Opinião
Ferramentas
Tipografia

O paulistano Paulo Antônio Skaf, de 60 anos, foi empresário do ramo têxtil graças ao pai. É presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) desde 2004.

Sua influência se estende ao Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), ao Serviço Social da Indústria (Sesi-SP), ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-SP) e ao Instituto Roberto Simonsen (IRS) e ao Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Embora seja presidente de uma federação no setor, Paulo Skaf não é proprietário de nenhuma indústria relevante. De acordo com jornalistas que cobrem o segmento de negócios, ele faliu a companhia fundada pelo pai e hoje só tem 1% de participação no Grupo Paramount Têxteis, de Fuad Mattar.

Suas poucas experiências de sucesso incluem passagens pelo Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado de São Paulo (Sinditêxtil) e pela Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT) duas vezes. A trajetória pouco robusta o distancia de Horácio Klabin, que fundou uma das maiores empresas brasileiras de papel e celulose até morrer em 1996 com 78 anos, e de Benjamin Steinbruch, que fez parte da privatização parcial da Vale e se tornou acionista majoritário da CSN.

A mediocridade de Paulo Skaf no ramo empresarial se reflete em sua carreira política tardia.

Entrou no PSB em 2009, candidatou-se a governador no ano seguinte e obteve mais de um milhão de votos defendendo mensalidades para universidades públicas dentro de um partido, ao menos no nome, socialista.

A convite de Michel Temer, que havia acabado de se tornar o vice de Dilma, entrou no PMDB e tentou o governo contra Geraldo Alckmin. Perdeu, mas conquistou 4,5 milhões de votos.

Nas últimas eleições para o governo, ele não sabia explicar como dispunha de um helicóptero. O filho de Skaf, André, tentou construir um aeroporto privado em Parelheiros, no extremo sul de São Paulo, numa Zona Especial de Preservação Ambiental (Zepam). Em 2014, a prefeitura de Fernando Haddad barrou a iniciativa.

Fiesp, Sesi e Senai são bases que dão poder a Skaf em suas disputas eleitorais. Ele estruturou a máquina dessas instituições de modo que os funcionários são tratados como seu gado eleitoral. As táticas de mobilização forçada envolvem as três entidades.

A primeira consiste em “convidar” diretores e funcionários a participar da campanha eleitoral dele em postos estratégicos. A inclusão de membros da Fiesp obviamente gera benefícios.

As mesmas entidades ajudam Skaf com a distribuição de material de campanha dentro das escolas de São Paulo. A Fiesp já investiu, por exemplo, mais de R$ 10 milhões no reforço de ensino em uma cidade no interior de São Paulo.

A última iniciativa de PS é a campanha do “pato”, contra a implantação da CPMF defendida pelo governo Dilma. Em 2014, Paulo Skaf declarava-se aliado da presidente. Hoje pede a renúncia.

Depois do vazamento dos grampos de Sergio Moro sobre Lula e Dilma, no dia 16 de março, Skaf enviou uma mensagem no celular a um grupo de altos executivos. Dizia o seguinte: “Vocês devem apoiar o movimento pela renúncia da presidente Dilma!”

Numa reação em cadeia, isso foi passado adiante para os demais departamentos.

O uso ideológico da máquina da Fiesp feito por Paulo Skaf gera, atualmente, uma insatisfação de empregados que não querem colocar suas opiniões políticas junto com suas funções de trabalho. E há também incômodos em outras instâncias.

“Não é só os diretores e funcionários que ficam contrariados. Há outros grupos vinculados à Fiesp insatisfeitos. A Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo é contra muitos dos posicionamentos. Mas a pressão dele prevalece”, disse a fonte.

A Avenida Paulista está fechada há cerca de 24 horas por manifestantes antipetistas que já agrediram um casal e um rapaz que andava de mochila vermelha. Entre os gritos de “renuncia Dilma”, a agressividade dá combustível para palavrões e truculência gratuita.

Nunca uma avenida dessa importância teve carros bloqueados pela Polícia Militar de Geraldo Alckmin por tanto tempo sem tiro, porrada ou bomba. Justo a mesma PM que agride estudantes e esquerdistas. E nenhuma notícia relevante sobre trânsito se vê na imprensa.

E a Fiesp de Skaf serviu filé mignon num almoço para os líderes anti-Dilma nesta quinta-feira (17). Skaf é um pato da espécie dos oportunistas.

Pedro Zambarda de Araujo é escritor, jornalista e blogueiro. Autor do projeto Geração Gamer, que cobre jogos digitais feitos no Brasil. Teve passagem pelo site da revista Exame e pelo site TechTudo.

Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.