22
Dom, Out

Fonte
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Lutar, sempre foi o nosso verbo. Lutar, hoje, pela democracia e respeito à Constituição brasileira é tão difícil quanto necessário. Lutar mais do que nunca, é acumular força, para vencer. Nossa dignidade não está à venda e não permitiremos que corruptos e golpistas administrem o Brasil.

O dia 17 de abril mostrou ao mundo, o que é o poder midiático, político partidário, empresarial e jurídico no Brasil. Um Supremo Tribunal Federal que permite que um bando de corruptos promova um espetáculo contra a legislação, contra a Constituição, contra as mulheres, contra a classe trabalhadora.

O mundo inteiro, assistiu, horrorizado, a votação e declaração dos deputados, que em nome de uma suposta família, votam sim por um impedimento sem crime, cometido pela presidenta Dilma e ridicularizam toda a nação.

Repulsamos essa hipocrisia, inclusive, da utilização do nome de Deus pelos corruptos e a homenagem aos torturadores, que durante décadas destruíram vidas esperanças e macularam a história do Brasil. Mas, ficou claro quem é Eduardo Cunha, Temer, Bolsonaro e os Tiriricas. E, que, lamentavelmente, pior do que está, fica!

Fica, se não lutarmos! Fica, se não, nos unirmos! Se não defendermos a nossa tão importante Constituição democrática, duramente conquistada e que, ainda, precisa ser regulamentada e cumprida.

O governo federal errou, ao não promover as medidas e reformas necessárias para o Brasil continuar avançando.

Em momentos de crise todo governo enfrenta dificuldades e nós temos que ajudá-la a superar indo para as ruas defender avanços na nossa jovem democracia. Mesmo porque não existe comprovação de nenhum crie cometido por ela. Não pode sofrer impedimento de continuar seu mandato, pois, isso, significa o que os corruptos querem, que é barrar as investigações e prisões de corruptos poderosos. Nunca nesse país, a imprensa, o Ministério Público Federal, a polícia e o judiciário foram tão livres, livres ao ponto, infelizmente, de agirem à revelia da lei, seletivizando os crimes, não investigando e não denunciando os partidos de Direita e não prendendo grandes criminosos como Temer, Cunha e Aécio.

A imprensa brasileira, aprimora a defesa do sistema capitalista, dos poderosos contra o povo, e promove o ódio entre nós mesmos. Impõe irracionalidade, investe para que, muitos, estejam ao lado dos empresários, que bancam a camisa da CBF como se fosse a defesa do Brasil.

Somos brasileiros e amamos nossa pátria, mas, não nos curvamos a quem explora nossa nação. Tudo o que temos é fruto da nossa luta, da nossa garra, da nossa organização. Temos orgulho de vestir vermelho, verde, azul e branco. O Arco- íris nos pertence! A luta de classes sempre existiu não será um muro imposto pela burguesia que vai destruir nossa dignidade. Enfrentamos as crises e não aceitamos o Golpe de Estado e as medidas apresentadas por Michel Temer, que pretendem promover ajuste fiscal e retirar direitos sociais, desvincular a receita da Saúde e Educação, flexibilizar direitos trabalhistas, fazer a terceirização e quarteirização do trabalho. Penalizar ainda mais as aposentadorias e destruir a Constituição de 1988.

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, conclama a mais ampla unidade de ação para barrarmos o golpe e impedirmos que o maior traidor do povo brasileiro, senhor Michel Temer e seus seguidores, corruptos, governem o Brasil. Para tanto, as ruas devem ser ocupadas, as tribunas devem ser do povo. Não aceitamos pacto do diabo contra os direitos da classe trabalhadora. O PLP 257 e as diversas medidas contra a Classe trabalhadora devem ser derrubadas.

Exigimos respeito a quem constrói o Brasil.

A Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo devem ser fortalecidas. Estamos juntos no 1º de Maio e estaremos na luta sempre!

Ailma Maria de Oliveira é presidenta da CTB-GO.

Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.

Em protesto contra nova lei trabalhista, movimento sindical prepara ato nacional     10 de novembro