22
Dom, Out

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

O cantor e compositor Raul Seixas, em um de seus refrãos mais famosos - na canção "Aluga-se" - propunha, em um satírico discurso de candidato político, uma curiosa bandeira que liquidaria todos os empecilhos ao nosso desenvolvimento: “a solução é alugar o Brasil”. Era uma crítica latente do roqueiro baiano ao que se chama de “entreguismo”, dizendo que já era hora de “dar lugar pros gringo entrar”.

Essa mentalidade de entregar de bandeja os rumos de nossa nação ao capital internacional volta à moda com o senador José Serra (PSDB-SP), que apresentou um projeto que pretende tirar a Petrobras da exploração do pré-sal e entregar os recursos minerais para as empresas multinacionais. Sim, isso mesmo, abrir as porteiras pros gringos entrarem.

Conhecido como PLS 131/15, o projeto de lei de Serra acabaria com a função de operadora única da Petrobras, bem como extinguir a participação mínima de 30% nos campos exploratórios. Nesta terça, o projeto foi objeto de uma sessão temática no Senado Federal, onde os petroleiros e movimentos sociais se manifestaram contra a proposta do tucano. Apesar de ter sido apresentado há menos de quatro meses, o PLS 131 poderá ser votado a qualquer momento, pois os senadores aprovaram um requerimento que colocou a proposta tramitando em regime de urgência.

O que está por trás desse “entreguismo” do Serra, amplamente defendido pelos setores conservadores do Congresso, é evidente: liquidar o modelo de partilha do pré-sal brasileiro, proposto pelo presidente Lula, aprovado no Congresso Nacional e que dará as melhores condições para que os enormes recursos do pré-sal sejam utilizados para a sociedade brasileira resolver seus problemas sociais, principalmente quanto à educação e saúde.

Em outras palavras, eles querem roubar do povo brasileiro a destinação econômica dos recursos do pré-sal e sua utilização no desenvolvimento nacional.
Para isso, se utilizam de argumentos falaciosos de que a Petrobras está em processo de falência e de que o petróleo não terá valor no futuro. As balelas de sempre! Tudo isso em um bem orquestrado jogo de contrainformações na grande mídia. Nossa estatal petroleira é uma das maiores empresas no ramo, com qualificação e competência reconhecidas internacionalmente. Por isso, não vamos admitir essa extorsão promovida pelo senador José Serra. A Petrobras é nossa e ninguém tasca!

Marcelino Rocha é presidente da Fitmetal

Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.

Em protesto contra nova lei trabalhista, movimento sindical prepara ato nacional     10 de novembro