Opinião
Ferramentas
Tipografia

O ansioso blogueiro participou de um evento, em São Paulo, na companhia de brilhante vice-presidente de um dos três maiores bancos brasileiros.

O que se reproduz é uma parte do diálogo.

- A Dilma cai logo, ou demora um pouco?, ele perguntou.

- Ela não cai.

- Não é o que todo mundo acha.

- Todo mundo, quem?

- Ué, na mídia.

- Mas, mídia não derruba presidente.

- Como não? Não derrubou o…

- Derrubou o Lula?

- Mas, a Dilma não é o Lula…

- Ninguém é igual ao Lula.

- Mas, o que estão dizendo…

- Quem?

- As pessoas com que todo mundo fala…

- Quem…

- Não, mas todo mundo diz que ela cai ou com as pedaladas ou com o dinheiro sujo, no Tribunal Superior Eleitoral…

- O TSE já aprovou as contas da Dilma uma vez…

- Mas, vai julgar mais…

- E as contas serão aprovadas, de novo…

- Como você sabe?

- Porque sim! O dinheiro que foi para a campanha da Dilma e Temer é o mesmo que foi para o do Aécio… E pro Aécio foi mais dinheiro ainda! Se é sujo, é sujo duas vezes...

- Mas, o Aécio perdeu…

- Que bom!

- Não, mas, tudo bem. E as pedaladas?

- Primeiro, elas tem que ser condenadas no Tribunal das Contas…

- Qual?

- Tribunal das Contas do Ministro Nardes…

- Exato. Ela vai perder no TCU.

- Vamos supor que o Tribunal acompanhe o relator, o ministro Nardes. Isso não significa nada. O TCU é um órgão de apoio ao Congresso. Não decide nada. Não condena. Nem absolve. Tem mandar o resultado para a Congresso e o Congresso aprovar a decisão. O Congresso pode até nem analisar a decisão do TCU. Ou só analisar quando o neto da Dilma for presidente...

- Mas, é claro que o Congresso aprova. Depois de um voto contrário no TCU, com a autoridade moral do TCU.

- Autoridade moral de quem? Do Ministro Nardes?

- Mas, ela não tem maioria no Congresso…

- Ela está aprovando o ajuste todo. Mantendo os vetos e não tem maioria?

- Mas, é porque o PMDB está com ela.

- O PMDB estará com o Governo. Qualquer Governo. Sempre.

- O PMDB pode trair…

- Se trair será na ante-véspera do fim do mandato para aderir ao futuro presidente. Quem disse que ela não tem votos para impedir o impeachment?

- Ora, a gente sabe.

- A gente quem?

- As pessoas com que a gente conversa.

- As pessoas com que a gente conversa votam na Câmara? E no Senado? E no Supremo?

- Não, mas a gente sabe…

- Você acha que um Presidente da República será derrubado por um processo que corre na Comissão tal da Câmara, vai para outra, tem um parecer, leva-se ao plenário e na calada da noite uma frágil maioria derruba um presidente? Como se fosse uma moção para dar o nome de “Fernando Henrique Cardoso” a uma ponte em Roraima, que ele não construiu? Ele não construiu ponte em lugar nenhum...

- Sim, tem que seguir um rito legislativo normal…

- Que ninguém vai perceber que está correndo um processo de impeachment?

- Por que não?

- Porque, meu caro, para derrubar um presidente da República tem que ter povo e líder.

- Povo tem.

- Qual?

- O que foi para as ruas…

- Mas, não tinha um negro, um único pardo. Que povo é esse? O sueco?

- Mas, não importa, vai ter, ou pode ter.

- E quem é o líder que vai botar povo na rua para derrubar a Dilma?

- São muitos.

- Então, eu vou dizer o nome dos lideres do impeachment e você vai me dizer se ele põe gente na rua: Bolsonaro.

- Não.

- Fernando Henrique.

- Não.

- Aécio.

- Não.

- Cerra.

- Também não.

- Alckmin.

- Ninguém conhece fora de São Paulo.

- Gilmar.

- Ninguém sabe quem é.

- Ministro Nardes.

- Muito menos.

- Ataulfo Merval de Paiva.

- Quem?

- Está vendo? E você acha que o Stedile vai ficar quieto?

- Não.

- Que o Vagner Freitas vai ficar quieto?

- Quem?

- O presidente nacional da CUT.

- Que o Lula vai ficar quieto?

- Ah, mas esse o Moro vai pegar ele.

- É mais fácil o Lula pegar o Moro!

- Quer dizer então que ela fica.

- Fica. E sabe por que?

- Não.

- Porque a Oposição é um bando de frouxos!

- É… Eu não conheci o Carlos Lacerda, mas dizem…

- Por falar nisso: o teu banco pretende fechar as portas se não houver o impeachment?

- Tá louco!

Pano rápido.

O evento ia começar!

Paulo Henrique Amorim é jornalista e blogueiro.

Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.