra um Ataque Global Imediato (Prompt Global Strike – PGS); e cada míssil S-500 pode interceptar dez ICBMs em velocidades de até 15.480 milhas por hora, em altitudes de 115 milhas e alcance horizontal de 2.174 milhas. De acordo com Moscou, o sistema só estará operando em 2017 e sendo a Rússia capaz de dispor de 10 mil mísseis S-500, interceptaria 100 mil ICBMs norte-americanos mais ou menos quando os EUA terão um novo presidente.

1) A decadência do imperialismo norte-americano não só é factual, multifacética, ademais parece mesmo expressar o declínio de uma civilização inserida no modo de produção capitalista e suas sociedades burguesas; seus impasses inúmeros e crise frequentes, estruturais. Por óbvio, não há fatalismo histórico, mas são mais que evidentes as tendências plasmadas. Basta enxergar a humilhação do governo dos EUA agora, durante inúmeros anúncios de cooperação bilionária – e em dólares! – feitos pelo Estado chinês à Rússia, ao Brasil, à Índia e a países da América Latina, por exemplo, enquanto Obama implora “esmolas” de acordos comerciais ilusórios e sem futuro algum.

2) Não pode haver debacle imperialista terminal ou iminente. Isso é artifício demagógico e oportunista – como faz Anderson no aludido estudo – para, inutilmente, paralisar o movimento das contradições objetivas e subjetivas – as do terreno das ideologias. No curso do ocaso dos Estados Unidos, a emergência de um ou outros polos de construção contra-hegemônica é processo lento, envolvendo necessariamente moeda, economia, posição militar e geoeconômica no sistema de relações internacionais. Não á toa os movimentos de retificação estratégica frente a Cuba e ao Irã: contra face do isolamento do império.
Podemos afirmar aqui: na medida em que a complexificação do fenômeno do desenvolvimento global é notável, as leis e exploração estratégicas das contradições para a derrocada do império não se repetem ipsis verbis.


NOTAS
[1] Formação do Império americano - da guerra conta a Espanha a guerra no Iraque, L. A. M. Bandeira. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2005. Como já me referi, um dos aspectos centrais da teorização do professor Bandeira é o do pressuposto de que o império estadunidense culminaria a globalização iniciada já nas grandes navegações (p. 29). Assim, Kautsky teria preconcebido o império americano atual em sua tese do “ultra-imperialismo”. Ora, como referenciei as ideias de Lênin em outros autores, a confluência dos monopólios para um único gigantesco truste global, nada tem a ver com aspectos da teoria leninista do imperialismo: os monopólios, notadamente os financeiros, exacerbariam – exacerbaram e exacerbam – a concorrência global e ampliaram as contradições, instabilidade e crises!
[2] Uma descritiva (e formal) resenha do livro de Anderson, do professor Gabriel Trigueiro, não se distancia muito dessa caracterização geral acima descrita: “A discussão conduzida por Anderson ora é panorâmica, ora é detalhista. Trata-se, portanto, de um livro recomendável tanto para aqueles que têm interesse diletante no tema quanto para os que realizam estudos sistemáticos do assunto”. Detalhe absolutamente ideológico de O Globo: uma foto traz a seguinte legenda: “Perry Anderson: historiador britânico não acredita em declínio americano”. Óbvio que isso revela o elemento principal a ser sublinhado aos leitores pelo jornal! (ver: Novo livro de Perry Anderson traça painel abrangente do poder americano- Historiador analisa política externa do país desde 1846 aos dias de hoje, Prosa& Verso, 02/05/2015).
[3] Cf. Totalidade e contradição. Acerca da dialética, de J. Barata-Moura, Abvante!, 2012, 2ª edição, Cap. V.
[4] Cujo capítulo XIII narra com dramaticidade e desconhecidas informações a crise dos mísseis entre Kennedy, Kruschev e Fidel; crise colada na máfia e na CIA americanas.
[5] Ver as pp. 7 e 11 do Prefácio, Durval de Noronha Goyos Jr. Observador Legal 2012.
[6] Ver: p. 27, Estação liberdade, 2007.
[7] Ver: pp. 25-29, Cortez Editora, 2011.
[8] Ver: pp. 345-7; 358-9, Planeta, 2011.
[9] Basic Books, 2012, Introduction, p. 5.
[10] Da op.cit. A segunda guerra fria. Geopolítica e dimensão estratégica dos Estados Unidos.
[11] Todas as informações que seguem sobre a Nova Rota da Seda estão no ótimo artigo de Pepe Escobar, EUA acordam para Nova Ordem Mundial, em: Carta Maior, 20/05/2015.